Ribeirinha: Assaltantes roubam objectos de ouro e 458 mil escudos

24/12/2014 08:34 - Modificado em 24/12/2014 08:34

furtoUma mulher vendedeira de “balaio” ficou sem  458 mil escudos que tinha guardado em casa. Os assaltantes aproveitaram-se da sua ausência para vasculharem a sua residência e levaram a quantia e mais outros objectos de ouro.

 

Maria de Fátima Lopes reside na zona da Ribeirinha e sobrevive de um humilde negócio de “balaio”. Diariamente Maria sai de casa com o seu “balaio” à cabeça à procura do pão de cada dia e só regressa a casa no final da tarde.

A mesma conta que ao chegar a casa encontrou a porta de trás arrombada e a sua casa completamente vasculhada por assaltantes que lhe roubaram toda a economia que tinha feito ao longo dos anos.

Maria diz que guardava cento e vinte e oito contos numa caixa que se encontrava no interior de uma mala juntamente com mais trezentos e cinquenta escudos, um brinco no valor de doze mil escudos, um mascote e um telemóvel.

O caso ocorreu na passada sexta-feira e Maria diz passar por muitas dificuldades desde o dia do assalto e que, neste momento, vive da ajuda de pessoas amigas, pelo que apela às pessoas de boa vontade para a ajudarem na alimentação porque perdeu tudo o que tinha para manter a casa.

Reforça ainda que se tem desenrascado com uma cesta básica que o filho recebeu da Câmara Municipal, pois é funcionário dessa instituição. Dada a situação, Maria diz encontrar-se desesperada e que o final do ano será de muita tristeza.

A ofendida garantiu que o caso está sob a investigação da Polícia.

  1. Joana

    Para que que existe os bancos

  2. maria

    se calhar foi alguém que sabia onde estavam as coisas. deixe estar, Deus é grande. o mais importante é que tem vida e saude. o resto vem depois,

  3. Mateus

    Mas essa Sra devia guardar esta quantia num estabelecimento bancário. Seria mais prudente. lamento o ocorrido. Que deus lhe dê sorte e saúde neste 2015

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.