Raúl Castro: “Não deixaremos o comunismo”

22/12/2014 08:45 - Modificado em 22/12/2014 08:45
| Comentários fechados em Raúl Castro: “Não deixaremos o comunismo”

raul castroO presidente cubano, Raúl Castro, garantiu ontem que Cuba “nunca abandonará o comunismo” e exigiu aos EUA respeito pelo sistema político da ilha no diálogo sobre o restabelecimento das relações bilaterais.

Falando no Parlamento cubano três dias após o anúncio do histórico acordo para a reaproximação entre os dois países, Castro foi claro ao avisar os EUA que a abertura demonstrada por Havana não significa uma ‘mudança de regime’ ou um abandono dos princípios socialistas. “Da mesma forma que nunca exigimos aos EUA que alterassem o seu sistema político, exigiremos que o nosso seja respeitado”, frisou o líder cubano, lembrando ainda que “falta resolver o problema do bloqueio económico a Cuba”. “Será um processo longo e difícil”, avisou. Entretanto, soube- -se ontem que o processo de reaproximação entre os EUA e Cuba teve início na primavera de 2013, quando Obama encarregou dois jovens assessores da Casa Branca, o seu conselheiro para a América Latina, Ricardo Zuñiga, e o vice-conselheiro de Segurança Nacional, Ben Rhodes, de levarem a cabo “discussões exploratórias” com Havana.

Foram, ao todo, nove reuniões, sete no Canadá e duas no Vaticano, o qual mediou as negociações. Quando Obama e Castro apertaram a mão no funeral de Mandela, há um ano, as negociações tinham seis meses e estavam bem encaminhadas. Tudo foi feito em segredo: Zuñiga e Rhodes chegaram a viajar em classe turística para passarem despercebidos.

cm.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.