O primeiro republicano negro do Sul no Senado e a ascensão de um novo Bush

5/11/2014 12:57 - Modificado em 5/11/2014 12:02
| Comentários fechados em O primeiro republicano negro do Sul no Senado e a ascensão de um novo Bush

tim scottAs eleições que se realizaram na terça-feira nos Estados Unidos renovaram o Congresso de Washington e permitiram algumas estreias. Pela primeira vez desde a Guerra Civil americana (1861 a 1865), um republicano negro foi eleito para o Senado pelo Sul; pela primeira vez uma mulher negra foi eleita pelos republicanos para a Câmara de Representantes.

Os analistas escreveram que são duas vitórias muito significativas, pois provam que o Partido Republicano está a alargar a sua base de apoio a sectores não tradicionais.

Tim Scott — eleito para pela Carolina do Sul — não é uma figura nova no Congresso de Washington. Já se sentava na bancada republicana desde Janeiro de 2013, quando substituiu outro senador. Agora que se apresentou a eleições e ganhou, o lugar é seu por direito de voto.

No Utah, os eleitores republicanos elegeram Mia Love, antiga presidente da câmara de Saratoga Springs, para a Câmara de Representantes.

Os analistas sublinharam ainda a forte presença de negros nestas eleições, 100 candidatos, um número considerado exepcional num país onde o Presidente é negro (Barack Obama, democrata) e onde uma mulher negra já teve um dos cargos mais poderosos, o de secretária de Estado (Condoleezza Rice, republicana).

Noutro ponto do país, no rico Texas, outra vitória voltou a pôr nos títulos dos jornais o apelido Bush — família que já deu dois presidentes aos EUA (George e George W.) e que aspira a dar mais outro. George Prescott Bush, de 38 anos, tornou-se o primeiro da sua dinastia política a vencer a primeira eleição a que se candidatou; foi eleito comissário sobre o direito dos recursos naturais e da terra, um cargo que parece pouco relevante mas que tem muito peso no Texas, um estado produtor de petróleo.

O pai de George P., Jeb Bush (que era governador da Florida quando o irmão, George W. Bush, venceu as presidenciais, precisamente devido aos votos, polémicos, que conseguiu neste estado) é um o nome desejado por um sector republicano para ser o candidato do partido à presidenciais de 2016. Jeb Bush é casado com uma mexicana e no partido há quem considere que é o candidato certo para cativar os votos da comunidade hispânico-americana, cada vez maior e mais influente.

Na semana passada, George P., de propósito ou sem querer — nunca se sabe no jogo político — disse aos jornalistas que a candidatura do pai é uma possibilidade e que a família já falou sobre ela. “Se me perguntassem há uns anos, eu diria que não era provável. Mas agora, se Jeb decidir avançar, “terá toda a família a apoiá-lo”.

 

publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.