Homenagem: Frank Cavaquim o tocador que adaptou o ritmo da morna à bateria

8/08/2014 07:57 - Modificado em 8/08/2014 07:57

Franck CavaquimFrank Cavaquim foi um dos compositores que marcou a cultura cabo-verdiana através das suas músicas, essencialmente a coladeira. Fez parte do grupo “Voz de Cabo Verde” e, apesar da maior parte das suas músicas serem coladeiras, como homem de cultura exprimiu a sua humildade também através das poucas mornas que escreveu.

 

Tendo em conta o valor excepcional da morna, a sua importância como expressão artística que identifica o cabo-verdiano, a trigésima edição do Festival da Baía das Gatas homenageia a nossa morna.

E, como forma de agradecimento a todos os músicos e compositores da morna, o NN não deixou de homenagear também os que contribuíram para o desenvolvimento da morna em Cabo Verde e não nos poderíamos esquecer do grande compositor Frank Cavaquim, aquele que foi o grande baterista e compositor de diversas músicas.

Frank Cavaquim ou Francisco Vicente Gomes nasceu a 3 de Julho de 1927, na ilha de Santo Antão e veio a falecer a 2 de Maio de 1993. O nome Franck Cavaquim deriva da sua grande capacidade de tocar o instrumento.

Era conhecido pelas belíssimas coladeiras, pois tinha facilidade e tempo para observar o dia-a-dia mindelense, as peripécias do amor, as suas “riolas” e as suas rivalidades.

Nos anos 60 emigra para a Holanda tendo participado em vários conjuntos cabo-verdianos com destaque para o conjunto “Voz de Cabo Verde”.

Era uma figura humilde e discreta, de rara sensibilidade revelada nas poucas mornas que produziu. Porém, de uma aguçada e perspicaz ironia fazendo dele um dos mais sarcásticos letristas e compositores de coladeira.

Embora tenha tido uma grande produção musical , a sua contribuição para a música cabo-verdiana foi muito valiosa, dizem os que conheceram o artista

Para os que conheceram de perto Frak Cavaquim, as suas músicas e a sua memória ficaram gravadas.

Vasco Martins, músico e compositor cabo-verdiano, considera que o baterista Frank Cavaquim teve um papel muito importante na música cabo-verdiana. A adaptação do ritmo da morna à bateria, foi uma técnica elaborada pelo músico e que persiste até agora com qualquer baterista, porque ao tocarem a morna, tocam basicamente o que Frank Cavaquim adoptou para a bateria.

Para Vasco Martins, Frank Cavaquim foi uma pessoa que tinha consciência daquilo que fazia, era um homem afável, honesto, elegante, muito amigo e que continua sempre na memória dos cabo-verdianos. Apesar de ter produzido poucas mornas, as que escreveu são “mornas muito bonitas”. Vasco Martins recorda que foi Frak Cavaquim quem acompanhou os artistas na primeira edição do Festival da Baía das Gatas em 1984.

Uma outra pessoa que recorda com nostalgia o músico Frank Cavaquim é o sonotécnico da RCV, Francisco Sequeira. Para ele, Frank é sem dúvidas um dos melhores compositores cabo-verdianos, um dos mais sérios, discretos e muito brincalhão. Diz que o compositor se formou na música com outros grandes músicos como Manuel d´Novas. Embora tenha enveredado mais pela coladeira do que pela morna, compôs a morna “Injúria “que dedicou ao falecido músico Bana. Para Sequeira, Frank Cavaquim foi um homem formidável. A jeito de crítica escreveu a música “mnininha d´monte sossego”.

  1. Djê Guebara

    Mês dos hèrois da musica caboverdeana. Não de esquecer as famosas noites caboverdeanas que Frank Cavaquinho interpretava la no bar de senhor Carneiro na antiga rua Senador Vera Cruz. Eu ja de rapaz ficava estacionaado em frente da loja Sociedad Luso- Africana, somente para escutar o sonido do cavaquinho de Frank Cavaquinho.
    Descança em paz todos nossos gênios musicais,caboverde nunca vos esqueçerão.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.