Escola Semião Agostinho Lopes: Esclarece

10/11/2014 06:56 - Modificado em 10/11/2014 06:56
| Comentários fechados em Escola Semião Agostinho Lopes: Esclarece

COOKIE2Exmo. Sra. Directora

Jornal On-line Noticias do Norte

 

A Direcção da Escola Semião Agostinho Lopes, situada na zona da Bela Vista em São Vicente, gostaria de exercer o direito de resposta face às notícias publicadas neste jornal, pelo que agradece os seus bons ofícios no sentido de publicar na íntegra esta carta.

Alertamos que esta carta tem como objectivo desmentir o que achamos que não foi bem dito, e excluímos a possibilidade de denegrir imagem de quem for, porque a verdade deve ser sempre dita tal como ela é. Não temos nada contra este jornal e somos defensores de uma comunicação social competente e isenta.

Alguns funcionários desta escola na qualidade de cidadãos, são habituais leitores deste jornal que veio preencher uma lacuna que existia no norte do país. Acontece que no norte do país existe dezenas de escolas e nenhuma delas foi tantas vezes notícia no espaço de menos de um ano como tem sido a nossa escola. Achamos isto muito estranho porque as várias noticias ora são falsas ora são distorcidas da realidade e todas com um único objectivo, falar mal da nossa escola. A escola que os nossos alunos se orgulham, escola com professores com formação e com muitos anos de experiencia, escola que como diz um colega nosso todas as vezes que a visita encontra uma coisa nova pela positiva.

Queremos esclarecer o seguinte: A actual gestão iniciou-se no ano de 2007, desde então pessoas que não querem a escola bem já montaram várias armadilhas, com mal dizeres, denuncias e cartas difamatórias por vários lados. São tantas que há pessoas que pensam que os conteúdos são verdadeiros e por isso já estão a achar estranho a continuação da boa dinâmica da escola.

Desde o início deste ano 2014, todas as vezes que montam uma armadilha cai nela alguém que diz trabalha para este jornal mas nunca mostrou nenhuma identificação que prova e nem segue protocolos muito importantes. Há quem insiste que provavelmente não trabalha só para o jornal Notícias do Norte, porque as notícias sobre a nossa escola não são nada comparáveis às de outras.

Começou no dia 7 de Fevereiro deste ano com a notícia escandalosa sobre a qualidade da nossa famosa refeição, em que os factos não eram verdadeiros, o que todos já sabiam. A seguir o jornal denunciou as condições físicas da escola, por causa de pedaços de cimento que caem do tecto de uma sala na altura desactivada e sem nenhum mobiliário, não achamos que isso fosse noticia e nem procuramos o jornal. Desde então sentimos uma procura de agulha no palheiro, e sabemos que funcionários em especial as cozinheiras foram várias vezes entrevistadas dentro deste estabelecimento de ensino público sem qualquer autorização para entrada e permanência da Direcção da escola.

No dia três de Novembro com a notícia da agressão com um soco. Achamos que os limites foram ultrapassados. A notícia não conseguiu nem dizer o dia do suposto acontecido e dá tudo como provado. No mesmo dia a escola foi contactada através da interrupção de uma reunião, e foi confrontada com uma teimosa colagem de palavras nas nossas bocas. Oficialmente dissemos que não tem passado nada de anormal e nenhum professor foi suspenso. Mas insistiu-se se agressão é normal. E voltamos a esclarecer: aqui na escola não há prática de agressão, não tivemos nenhuma reclamação para averiguação, pode até acontecer medidas correcção, mas agressão de professor para aluno não temos conhecimento. Dos esclarecimentos mais uma notícia foi publicada dizendo que o gestor disse que não foi agressão mas sim correcção. Não vamos dar resposta, já sabemos, capta-se uma palavra e cola-se com outra para dar mais jeito.

Sobre a suposta agressão, tivemos conhecimento de um desentendimento de um aluno com o seu professor, que aconteceu imaginem no dia 20 de Outubro e foi enterrado no dia seguinte com o aluno arrependido e pronto para pedir desculpas ao seu professor. Alguns alunos como todos sabem são muito brincalhões coloriram o incidente que acabou por espalhar na zona.

O pai do aluno depois de ser contactado provavelmente pelo jornal ficou constrangido e veio no mesmo dia falar com a Direcção da escola. Não vinha fazer alguma reclamação mas sim dialogar porque o acontecido tomou um tamanho que não faz sentido, e não quer que o professor saia prejudicado, também adiantou que no dia seguinte veio falar com o professor mas não conseguiu, não contactou a Direcção porque achou que podia perfeitamente entender com o professor depois.

Queremos desmentir que nunca houve boca inchada, quem quiser pode provar o contrário apresentando declaração médica ou fotografia como acontece nos casos de agressão. No momento do desentendimento só estava o professor e os alunos na sala de aulas, como é que um funcionário viu o professor a agredir o aluno com um soco na boca para que possa confirmar? Aqui na escola todos negam que tenham feito isso. Em relação à confirmação dos colegas, esperamos que os menores não foram entrevistados por um jornal sem autorização da escola e principalmente da indispensável autorização dos pais.

Não ouve suspensão de nenhum professor. Afinal quem é que suspendeu o professor? E por que motivo terá feito isso? Onde está a nota da suspensão? O que foi escrito sobre o professor é lamentável e merece o nosso total repúdio.

Quando referimos que as noticias têm como objectivo falar mal desta escola, foi porque neste corrente ano construímos uma estufa com cerca de 133m2 de superfície para ajudar a enriquecer a dieta alimentar, a rampa de acesso à escola, restauração de casas de banho, feira de alimentos com a participação da Comunidade Educativa, Taça Semião Lopes de Futebol com a participação de todas as escolas vizinhas, projecto de plantação de árvores bem adiantado, boa organização da escola, regras de segurança apertadas para manter a escola segura, projecto pedagógico “A arte do mobiliário” que culminou com uma grande exposição de vários dias, projecto pedagógico biblioteca na escola, só para citar alguns exemplos. São actividades que já foram notícias de outras escolas, mas coisas boas da nossa escola não têm mesmo tratamento e nós como todos sabem trabalhamos para as crianças e não tocamos trombeta, mas que fique claro acontece muitas coisas boas aqui que podem ser noticias que interessam a nação.

Também quando referimos que o objectivo é falar mal, é porque a escola padece de muitos problemas nomeadamente falta de calcetamento do pátio que deixa esta escola num estado pouco agradável, falta de condições para prática de desportos, problemas de carpintaria, depósitos de água, electricidade, falta de equipamentos electrónicos, e outros, mas também há quem não quer ver nem falar, porque se falar certamente poderemos ter respostas positivas, mas como todos sabem há quem não quer que esta escola tenha melhorias, e se por acaso foi dito algo o objectivo era outro e não ajudar esta escola.

Concluindo nós pensamos que as notícias não contribuíram em nada para ajudar a nossa escola nem para informar a opinião pública correctamente. Não queremos esse tipo de tratamento, queremos imparcialidade. Aqui na escola trabalham funcionários do Estado e não queremos ser confundidos por políticos. Somos muito compreensivos mas não brincamos em serviço, por isso não nos façam perder tempo com intensões duvidosas.

A Comunidade Educativa da Escola Semião Lopes tem orgulho na sua escola, tem consciência que não é perfeita e que pode e deve fazer muito mais.

A Direcção deixa uma recomendação, quem não nos quer ajudar então deixe-nos em paz.

Aqui todos são livres de fazer as suas reclamações, livres de procurar instâncias competentes para reposição dos seus direitos, aqui a disciplina é total e ninguém deve ter medo de falar a verdade. Quando dissemos que foi assim é porque foi assim, não queremos desconfiança, se alguém não tem confiança em nós ficamos muito decepcionados porque sempre demonstramos que somos de confiança e essas notícias não nos abalam, o que nos abala é a falta de confiança e colaboração e algumas vezes isso tem acontecido.

Nós agradecemos às instituições e pessoas amigas que realmente nos têm ajudado. Porque sabem que temos um trabalho difícil e pouco valorizado. Lamentamos que há sempre aquelas que saem mal na fotografia, nunca nos confortam nem reafirmam confiança em nós publicamente. Problemas das escolas são de toda a sociedade, todos têm o dever de dar a sua cota parte para a educação integral das nossas crianças.

Muito obrigado pela paciência e compreensão de todos.

Bela Vista, 6 de Novembro de 2014

António da Luz Silva

 

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.