Naiss Monke: 11 anos à espera que justiça seja feita

29/10/2014 07:12 - Modificado em 29/10/2014 07:12

COOKIE2Manuel João Brito conhecido por Naiss Monke, funcionário da Sede da UCID, diz estar há 11 anos a aguardar pela justiça.

 

De entre vários casos esquecidos na justiça, Naiss Monke, pertence a esta interminável lista de espera de processos que ainda não chegaram ao fim. Naiss aguarda o desfecho do processo há onze anos.

Naiss Monke, como é conhecido por todos, é um deficiente e cadeirante de 48 anos que trabalhou durante 15 anos como secretário do partido ‘Estado Democrático’, posteriormente PTS, liderado pelo Dr. Onésimo Silveira.

Naiss, reivindica os seus direitos que lhe foram roubados, pois trabalhou durante um ano e nunca recebeu um tostão do seu salário. Na altura em que o partido não andava bem, resolveram encerrar o partido e ficaram a dever o seu salário e a indemnização dos tempos em que trabalhou como funcionário.

A vítima diz que por ter uma relação de grande amizade com o Dr. Onésimo Silveira tentou resolver de forma amigável, mas tal não foi possível e teve de recorrer às instâncias superiores para ver reconhecidos os seus direitos.

Em 2002 recorreu a diferentes advogados para tratar do assunto, mas alguns deles mostraram-se indisponíveis alegando que partilhavam relações de amizade com o Dr. Onésimo pelo que não ficaria bem trabalhar no caso. No entanto, conseguiu um advogado que tratou do processo que foi entregue ao Tribunal de São Vicente e que ficou a aguardar até Junho de 2003 quando o processo ficou despachado, obrigando o partido a efectuar o pagamento de todos os direitos até agora registados somente no papel.

Não tendo recebido o pagamento, a vítima dirigiu-se de novo ao Tribunal que prometeu penhorar os bens do PTS para reaver o pagamento de um ano de salário em atraso e a indemnização do tempo em que trabalhou para o partido. “Se eu não fosse uma pessoa de expediente e lutadora, poderia estar morto, porque a minha família não possuiu meios para me sustentar embora não tenha filhos”. O mesmo acusa a justiça de nada ter feito para tratar do seu caso.

Há alguns anos que Naiss trabalha na Sede da UCID, onde agradece a bondade do Presidente do partido que lhe ofereceu um posto de trabalho.

Naiss diz aguardar há onze anos para que justiça seja feita e apela que seja o mais rapidamente possível e que respeitem os direitos dos deficientes. O mesmo julga que se a situação tivesse acontecido de forma contrária, estaria acusado e teria já cumprido a pena. Não sendo desta forma, a justiça não consegue passar por cima dos que podem porque são favorecidos pela própria justiça.

Mesmo com deficiência motora Naiss conseguiu concluir o 12º ano de escolaridade e diz ter trabalhado na área da política de que gosta imenso.

  1. Tudo verdade. o Sr.Antonio Monteiro tem ajudado bastante, isso eu sei porque fomos colegas de escola no 12º ano.

  2. HL

    Naiss, bo problema ê pq bo catem dnher, se não ja bo tinha advogados e juizes pronto pa resolve bo caso. como da Ligia Furtado, ta ser dod sempre prioridade, sabendo q ela é uma grande bandida do trafico, pq ela tem dinheiro do trafico para pagar o sistema da justiça (juizes e advogados) os coitados ta oia ses casos ta expira pq catem juizes suficientes pa resolve tantos casos. quanto na verdade ess juizes ta prioridade a casos q ta metes dnher na bolso. Ela ca larga trafico pq continua rica.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.