Homicídio de Milena: Juiz pede últimos registos de chamadas do telemóvel da vítima

12/07/2012 06:33 - Modificado em 12/07/2012 06:33
| Comentários fechados em Homicídio de Milena: Juiz pede últimos registos de chamadas do telemóvel da vítima

O juiz Antero Tavares deu continuidade a audiência de julgamento do caso de homicídio de Milena. O juiz ouviu as várias testemunhas envolvidas no caso e decidiu pedir para as operadoras de telefone o registo das últimas chamadas efectuadas e recebidas pela vítima no seu telemóvel. Depois da audiência o juiz realizou a reconstituição do crime na zona de Chã de Alecrim.

 

 

As várias testemunhas envolvidas no caso de homicídio que ceifou a vida de Milena foram ouvidas pelo Tribunal da Comarca de São Vicente. A maioria das testemunhas afirmou que a confusão se instaurou por causa da arguida Maria Aline.

Pois alegaram que esta agrediu a arguida Emaline e que a vítima Milena só queria evitar confusões afastando a sua prima daquele lugar. Porém afirmaram que o arguido José Correia saiu da sua casa munido de uma faca que de imediato esfaqueou a Emaline por duas vezes nas costas e esfaqueou a vítima Milena no peito.

Explicaram ainda que a vítima depois de levar a facada correu e o arguido José Correia correu atrás dela munido da faca.

Porém durante os depoimentos das testemunhas surgiu um facto novo ao processo. Pois é que no processo diz que a vítima Milena só saiu de casa depois de receber uma chamada telefónica, facto que foi confirmado pelo marido da vítima.

O processo diz ainda que a chamada foi feita do telemóvel da testemunha Jenaina Duarte, que negou ter feito qualquer chamada telefónica para o telemóvel de Milena nesse dia. Que apenas quando estava no local se apercebeu que a vítima já estava no local e que viu o Zé a golpear a vítima com uma faca.

Dado a esta dúvida o juiz emitiu um requerimento pedindo com urgência para as operadoras telefónicas da ilha, os registos das ultimas chamadas efectuadas e recebidas pela vitima Milena. O juiz tomou o número do telemóvel que pertencia a vítima, como o número das duas testemunhas Jenaina e Kateline como da arguida Emaline, para apurar se aqueles números fizeram ou não chamadas a vítima neste dia.

 

Reconstituição do crime

O juiz, o MP, os Advogados dos arguidos, os arguidos, assim como as testemunhas estiveram presentes na reconstituição do crime realizada esta manhã na zona de Chã de Alecrim.

Na reconstituição do crime o arguido José Correia confirmou o seu depoimento, assim como os outros arguidos envolvidos no caso. A dúvida que pairava no seio do Tribunal em relação ao posicionamento dos arguidos também ficou esclarecida.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.