DJ Sarumawashi: DJ merecem ser mais valorizados

22/09/2014 07:28 - Modificado em 22/09/2014 07:33

DJ SamuO DJ Sarumawashi veio da Guiné aos três anos e começou a carreira há sete anos, apesar de só há quatro anos e meio ter começado a levá-la mais a sério. Iniciou como amador em Berlim, na Alemanha, com alguns amigos DJ onde aprendeu e ganhou a técnica.

Sarumawashi natural de familiares de Santo Antão, decidiu ser Dj porque gosta de música e, como não é músico, “não toco nenhum instrumento, apesar de agora começar a tocar piano”, achou que sendo DJ faria as pessoas felizes.

Para ele, o salário dos DJ em Cabo Verde ainda não é muito valorizado como deveria ser e as pessoas têm de saber que os DJ são responsáveis pela animação: “muitos lugares onde vamos tocar, querem que toquemos de graça”. Para a valorização dos DJ é preciso que eles “se unam para trabalharem juntos e os promotores também têm de valorizar mais os DJ”.

Com o seu estilo de house music e com pastas de música todas organizadas no seu computador, Samurawashi trabalha com o improviso, apesar de preparar as primeiras músicas: “a partir dali tenho que ver como é que a pista de dança está. Não vale a pena preparar e depois chegar e constatar que a pista de dança é diferente”.

foto principalO DJ Sarumawashi já tocou na Alemanha, Londres, Holanda, Praia, Sal, São Vicente e Santo Antão. Diz que como DJ tem que ler a pista de dança e se as pessoas não aderirem tenta aproximá-las logo para a pista de dança: “arranjar uma música que entra no corpo das pessoas que tornam a pegar a dança e voltar para a pista”.

Sarumawashi acredita que os DJ cabo-verdianos devem ser mais curiosos e que lá fora tocam mais novidades do que em Cabo Verde. “Têm muitas novidades mas têm de ser mais curiosos e estarem sempre a colocar músicas novas na sua play list”.

A actuação que ficou mais marcada na memória de Saramawshi foi na Discoteca Oursound, onde estava contente por ter sido valorizado: “toquei cerca de uma hora no meio de Dj famosos”. Foi uma actuação cheia de adrenalina e nervosismo mas, “se estamos preparados, vamos com calma e fazemos bom trabalho”.

O DJ faz um programa na RCVmais todas as sextas-feiras das 22 às 23 horas para animar as pessoas com várias músicas da actualidade. O DJ é promotor da festa “Sunset house party”, realizada nas quatro ilhas onde já actuou como forma de divulgar a house music em Cabo Verde e, segundo ele, o feedback tem sido positivo.

  1. MANANDO-COLUMBIM

    O Dj saracoisa, a empresa armando Cunha, tá ta espiá sarvente de pedrero, ba té lá inscrever pa bo tmá um traboi de omem pá!!!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.