Direcção da Escola Secundária Jorge Barbosa demitiu-se porque não aceitou a ingerência da Ministra

10/09/2014 00:08 - Modificado em 10/09/2014 10:56

imgresA Ministra da Educação está a colher mais uma tempestade resultante dos ventos que semeou em São Vicente em relação à gestão dos estabelecimentos de ensino. No caso da direcção da ESJB, admira que a borrasca tenha chegado só agora.

 

A equipa que dirigia a Escola Secundária Jorge Barbosa demitiu-se. De acordo com o director da ESJB, António da Luz Delgado, o que está na base dessa decisão é um diferendo entre o Ministério da Educação e Desportos e a direcção da ESJB. Para justificar, o director demissionário afirma que o caso começou quando um aluno do 12º ano desistiu de fazer uma prova de química alegando bloqueio psicológico. Ainda dentro da sala de aula, o aluno pediu para trocar o teste por uma outra variante, o que lhe foi negado pela professora.

A professora falou com a direcção da ESJB que informou dos factos o MED em São Vicente. Em São Vicente ficou decidido que o aluno não poderia repetir o teste.

Mas o encarregado de educação do aluno não se conformou com a decisão e levou o aluno a um psicólogo que lhe passou um atestado médico confirmando o bloqueio resultante de uma ansiedade situacional. Os encarregados de educação recorreram ao Ministério da Educação que obrigou a escola a fazer uma segunda prova ao aluno. O director da ESJB diz que acataram a ordem e que a professora elaborou um novo teste que foi dado ao aluno que desta vez teve 19 valores. Durante a conferência, foi revelado que no segundo teste o aluno teve 19 valores, mas não foi avaliado pelo coordenador da disciplina. A direcção da ESJB não sabe onde é que o teste foi aplicado: “fomos informados através de uma mensagem de telemóvel que a prova foi aplicada e a classificação do aluno foi de 19 valores”.

 

demissaoDemissão em bloco

Descontente, a direcção da escola demitiu-se em bloco e o MED aceitou. Foi indigitada a professora da disciplina de História, Filomena Lima, para formar uma nova direcção, mas até ao momento ainda não conseguiu formar a sua equipa.

António da Luz Delgado adianta que a ESJB entendeu que se tratava de uma situação que mexia com a igualdade de oportunidades e de tratamento diferenciado de alunos. A Direcção da ESJB mostrou-se indignada com a forma como o Ministério da Educação equacionou o problema: “pela forma como foi conduzido levou esta direcção em bloco a colocar o seu cargo à disposição”.

O director da ESJB aproveitou para tranquilizar os pais e os encarregados de educação e os próprios alunos pois as aulas iniciam de forma normal. Garante que está-se a cumprir o programa de arranque escolar, ou seja, a proceder à elaboração dos horários para os alunos e professores e que o início das aulas acontecerá no dia 15 de Setembro.

Já foi indigitada a professora da disciplina de Formação Pessoal e Social (FPS), Filomena Lima, para o cargo de direcção da ESJB mas até ao momento ainda não conseguiu formar a sua equipa. A direcção cessante da Escola Secundária Jorge Barbosa mantém-se no cargo até Dezembro para não prejudicar os alunos.

 

Revisto 10h56

 

 

 

  1. Paulo professor

    É isto que o ministerio de educação quer com essas várias mudanças no sistema de ensino: quantidade e não qualidade. Todos têm que passar a força, e depois chegam nas universidades e não sabem nada. Isto é uma vergonha, num país que se diz de desenvolvimento médio… desenvolvimento médio para trás, isso sim. A escola não é um depósito de crianças, mas um lugar que, num país sério, deve ter qualidade, pois é onde se formam pessoas para o futuro. Neste casa fala-se também na remuneração…

  2. José Maria Nevada

    A directora indigitada não é professora de FPS.

  3. CidadaoCV

    Pois é … Tudo muito suspeito. Quem é o aluno? Quem são os pais? Quem é o psicólogo? Quem é a “professora”? Qual é a relação existente entre: Ministra, Pais, Psicólogo e Professora? Com que critérios foi elaborado o segundo teste? Imaginem se todos os alunos alegassem “bloqueio psicológico” para fugirem aos testes? Seria um Deus nos acuda nas escolas. Como pai de aluno desta escola apoio a posição a Direcção. Não se pode ter dois pesos e duas medidas. Isto cheira a mais um caso de corrupção.

  4. Mãe

    Penso que faltam duas informações importantes para que possamos compreender melhor esta situação. Primeiro, como é que se chama o psicólogo que avaliou esse aluno? Segundo, e não menos importante, importa saber o “apelido” da criança em questão, ou seja, quem são os seus pais. É que nesta terra, ter ou não ter “connections” faz toda a diferença. Mas pela rápida e positiva resposta do MED, vê-se logo que o aluno em questão de certeza não é filho de coitado. E assim se constrói um país democrático.

  5. CidadaoCV

    Vejam só, foi o aluno a interromper a prova e a declarar “bloqueio psicológico”. Como é possível alguém declarar-se em “bloqueio psicológico”. Palhaçada …, muita palhaçada. Muita corrupção. E o “psicólogo”? Como é que chegou a conclusão que o aluno teve um ataque de “ansiedade situacional” ? Muita palhaçada.

  6. Professor

    Acabo de ouvir a entrevista da Exma Ministra, no jornal das 13 horas. E deveras preocupante, pq realmente falta argumentos para justificar a tomada desta posição. Ai se a moda pega?

  7. Bom senso

    AI ia ia aia ai. Senhora Ministra, aparece por favor! Onde estas?
    Ou sera que esta a decorrer algum jogo dos tubaroes azuis neste momento?
    Aparece para descascar a batata que deixaste no forno quando foste ver o jogo da selecao numa altura desta.cada coisa no seu momento. Este era o momento de dar atencao ao arranque do ano lectivo para que as coisas pudessem correr sem sobressaltos.
    Agora assuma as responsabilidades, nem senhora ministra.

  8. joao

    Já sei. Sou estudante e no dia em que eu não estiver preparado para realizar um teste, vou ter com um psicólogo solicitando o “jeitinho cabo-verdianao” para um 2º teste. Corupção ta já alastrou em Cabo Verde.

  9. John Jusice

    Uma característica de marca desta ministra é o desrespeito que tem pelos seus colaboradores. Usa-os até a exaustão e depois descarta-sos como lixo. O Tonga e a sua equipa deram o seu sangue pela ESJB e fizeram um trabalho incrível ao longo desses anos. Mas a Ministra Fernanda tem de mostrar que é ela quem manda. Nunva vi uma pessoa com tão profundo complexo de superiorioridade. Neste momento os seus colaboradores no MED não veem a hora de ela ir embora. De certeza que nesse dia haverá…festa.

  10. jo

    maltas ja bsot sabe, agora moda e ba pe psicólogo pe resolve bloqueio na prova…

    porque ele e um doença e se nome e ansiedade situacional…. palhaçada, é por isso que qualidade de esse ensino ta assim.

  11. José Maria Nevada

    Interessante é que a ministra aceita um aluno repetir uma prova depois de ter “uma ansiedade situacional”, quando ele claramente não estava conseguindo tirar a nota que lhe agradava, para logo a seguir, junto do Ministro do Ensino superior vir dizer que os alunos que saem do secundário passarão a fazer uma “prova de acesso” para entrada no ensino superior. Prova do quê? Repetida quantas vezes??? Feitas as repetições aonde??? Vai brincar Srª Ministra!

  12. Alcindo Mamado

    Esse aluno muito inteligente, filho de pessoas muito inteligentes, que até o padrasto já se tornou inteligente, pelo convívio, vai estudar no ensino superior onde ele vai entender o que significa bloquear! Ou então ele vai ter que levar uma psicóloga com ele.
    O país precisa de excelentes profissionais, os excelentes profissionais precisam ser honestos, no mínimo, eu sinto que esse aluno foi desonesto ao tentar ludibriar o professor que estava na sala de aula, enganando a própria mãe.

  13. Alcindo Mamado

    Diga-se de passagem que a mãe deve sempre tentar ajudar o filho, portanto ela fez bem. Porém a DNE e MED, pf, vejam o que querem deste país! O aluno estava com uma média relativamente baixa na disciplina de Química, viu que o teste não lhe corria bem e tentou o seu recurso! Normal!! Se ele for estudar na Alemanha, lá o nome de bloqueio é BOMPEIDFlOR! Então é só tentar dar um bom P _ _ _ O e uma FLOR!!!

  14. RTP

    A ministra parece-me confusa, em muitas coisas que fala. Penso que ela deve estar com um bloqueio situacional, podendo ela corrigir mais uma vez aquilo que fez ou mandou fazer! Ela aceitou a demissão de uma direcção e deixou a mesma direcção no comando da escola?! Porque é que não planificou a ponto de saber se a pessoa que indicou para assumir o cargo tinha como organizar uma direcção??? Ai Ministra pára com esse Whisky! Então toma HAVANA!!!

  15. LCMC

    Em conversa com o José Leite, a resposta da ministra foi fraquiiinha… até deu dó.

  16. urukubaka

    como aluno de 3º Ano de psicologia acho que é falta de ética do psicologo visto que não estava presente no momento do teste e não podia avaliar a real situação

  17. John Justice

    Bom, está lançado agora a confusão ao se abrir este precendente. De agora em diante qualquer aluno ou encarregado de educação, pode, baseado nesta lei, invocar a repetição de uma prova. A Ministra Fernanda Marques ao dizer que desconhece que o aluno alegou bloqueio psicológico deu um atestado de incompetência a si mesma. Quer dizer que tomou decisões importantes, sem conhecer a fundo o processo, coisa que deveria fazer auscultando o director da ESJB. É urgente a demissão desta ministra.

  18. atento s.vicente

    A conversa da Sra Ministra com o Ze leite fez com que a sra ministra bloqueasse tb. Ela atrapalhou com as resposta e teve um bloqueio (mas o bloqueio dela quase foi emocional). ela até disse que não quer discutir com consigo Sr. Ze leite!! Sra Ministra o jornalista não estava a discutir consigo ele pediu um exclarecimento do porque que o aluno bloqueio quando estava a faltar 15 mn para terminar a prova. O POVO PEDE UMA RESPOSTA SOBRE ESSE CASO SENAO TODOS OS ALUNOS DE AGORA VAO BLOQUEAR

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.