Encontro histórico: Um tributo àqueles que pegaram o leme de um “país que não tinha condições sequer para ser dependente“

8/07/2014 07:42 - Modificado em 8/07/2014 07:42

O executivo governamental realizou o conselho de ministros especial em São Vicente e teve como convidados os membros do primeiro governo de Cabo Verde, de 1975. Oportunidade classificada como única, a de poder juntar os dois executivos e debater a actualidade do país.

 

Um tributo àqueles que não fugiram ao desafio de pegar o leme de um “país que não tinha condições sequer para ser dependente fará independente “, como agoiravam, como alguma razão, os colonialistas e os que estavam contra a independência. Um tributo que chega tarde, mas em tempo, para os homens que pegaram no leme dos país na aurora da liberdade,que acreditaram que Cabo Verde é possível, que não tiveram medo de abraçar o desafio que lhes foi lançado por um povo, uma nação que se juntou a sua volta na esperança suprema de contribuir para uma vida melhor para os cabo-verdianos. Haverá críticas aos seus desempenhos como governantes? Certamente e a 13 de Janeiro de 1991, depois de terem vencido até uma adversidade que se chamava partido único, conduziram uma abertura política exemplar, foram a votos e avaliados negativamente e foram para oposição.

Em democracia é nas urnas que se julga a acção dentro da legalidade praticada pelos governantes.E são nos tribunais que se julgam os actos ilegais e lesivos do interesse público. Os governantes do 1º governo foram avaliados nas urnas e nos Tribunais não houve nenhum julgamento. Por isso não entendo a insistência no julgamento na praça pública, no bom estilo da “ternura para com o inimigo” levado a cabo pelos talibãs do MpD no princípio dos anos 90. Mas mesmo que se insista em julgar na praça pública quem a história, nem os tribunais condenou, temos que ser justos. Não podemos, por exemplo diminuir o primeiro, primeiro – ministro de cabo-verde naquilo que ele fez mal ou menos bem e não acrescentar nada ao que ele fez de bem para estes pais.

E quando se presta tributo aos membros do primeiro governo temos que conseguir diminuir e acrescentar.

 

Eduino Santos

 

 

  1. Jorge

    E para quando um encontro com os “Bufos” para recordar a tortura em nome do Partido Único? Já agora seria bom haver varios fóruns, tribunal popular, comissões de moradores, jaccv (que José Maria Neves foi secretário geral) que manipulava a juventude, opadcv. Haja paciencia…l

  2. pedro rogeio delgado

    Estamos perante um acto público jamais visto em Estado de Direito Democrático que briga com a própria Constituição que não outorga à Assembleia Nacional a faculdade de autorizar o novo governo da II República a realizar sessão especial em tela, visto que o Governo, apesar de ser sustentado pelo PAICV, é da República de Cabo Verde. O PAICV, enquanto entidade privada, poderia realizar um encontro entre os antigos militantes e governantes do ancien regime do partido único e novos militantes e governantes um encontro na sua sede, com o mesmo propósito.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.