Testemunha pode ser constituída arguida por falsas declarações

18/07/2012 00:04 - Modificado em 18/07/2012 00:18

O caso do assassinato de Milena Spencer poderá levar uma das testemunhas do processo ao banco dos réus, sob acusação de falsas declarações. Isto porque o juiz Antero Tavares quer esclarecer quem telefonou- lhe para informar da discussão entre a sua prima e a irmã de Zé Correia, o autor do homicídio. As suspeitas recaem-se sobre as testemunhas Catheline e Janaína, mas ambas negaram terem telefonado a Milena. Por isso o juiz pediu os últimos registos de chamadas do telemóvel da vítima para saber qual das testemunhas prestou declarações falseadas.

 

O Tribunal de São Vicente emitiu um requerimento para que as operadoras telefónicas, em São Vicente forneçam os últimos registos de chamadas do telemóvel de Milena. A vítima de 30 anos foi assassinada por José Correia em Janeiro, na zona Chã D´Alecrim. Milena Spencer foi golpeada no peito com uma faca durante uma briga que envolveu a irmã do autor do crime, Mana e Emaline, prima da vítima.

O juízo crime procedeu a reconstituição do crime, mas agora procurar esclarecer uma incógnita lavrada no processo. Dado que na acusação, o Ministério Público assegura que Milena recebeu uma chamada telefónica e minutos depois de abandonar a sua residência foi assassinada pelo arguido, Zé Correia. O marido da vítima confirmou este facto e segundo a acusação, Milena foi accionada para entrar na briga entre Mana e Emaline e que a chamada foi realizada do telemóvel da testemunha Janaína Duarte. A testemunha negou os factos denunciados pelo Ministério Público e durante a audiência surgiu controvérsias entre as suas declarações, com as da sua amiga Catheline.

Para resolver a incógnita o magistrado pediu o número do telemóvel que pertencia a vítima, como o número das duas amigas, que testemunharam o homicídio. No dia 31 de Julho, o juiz procederá a fase das alegações finais, bem como vai pronunciar o nome da pessoa que chamou Milena a informar-lhe da discussão entre Mana e Emaline. De modo que uma das testemunhas poderá ser constituída arguida e ao abrigo do artigo 342º do Código Penal incorrerá a uma pena de prisão até 3 anos.

  1. Justa

    Quem quiser falsos testemunhos que recorra à ilha de São Vicente. Então os “badius” não fazem dinheiro com trabalho honesto e sacrificado? São Vicente é o contrário: muita gente quer viver à custa de outrem sem trabalhar…

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.