Operação Peral Negra: depois do aparato, tentativa de enviar pizzas para um dos arguidos

10/11/2014 07:18 - Modificado em 10/11/2014 09:54

No fim da audição dos seis arguidos do processo de apreensão de 521 quilos de cocaína, o cenário á frente do Tribunal de São Vicente não tinha nada a ver com o aparato policial quando os suspeitos foram entregues pela PJ (ver vídeo).

 

Após seis horas de audição o Procurador Regional, que acusou os arguidos de tráfico internacional de drogas e associação  criminosa saiu sem escolta. Meteu-se no seu carro, sem escolta e foi para a casa sem escolta. Ao Juiz que aplicou prisão preventiva como medida de coacção aconteceu o mesmo. Assim parecia que na entrega dos detidos estamos num filme policial: segurança máxima para conduzir os suspeitos ao Tribunal. Na saída estávamos em Cabo Verde com a segurança dos magistrados nas suas próprias mãos e na … Preciosa ajuda de Deus para quem acredita. Ma se os magistrados que lidam com esses casos têm que garantir a sua própria segurança, porque não enviar três pizzas para os arguidos, que por causa dos magistrados já não podem ir comer a casa? Foi o que pensou um dos familiares de um dos presos preventivos que entregou ao advogado três pizzas para entregar ao familiar. Não sabemos se fez a diligência, o certo é que voltou com as três caixas de pizzas e anunciou: os agentes prisionais informaram que a esta hora não permitida a entrada de comida na Cadeia da Ribeirinha. Ora, bem!

  1. PIPI

    Pizza ê ess??? ahahhha
    agora el ti t ba cmê Piii, e el tem q estod q força p gritá guardiaaaaaaaaaaa

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.