“C’midad’anjo”

14/07/2014 08:14 - Modificado em 14/07/2014 08:14

COOKIE2Ermelinda, conhecida por todos por Nhe Dinda cumpre promessa com “comida para anjos” com a preparação de duas paneladas de cachupa com carne de porco para oferecer a todas as crianças.

 

“Comida para anjos”. É uma prática muito antiga de promessas feitas a Deus ou aos santos por pessoas desejosas de obterem alguma graça. Tal prática teve fundamentado na própria Bíblia, contudo, autores bíblicos advertiam os fiéis no sentido de não prometerem o que não pudessem cumprir.

 

Dinda de 75 anos encontrava-se muito doente. Durante alguns meses esteve em Portugal para tratamento e já perdia a esperança de algum dia conseguir melhorar. Sendo uma mulher muito crente, fez uma promessa aos anjos e pediu a Deus que lhe devolvesse a saúde e com a consumação do pedido, confeccionaria uma grande refeição às crianças. Como promessa é dívida, e não se pode quebrar promessas, Nhe Dinda cumpriu o que tinha prometido depois de ter visto o seu pedido atendido.

COOKIE2Dezenas de crianças encontravam-se à porta de Nhe Dinda, cada uma com o seu prato na mão para receberem a “comida para anjos”: cachupa com carne de porco. Muitos adultos também relembraram a sua infância e não deixaram de saborear a saborosa cachupa preparada por Nhe Dinda.

Ermelinda recuperada, muito satisfeita, conta que a prática de pagar promessa com “comida para anjos é uma prática desde o princípio do mundo”. “Quando uma pessoa se encontra gravemente doente, faz um pedido a todos os anjos do céu e da terra para que intercedam pelo doente para que consiga alcançar a saúde e, depois de se concretizar o pedido, oferece uma grande refeição a todas as crianças”.

Ainda hoje, muitos adultos lembram-se da infância quando frequentemente as pessoas com a preparação de muitas panelas de refeições destinadas às crianças “anjos” até aos sete anos, pagavam as promessas feitas a Deus ou aos santos. Os mesmos reconhecem que a tradição da “Comida de anjo” fez parte da infância. Hoje não faz parte da tradição do povo mindelense.

Questionada sobre a tradição da comida de anjos, Bibia de 63 diz que “as crianças de hoje não conhecem a prática, por isso, não sabem porque é que recebem a comida. Muitas vezes, as pessoas não têm noção do porquê das promessas ou prometem aquilo que muitas vezes não conseguem cumprir. A mesma adianta que a tradição da “Comida para anjos” caiu no esquecimento porque “as pessoas perderam a fé e tornaram-se materialistas”.

  1. Djê Guebara

    Hai que belas recordações de infância ao recordar os meus tempos de criança la na Reberabote cuando houvia-mos dizer que la casa de fulano de tal hoje têm um (C’mida d’onge) era ver todos os meninos alborotados com as suas canecas em mão para ir tomar aquela Catchupa que nos sentia sentir tão bem como um forte almoço.Nhe Dinda Deus ta da bocê sempre um bom saùde e uma vida larga e felicidades.Era naquel tempo de caniquinha.(C’mida d’onge) Soncent d’outrora:

  2. Jorge BArbosa

    Força tia Dinda, que Deus lhe abençoa e dê a sua saúde a cada dia que passa. Obrigado Deus por ter dado a minha tia a sua saúde. Coragem tia …

  3. maria

    BONS TEMPOS. EM CRIANÇA EU ASSISTIA ESSE GESTO TÃO NOBRE POR PARTE DE MINHA AVO. FIQUEI COMOVIDA. AINDA BEM QUE ALGUMA COISA BOA NAO CAIU NO ESQUECIMENTO. LINDO. BEM HAJA.

  4. nelly Santos

    sodad de kel tempo e dess tradição, sodad de kel cachupa k d. Ofélia tava dá tud dia 08 setembro la na avenida d. holanda. tradição de” cmida d’anjo” e “vim ma bolo” devia ser mais divulgado p ess nova geração. bjs SV

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.