Lígia Furtado diz que é perseguida pelo Ministro da Justiça

16/12/2014 08:47 - Modificado em 16/12/2014 08:47

cadeiaO jornal “ASemana” resolveu assinalar o Dia Internacional do Direitos Humanos com uma entrevista com a reclusa Lígia Furtado condenada a 17 anos de prisão por tráfico internacional de droga, lavagem de capitais e associação criminosa. E da leitura da entrevista fica-se com a certeza que os que contribuíram pela condenação de Lígia: Policia Judiciaria, Ministério Publico são eles os culpados e precisam que alguém que lhes defenda, numa próxima entrevista, quem sabe, os seus direitos humanos violados.

Começando pelo Ministro da Justiça, que na altura da prisão de Lígia era Procurado – Geral da Republica, este é acusado de perseguir a reclusa.” Ele tem uma birra comigo”- diz a reclusa que depois acusa o ministro de “ ele tem agido de má- fé suscitando questões que não existem, usando claramente a lei só para que eu não continue o meu curso “. Em relação a actuação do Ministério Público, Lígia considera que “ a meta era condenar – me juntamente com os outros arguidos, e conseguir a perda dos meus bens a favor do Estado. Aproveitaram-se de uma pessoa que se encontrava em situação vulnerável, especificamente a Zamy, assim como de toxicodependentes para atingirem os seus objectivos “. A PJ é acusada de fabricar provas “ quis aparecer mostrando serviço, entre outras testemunhas, sem excepção, quase todas eram fabricadas, porque nenhuma delas falou a verdade”

Sobre ela, Lígia Furtado disse a entrevista “ASemana” que “ confesso ainda que a minha ambição foi desmedida, ela impulsionou as decisões erradas que tomei e ditaram a minha prisão. Prisão onde estou a pagar um preço elevado, que até dói na alma. E só eu, Lígia, sei o tamanho da minha dor”.

  1. atenta sal

    È bem feito. foste ganosa e cheia de si. querias subir na vida rápido e deu no que deu. agora culpas a justiça. a justiça agiu bem compraste, pagaste. e agora para quê o curso de direito? para defendertes os traficantes? bem haja

  2. Joaquina Barreto

    Ah Lígia, bu sabe ki nem Cristo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  3. criola

    A tua prisão doi-te na alma ,mas não pensas nas inumeras almas que estão a sofre até hoje com a tua ambição desmedida fazer entrar no nosso pais essa porcaria que quando voces não conseguiam mandar para fora era vendida aos pobres jovens do nosso pais ,nao tens consciencia de quantas familias ainda choram por um filho perdido por este flagelo ,não tens consciencia de quantas familias desgrassaste com a tua ambição desmedida.Sim doi-te a alma mas vai doer-te ainda mais até sangrar pelas vidas que

  4. criola

    Tu e os teus camaradas infligiram a nossa sociedade, voce agora vem dizer perseguida deixa aquele homem em paz (procurador)pois ele é dos poucos homens do nosso pais que sela para o bom funcionamento da repartição que derige com zelo e imparcialidade.voces lembram em direitos humanos somente quando algo do vosso lado não corre como voces querem,mas lembrou das vidas ceifadas pela porcaria que transportavas (tambem voce violou o D.H. dessas vidas ,o direito de viver num Ambiente seguro e Saudavel

  5. Gisele

    Não acham que estão a dar a essa srª protagonismo demais? Quem não se lembra das exibições dela aqui na Praia? Deus dá a todas as pessoas o seu livre arbitrio para aptar se vai para o caminho do bem ou do mal. Depois cada um deve arcar com as consequencias dos seus actos. ou seja ” quem dá sé cabeça na tchon bá intendé kel”.

  6. Julia

    Uma pessoa que nasceu livre teve sempre o livre arbitro e de uma vez por todas joga por agua abaixo toda a sua liberdade só pela ambição, paga pelos seus crimes e agora vem falar de injustiça de direitos.Quais direitos……….direito de vir para fora e fazer o mesmo tu mesma contribuíste para tudo isso pagas pelos teus crimes agora aguenta

  7. esquiiiiiiiiiiiiiiii

    Quem dói na alma são as familias que choram os seus filhos viciados na droga que tu transportavas.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.