Implementa sistema de triagem de Manchester

16/10/2014 07:47 - Modificado em 16/10/2014 07:47

sistema de TriagemO Hospital Baptista de Sousa passará a contar com o sistema de triagem de Manchester, um protocolo clínico que permite classificar a gravidade da situação de cada doente que recorre ao Serviço de Urgências.

 

Depois de frequentes reclamações por parte dos utentes do Hospital Baptista de Sousa, entra em vigor o sistema de triagem de Manchester que irá classificar as prioridades de atendimento do doente, que estabelece o grau de gravidade e o tempo ideal em que o doente deverá ser atendido.

Nesta sequência, este online esteve no Banco de Urgências em entrevista aos utentes que aprovam a medida, mas dizem ver para crer.

Janine que acompanhava a mãe que aguardava ser atendida pelo médico desde as nove horas da manhã, relata que o sistema de triagem é bem-vindo desde que diminua o tempo de espera do doente no Banco de Urgências e que venha a melhor o serviço, porque nem sempre os doentes recebem tratamento igual. “Muitas vezes, quando são pessoas conhecidas por algum enfermeiro, médico ou funcionário do HBS os doentes são tratados de forma desigual”.

Maria identifica a sua única crítica em relação ao HBS, no tempo de espera do doente. A mesma, espera que o sistema de triagem ajude o trabalho do hospital, mas também deverá beneficiar o doente quanto ao atendimento e o tempo de espera.

“Este sistema deveria ter sido implementado há muito tempo. É inaceitável que um doente fique à espera para receber tratamento durante mais de cinco horas. Só falta os doentes morrerem no Banco de Urgências à espera de serem atendidos”, conta Evaristo

Samila Inocêncio, directora clínica do Hospital Baptista de Sousa justifica o longo tempo de espera com o número insuficiente do pessoal para atender a demanda. “É normal que o tempo de espera aumente, tendo em conta o facto de serem muitas as pessoas a serem atendidas no mesmo período, com o mesmo número de recursos humanos”.

Normalmente, nesta altura a demanda é maior pelo que a capacidade de resposta nem sempre consegue acompanhar a situação. Deste modo, o tempo de espera torna-se numa consequência e, geralmente, as pessoas acabam por esperar mais.

Segundo a responsável, uma das agravantes da situação do longo tempo de espera é que “infelizmente, uma boa parte das pessoas que estão no Banco de Urgências não são situações de urgência”.

No intuito de colmatar a situação, Samila Inocêncio adianta que brevemente o HBS inicia com o funcionamento do Sistema de Manchester, sistema de triagem que irá permitir, de uma forma objectiva, classificar os doentes se são ou não urgentes e de obter uma previsão do tempo de espera e que deve ser respeitado pelos doentes.

 

 

 

 

 

 

 

  1. Utente

    O Sistema “Triagem de Manchester” é realmente eficiente, mas não basta. Urge implementar de forma complementar um efectivo sistema de avaliação de desempenho e de gestão de reclamações (melhor seria de Gestão de Qualidade), para que possamos ter um serviço de saúde que caminhe em direção aos do 1º mundo. O HBS tem quadros competentes, mas tem muita gente preguiçosa, riolenta e incompetente, os quais precisam de ser acompanhados de perto, a bem dos nossos doentes e do bom nome do nosso HBS.

  2. Atenta

    Muitas vezes o tempo de espera advem do facto das enfermeiras estarem a ver televisão, falar na vida alheia, estar na internet e outros. A Directora clínica não sabe ou se sabe finja que não. O serviço prestado pela HBS, deixa muito a desejar.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.