Merkel pela sétima vez na China para fazer negócios

9/07/2014 00:43 - Modificado em 9/07/2014 00:43
| Comentários fechados em Merkel pela sétima vez na China para fazer negócios

alemanha e chinaPela sétima vez, a chanceler Angela Merkel está de visita à China, com uma grande delegação recheada de importantes empresas alemãs ansiosas por fortalecer laços económicos com o gigante asiático, que nos últimos anos se transformou no terceiro maior parceiro comercial da Alemanha. Foram já assinados vários acordos, que incluem a abertura de duas novas fábricas da Volkswagen e a encomenda de 123 helicópteros à Airbus.

A China e a Alemanha tiveram um volume de negócios de 140.400 milhões de euros no ano passado, atestando a estratégia alemã de aumentar as trocas comerciais com as grandes economias emergentes. Numa altura em que os chefes de Governo ocidentais se atropelam para ir a Pequim com grandes delegações comerciais, Merkel é a líder ocidental que mais vezes já foi à China.

Em termos oficiais, Berlim diz que os laços com Pequim são “uma relação especial” – um termo normalmente reservado para aliados muito próximos, como os Estados Unidos ou França. “A China está a disputar aos EUA a posição de mercado mais importante para a Alemanha fora da União Europeia”, comentou ao Wall Street Journal Hans Heinrich Driftmann, presidente da Associação das Câmaras de Comércio e Indústria Alemãs.

Em 2011, as exportações alemãs para a China foram 206% mais altas do que 2005, enquanto neste período as exportações para o resto da União Europeia cresceram apenas 24% e 6,3% para os EUA, de acordo com dados alemães, citados pelo mesmo jornal. Em 2013, diz a AFP, as exportações da Alemanha para a China foram no valor de 67 mil milhões de euros, e as chinesas para a Alemanha ultrapassaram 73 mil milhões. No investimento directo há um grande desequilíbrio: as empresas alemãs investiram 26 mil milhões de euros na China, enquanto o movimento contrário foi de apenas 1200 milhões.

A crescente dependência económica alemã do mercado chinês está a fazer com que Berlim não mencione questões de direitos humanos, como nesta viagem, embora o artista plástico Ai Wei Wei tenha pedido para se encontrar com Angela Merkel.

publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.