Vigilantes acusam a SILMAC de aumentar carga horária e reduzir vencimentos e a empresa nega

17/07/2014 08:14 - Modificado em 17/07/2014 08:14

SILMACOs vigilantes da SILMAC mostram-se insatisfeitos com a proposta de reestruturação feita pela empresa, pois, segundo os funcionários, tiveram um aumento da carga horária e uma redução do vencimento.

 

Segundo os vigilantes entrevistados pelo NN, esta reestruturação que aumentou a carga horária e que entrou em vigor desde 2011 sem qualquer acordo entre as partes, não beneficia os funcionários.

Os vigilantes entrevistados alegam que, no mês de Junho, tiveram uma redução no vencimento de cerca de dois mil escudos. Os vigilantes do 3º escalão que antes recebiam um valor de 15.700 escudos, no mês de Junho passaram a receber a quantia de 13.743 escudos e para disfarçar, a empresa adicionou um subsídio de turno no valor de 1.957 escudos.

Os mesmos dizem que não foram informados. “Simplesmente disseram-nos que passariam a praticar o novo modelo e que quem não o aceitasse, perderia o posto de trabalho, ou chegaram até mesmo a intimidar os vigilantes que não aceitassem a proposta, que seriam colocados em postos mais difíceis”.

Um dos vigilantes, que respeitamos o pedido de anonimato, adianta: “embora algumas empresas clientes como a ASA, não aceitaram a proposta porque não lhes favorecia, a maioria dos vigilantes que trabalha para outros clientes não teve outra opção senão aceitar trabalhar doze horas por dia e não ter mais tempo para se dedicar à família”.

Indignados, os vigilantes contam que estiveram várias vezes no Sindicato para tratarem do assunto, mas até agora não obtiveram qualquer resposta.

Contacto pelo NN, o director da SILMAC, SA, em São Vicente, Yazalde Fortes, refuta a acusação dizendo que houve uma reestruturação da vigilância humana, mas de acordo mutuo, tanto é que, foi instalado um inquérito aos vigilantes no sentido de saber a quantidade de vigilantes que aderiam ao novo sistema, embora uma minoria não tenha aceite.

Quanto à alteração da carga horária, é uma opção dos próprios vigilantes. O mesmo esclarece que não houve qualquer redução nos salários, mas sim a separação do salário bruto em partes que seria 13.743 escudos o salário remunerado e mais o subsídio de turno.

O director adianta que embora a empresa trabalhe em sistema de turno, a lei laboral não é favorável. A SILMAC trabalha de acordo com a lei laboral e, portanto, a proposta foi apresentada à Direcção de Trabalho e ao Sindicato que aceitaram de imediato.

  1. entend vs comprend

    E’ uma empresa Privada ,q se gere con poco ,pero dezir q os trabalhadores
    acetaron trabalhar mais horas com menos vencimento ,esta PUXADO !!
    facer um trabalho de aquele e duro pa’ caramba ,,exposto ao frio,vento ,sol,em pe’
    de noite ,fim de semana , , NAO PODEN ABUSAR dos HOME sem alternativa.Aos home nao se tira a dignidade .

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.