Trabalhadores da Cabnave dizem-se desiludidos com a direcção e prometem recorrer à greve

8/09/2014 00:16 - Modificado em 8/09/2014 00:16
| Comentários fechados em Trabalhadores da Cabnave dizem-se desiludidos com a direcção e prometem recorrer à greve

Navio Praia d Aguada na CABNAVEHá muito que os trabalhadores da Cabnave vêm lutando pelos seus direitos violados. Os mesmos dizem-se desiludidos com a direcção da empresa porque há vários anos que a direcção da empresa tem conhecimento das reivindicações e nunca fez diligências para mudar a situação dos homens chefes de famílias.

 

Os conflitos entre a direcção da Cabnave e os trabalhadores do estaleiro naval advêm do ajuste salarial, férias e dias de descanso, incumprimento de promessas de melhorias. São estes os motivos do descontentamento dos trabalhadores. Os trabalhadores mostram-se incrédulos com a resolução desses problemas visto que a direcção da Cabnave apresentou-lhes diversas dificuldades financeiras que impossibilitam a resolução dos problemas, mas eles prometem recorrer à greve em breve para adquirirem os seus direitos que há muito tempo são violados.

Um dos técnicos entrevistados pelo NN diz que não tem qualquer contrato com a empresa, entretanto, durante quatro anos de trabalho, nunca tirou férias e não teve um dia de descaso para estar com a família. O trabalhador chefe de família diz que tem filhos estudantes e que tem de arcar com as despesas e o salário que recebe não chega par cobrir as despesas básicas. Para o técnico da Cabnave, o trabalho que ele presta à empresa não é suficientemente remunerado pelo esforço e dedicação que faz para manter o posto de trabalho que não considera garantido porque não tem qualquer vínculo com a empresa.

Um outro entrevistado diz que as condições em que se encontram os trabalhadores do estaleiro naval são desmotivantes, que desiludem qualquer funcionário. O mesmo, incrédulo, diz que durante muitos anos a empresa vem prometendo melhorias, mas o que conta são apenas as palavras, porque nunca são cumpridas e afirma que o seu salário é pouco mais de trinta mil escudos e há muitos anos que a empresa tem vindo a falar do aumento que nunca aconteceu.

“Fizemos um encontro com a direcção e parece que não há como resolver a situação porque alegam não terem condições financeiras para fazerem o aumento mas, para além dos aumentos salariais, existem outras questões que não se resolvem apenas com o dinheiro como deixar de explorar os trabalhadores, estabelecer as merecidas férias e dias de descanso, enquadrar os trabalhadores, reconhecer o trabalho”.

Os trabalhadores dizem que a situação deveria ter sido resolvida há muito tempo e, com o tempo, foi piorando, mas não irão desistir dos seus direitos, por isso, prometem recorrer ao Sindicato para partirem para a greve.

Este on-line tentou contactar os responsáveis da Cabnave para apurar os factos mas tal não foi possível.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.