Moradores a pagar sem usufruírem de iluminação pública

30/09/2014 07:36 - Modificado em 30/09/2014 07:36

100_0580[2]Os moradores de Fernando Pó, na área atrás do polivalente, reclamam pela falta de iluminação nas localidades que ficam nas encostas. O escuro durante a noite, como retratam, cria vários problemas aos moradores que questionam sobre o pagamento da taxa de iluminação pública sem poderem desfrutar da mesma.

 

Como conta João Sousa, à noite é bastante escuro e o único local onde há iluminação pública é a estrada principal da zona. Para as pessoas terem iluminação nas ruas, elas têm de acender as próprias luzes. Mas este procedimento implica um aumento na conta da luz.

Carlos Fortes, outro morador da zona, partilha desta angústia e espera que algo possa ser feito. Este morador diz que além da iluminação pública, a energia é inconstante com cortes frequentes. “Estamos a pagar sem gastar”, diz este morador em relação à falta de iluminação pública e, juntamente com outros moradores, exterioriza o desejo que a zona seja tratada como qualquer outra, com postes de luz nas ruas.

Nhô Roque já vive há cerca de 20 anos na zona e mostra-se ainda insatisfeito com as condições da iluminação pública. Para ele, a questão de não conseguir usufruir da iluminação pública para a qual paga todos os meses, deixa-o bastante insatisfeito. E sente que a população sofre muito com esta questão. Para este morador há solução: “dois postes já resolveriam a questão”.

Acrescenta ainda a questão da segurança como factor necessário para terem iluminação pública. Dona Joana explica que por causa da falta de iluminação na rua, muitas vezes, quando há brigas envolvendo grupos de jovens com polícias, as encostas são os lugares procurados para se esconderem. Roque diz que também não se sabe se alguém está no escuro esperando por alguém da zona com fins criminosos.

Por isso, esperam que tanto a edilidade como a Electra possam olhar para a zona com o objectivo de melhorarem as condições de iluminação pública. Os moradores dizem que houve um abaixo-assinado com o objectivo de terem a iluminação melhorada, mas sem efeito. E, por isso, está em curso outro abaixo-assinado com a mesma finalidade.

  1. Nadia

    Em Fonte Francês em frente ao mini sobejo tambem não a iluminação. O caricato é que ás 19h os moradores abrem as luzes das suas casas.

  2. Olhe senhor Adeco. Preste atenção ao seguinte. Sabia que um consumidor de electricidade da Cidade da Praia e outro da Cidade do Mindelo não pagam o mesmo valor pela mesma quantidade de Kilowatts consumidos na sua casa? E sabe Sr. Adeco como a Electra faz a batota para obrigar um consumidor da Praia a pagar mais luz do que um de São Vicente. É muito simples Vou lhe explicar o truque dessa malta ladrona da Electra. O contador de luz de Mindelo faz 750 rotações, mais ou menos durante uma hora e no final dessa rotação marca que o consumidor de Mindelo consumiu 1 kwt de luz. Certo. Compreendeu. O contador da Praia faz o mesmo serviço e faz 600 rotações e marca 1 kwt por hora. Agora multiplique isso 150 rotações que são a diferença entre Mindelo e Praia por um dia de 24 horas e veja a diferença. Num dia então o consumidor da Praia paga mais 3600 rotações ou seja mais 6 kwtts que o consumidor de Mindelo e como 1 kwts são 36.889, então o consumidor da Praia mais 221 escudos por dia o que à volta de 6000 a mais por cada mês. Afinal, qual o trabalho da ARE? E da Adeco?

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.