Brasil: Marina cai mas diz que rivais estão com medo

29/09/2014 07:47 - Modificado em 29/09/2014 07:47
| Comentários fechados em Brasil: Marina cai mas diz que rivais estão com medo

marinaMarina Silva está a candidatar-se ao cargo de Presidente do Brasil mas a candidata do Partido Socialista Brasileiro (PSB) parece não dar importância às mais recentes sondagens.

 

A última estatística que registou a intenção de voto dos brasileiros atribui uma queda de seis pontos (equivalente a vários milhões de votos) a apenas uma semana das eleições, mas Silva diz que só tem a comemorar. É que de acordo com a candidata, os seus adversários estão a tremer de medo com o que, estranhamente, considerou ser o sentido “ascendente” da sua campanha.

Na sexta-feira, a sondagem do Instituto Datafolha atribuiu a Marina Silva 27% das intenções de voto, contra os 30% que lhe eram atribuídos uma semana antes, enquanto dava a Dilma Rousseff, candidata à reeleição pelo Partido dos Trabalhadores (PT) 40%, contra os 37% que tinha sete dias antes. Apesar da diferença para a atual presidente ter aumentado de sete para 13 pontos, e de ver o terceiro colocado, Aécio Neves, do Partido da Social Democracia Brasileira, ter subido no mesmo período de 17% para 18%, a candidata socialista garante que só tem o que comemorar.

“Eu desci, mas faço-lhes a vida negra”

“Vocês acham que com apenas dois minutos de televisão (Dilma tem 11 minutos por dia no horário político obrigatório), com as estruturas reduzidas que nós temos, andando este país inteiro de manhã, tarde e noite, chegar onde chegámos e vendo os dois maiores partidos e seus auxiliares tremendo de medo, vocês não acham que é para ficar feliz e para comemorar?” perguntou Marina Silva aos jornalistas que recebeu para uma conferência de imprensa em São Paulo, neste sábado.

Para Marina, a quem até há duas semanas todos os institutos davam a vitória numa segunda volta contra Dilma mas que agora está cada vez mais distante disso, as últimas sondagens mostram a sua campanha numa clara trajetória de “ascendência”. E reafirmou não estar preocupada com a vertiginosa queda que o Datafolha lhe atribuiu, disparando que quem tem que estar preocupado são Dilma e Aaécio.

“Quem tem que estar preocupado com as sondagens sabem quem é? É aquele que gostaria de estar em segundo lugar e ir para a segunda volta mas até agora não saiu do terceiro lugar (referindo-se a Aécio Neves), e quem está no primeiro lugar, segundo as sondagens, e gostaria de não ter que disputar segunda volta mas sabe que vai ter que disputar” rematou a candidata do PSB, que assumiu a candidatura sob a liderança do seu partido após substituir Eduardo Campos, morto num acidente aéreo, em agosto.

 

cm.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.