Mindelenses consideram  o atentado contra  o filho do Primeiro-ministro   uma covardia

7/01/2015 06:38 - Modificado em 7/01/2015 06:38

JoseLuisNevesNa sequência do atentado contra o filho do primeiro-ministro, os entrevistados por este online consideraram “uma covardia que serviu para despertar as autoridades que a insegurança não é fictícia, mas uma realidade presente há muito tempo na sociedade e de que ainda não tinham dado conta”.

A tentativa de assassinato de José Luís Neves, filho do Primeiro-ministro cabo-verdiano é vista pelos entrevistados como uma forma de exigência de uma maior segurança dos cabo-verdianos.

Liliane Lopes considera que a tentativa de assassinato de José Luís Neves foi uma forma que os criminosos encontraram para provarem, mais uma vez, o clima de insegurança que a sociedade cabo-verdiana vive e evidenciar a fragilidade da justiça no país. “Caso as autoridades não despertarem para a realidade, os criminosos continuarão a dominar a Justiça e nunca mais serão interceptados”, desabafa a entrevistada.

Para Aldino Conceição, “graças a Deus que o cidadão está fora de perigo”. Por sua vez, entende que os últimos casos de crimes em Cabo Verde envolvendo familiares de figuras do Governo são uma ameaça e chamada de atenção aos governantes que continuam a dormir enquanto a Nação sofre as consequências de uma má política de combate à criminalidade. O caso que aconteceu com o filho do Primeiro-ministro não deixa de ser preocupante e, felizmente, não houve nada de mais grave e encontra-se fora de perigo.

José Fernandes, sem papas na língua, considera uma covardia que serviu para despertar as autoridades sobre o facto que a insegurança não é fictícia, mas uma realidade presente há muito tempo na sociedade e de que ainda não tinham dado conta.

Recorde-se que no dia 30 de Dezembro, José Luís Neves, filho do Primeiro-ministro foi baleado por homens encapuzados à porta da sua residência na Cidadela, Praia. O Cidadão foi atingido por quatro tiros de calibre 9 mm: dois atingiram a região do abdómen, outro a região do peito e o último na perna .

  1. Joao

    O Governo e os deputados Nacionais de Ambos os Partidos já acordaram. Espero que na próxima sessão parlamentar não vão discutir questões de interesse partidária, mas discutirão propostas de alteração do código penal. “Caçubudistas” e Assassínios devem trabalhar durante o dia em limpeza das ruas e a noite vão dormir na cadeia.

  2. Joana

    Trata-se de uma covardia por se tratar do filho do primeiro ministro de fosse um cidadão comum que paga os seus impostos a este governo, duvido se teria a mesma relevância.~Sociólogos politologos, políticos tudo e mais alguma coisa reconhecem que a sociedade caboverdiana esta no auge da insegurança, mas esta conclusão so veio a tona por se tratar do filho do primeiro ministro.

  3. pepé porto

    força, zezinho ou Doku como ´é carinhosamente é chamado li na porto,RB. deus ta dau rapidas milhoras, porto inteiro sta reza pa bu recuperação, força nha amigo.

  4. tey

    Aqui em cabo verde temos grandes policias, que andam a favor dos delinquentes,sou prova disso,roubam e depois são defendidos como inocentes.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.