Serviços Prisionais instauram processo a delegado sindical: as bruxas andam soltas na Cadeia da Ribeirinha

30/10/2014 07:30 - Modificado em 30/10/2014 07:30

cadeia-2-Anildo Lima Delgado, Delegado do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP) e também agente prisional, em entrevista à TCV e ao Notícias do Norte afirma que a Cadeia Central da Ribeirinha encontra-se lotada e que existe um número insuficiente de agentes prisionais. Devido a essa afirmação, foi instaurado pelo Director da Gestão Prisional e Reintegração Social dos Serviços Penitenciários um processo disciplinar ao agente prisional que falou à imprensa na qualidade de delegado sindical. A SINTAP por sua vez, considera que Anildo Delgado está a ser vítima de perseguição e solicita o arquivamento do processo. Com tanta coisa a acontecer na Cadeia da Ribeirinha , parece que as bruxas estão soltas por esses lados . Figa canhota !

 

Eduardo Fortes, secretário permanente do Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública (SINTAP) afirma à RCV que o processo disciplinar instaurado ao delgado sindical é uma tentativa de intimidação, de impedimento e de silenciamento da actividade sindical, isto porque Anildo Delgado falou à imprensa na qualidade de delegado sindical e não como agente prisional da Cadeia da Ribeirinha de São Vicente. O entender da Direcção-Geral dos Serviços Penitenciários (DGSP) e da Direcção da Cadeia Central de São Vicente é contrário às alegações da SINTAP e no âmbito do processo disciplinar, a DGSP alega que o agente prisional Anildo Delgado cometeu de forma consciente, premeditada e deliberada várias infracções disciplinares e ao fazer declarações graves sobre a segurança da Cadeia da Ribeirinha. O  agente Anildo Delgado é acusado de violar os deveres gerais de zelo, de lealdade, de correcção e urbanidade, de aprumo e proibidade previstos no Estatuto Disciplinar dos Agentes da Administração Pública (EDAAP) assim como nas alíneas b), c) e h) do nº 1 do artigo 32º do EPACP (Estatuto do Pessoal do Corpo dos Agentes Prisionais). Desta forma, Anildo Lima incorre numa pena de multa prevista no artigo 14º do EDAAP, uma vez que se considera que o comportamento do agente prisional é negligente e fez uma má compreensão dos deveres funcionais, gerais e especiais.

Eduardo Fortes refuta as acusações estipuladas no processo disciplinar contra o agente Anildo Delgado com base no Direito de Liberdade de expressão, direitos do cidadão que, no seu entender, são direitos que devem ser respeitados, porque são garantias salvaguardas na Constituição de Cabo Verde e adianta que a SINTAP irá recorrer a todas as identidades competentes caso o processo disciplinar não seja arquivado e apela à ponderação do Ministério da Justiça. Ao que parece por estes dias as bruxas andam a solta na Cadeia da Ribeirinha : figa canhota !

  1. ACLN

    Só corrupção pa.

  2. ACLN

    Este director é um corrupto. isto sim

  3. Cidadão

    Força Nild se bo era um corrupto moda es bo ka tava ness situção pq quem te concheb sabe que bo é um bom cidadão e cumpridor de bos deveres, e cre zela pa segurança de bo e bos colegas e de nos tud pa livra nos des delinquentes e Sr. Jacob Vicente deveria continua preso te espera la ses cumpanher corruptos. Força la Brou…

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.