Novo Ano Judicial: sob o signo da pena máxima

22/09/2014 08:05 - Modificado em 22/09/2014 08:05

martelo juizO ano judicial já iniciou e, este ano, os juízes da vara crime  da Comarca de São Vicente tem decisões a tomar sobre crimes que pela violência chocaram a sociedade mindelense. São vários casos de homicídios agravados que incorrem na pena máxima.

Dos crimes mais graves que aguardam julgamento, apenas o do ex-agente da Polícia Nacional, Ilaugino Fortes, é que se conhece a data de julgamento que será no dia 7 de Outubro. Na noite de 26 de Julho de 2013, por volta das 21 horas, sob efeito do álcool, o agente da PN Ilaugino Fortes envolveu-se numa discussão com o indivíduo que vivia com a sua enteada e o agente acabou por usar a sua arma e disparou quatro tiros contra “Chaka”, na Ribeira de Craquinha. A vítima acabou por falecer no Hospital Baptista de Sousa.

Em 21 de Agosto de 2013, Amarante Neves assassinou a ex-companheira Sandra dos Santos de 26 anos na zona de Fundo Toneca na Ribeirinha. De início, o arguido alegou às autoridades que a companheira tinha desmaiado depois de terem mantido relações sexuais e que esta não apresentava sinais de vida. Com a realização de uma investigação criminal, a PJ veio apurar que o ex-casal teve um desentendimento e que Amarante agrediu Sandra no rosto, no pescoço e depois estrangulou-a.

No início de 2014, no dia 15 de Janeiro, a cabeleireira Maria Francisca Silva de 43 anos, foi assassinada à facada pelo ex-companheiro Augusto na localidade de Monte Sossego. Com a realização da autópsia ficou-se a saber que os golpes de faca desferidos pelo autor do crime foram fatais, principalmente, os que atingiram o tórax da vítima. Maria teve vários ferimentos que fizeram com que perdesse muito sangue e, assim, entrou em choque hipovolémico, seguido de morte.

Na noite de 7 de Fevereiro, “Rei”, trabalhador do Mercado do Peixe desfez o rosto de Pedro Silvestre Faial, de 60 anos a pontapés. O assassinato aconteceu numa rua na localidade de Monte e a vítima só foi reconhecida na casa mortuária do HBS através de uma tatuagem que tinha no braço, pois ficou com a cara desfigurada por causa da gravidade da violência.

Em Março, Dionísio dos Santos de 30 anos, ceifou a vida da ex-namorada, Alcione da Luz de 24 anos que foi morta na localidade de Vila Nova. Com base na autópsia realizada ao corpo de Alcione da Luz, as autoridades apuraram que o homicídio foi perpetrado com uma faca com cerca de 30 cm.

Em Maio, Hernani Lima dos Santos de 23 anos, matou o amigo de infância Arison Jorge de 28 anos, na sequência de uma briga por causa de uma “amizade doentia” por uma amiga dos dois que não era namorada de nenhum deles. O desentendimento aconteceu quando Hernani agrediu e insultou Suelene Correia, por quem tinha um sentimento não correspondido que ia para além da amizade. A vítima Arison entrou no conflito para defendê-la e acabou por ser agredido.

É de salientar que logo após a captura, os assassinos foram apresentados ao Tribunal da Comarca de São Vicente que aplicou a medida de coação mais grave, a prisão preventiva, e agora aguardam o desfecho do processo de investigação e julgamento na Cadeia da Ribeirinha. De realçar que os acusados incorrem numa pena de prisão entre 15 a 25 anos, se o Tribunal der como provados os factos que lhes imputam a prática de um crime de homicídio agravado.

 

  1. Maria José

    Tudo? Tantas atrocidades…? Meu Deus.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.