Penélope Cruz e Javier Bardem “deviam ter vergonha”

26/08/2014 23:56 - Modificado em 26/08/2014 23:56
| Comentários fechados em Penélope Cruz e Javier Bardem “deviam ter vergonha”

Penélope Cruz e Javier BardemO ator Jon Voight, pai de Angelina Jolie, escreveu uma carta aberta na “The Hollywood Reporter” em que chama o casal de atores espanhol de ignorantes. Em causa está o que estes disseram sobre o conflito na faixa de Gaza.

 

Sem papas na língua, Jon Voight diz que está “zangado e desgostoso por pessoas como Penelope Cruz e Javier Bardem possam incitar o anti-semitismo por todo o mundo”.

O ator diz que o seus colegas “são ignorantes de toda a história” do nascimento de Israel, que diz ser “o único país democrático daquela região”, e acha que eles “deviam ter vergonha na cara”.

John Voight termina esta carta aberta publicada na “The Hollywood Reporter” dizendo que Penélope Cruz e Javier Bardem se deveriam arrepender do que disseram e “pedir perdão às pessoas que sofrem em Israel”.

Este ataque surge na sequência do Comunicado da Cultura contra o Genocídio Palestiniano, assinado por cerca de 100 personalidades da cultura espanhola, entre elas os dois atores e o realizador Pedro Almodóvar.

Nesse texto, pedem à União Europeia que condene “os bombardeamentos por terra, mar e ar sobre a população palestiniana na Faixa de Gaza”, considerando que este território “está a viver horrores nestes dias, a ser cercado e atacado”. “Os lares de palestinianos estão a ser destruídos, tem-lhes sido negada água, eletricidade e livres deslocações aos seus hospitais, escolas e campos enquanto a comunidade internacional não faz nada”, dizia.

Os artistas lamentavam ainda “os danos físicos, morais e psicológicos” causados aos residentes de Gaza e confirmavam a tese do guia iraniano Ali Khamenei, considerando que “Israel está a cometer um genocídio”.

Na sequência das críticas que se seguiram à publicação do texto, tanto Bardem como Penélope Cruz explicaram porque se associaram a ele. O ator explicou que a sua assinatura era um apelo à paz e que, apesar de “crítico à resposta do Exército israelita”, tem “grande respeito pelo povo de Israel e profunda compaixão pelas suas perdas”. Bardem disse ainda que não é anti-semita. “Detestamos o anti-semitismo tanto quanto detestamos as horríveis e dolorosas consequências de uma guerra”, afirmou em seu nome e da mulher,

Penélope Cruz também já se tentara justificar. Admitindo não ser especialista no assunto, afirmou que o seu único objetivo ao assinar a declaração era “a esperança de paz tanto em Israel como em Gaza”.

Esclarecimentos que Jon Voight não leu ou quis ignorar.

 

dn.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.