Pedreiros: Empresas de construção dificultam o acesso ao trabalho

8/07/2014 07:33 - Modificado em 8/07/2014 07:33

Foto de construção civilMuitos pedreiros mindelenses estão descontentes, pois, trabalham por conta própria e agora são pouco requisitados por causa das empresas de construção civil que já marcaram território na ilha de São Vicente. A vida complicou para essa classe que quer continuar a trabalhar na sua área.

 

Júlio Lopes trabalha há mais de vinte anos na construção civil e nunca esteve tanto tempo sem trabalhar como agora: “desde o início do ano trabalho, de vez em quando”. Encontra trabalho somente se familiares, amigos ou conhecidos precisarem de um pedreiro e que já conhecem o seu trabalho pois, “muitos entregam os trabalhos às empresas”. Nas empresas não se  consegue trabalho. “Precisam de pessoas jovens. A nós que já temos muitos anos no ramo não nos dão trabalho, não sei porquê”. Júlio adianta que essa situação está a tornar-se insustentável pois tem necessidade de trabalhar para ter dinheiro e sustentar a família.

Naiss Fortes que trabalha na construção civil desde os 18 anos, acredita que há uns tempos para cá “a vida está a tornar-se complicada”. É que agora trabalha quando encontra. Antes escusava alguns trabalhos porque estava lotado e agora anda à procura de quem precisa de um pedreiro. Ele diz estar a sobreviver das economias que guardou mas “a qualquer hora, vou precisar de mais dinheiro, já estou há muito tempo sem trabalhar”. Apesar de Naiss fazer às vezes alguns trabalhos, não se contenta, pois já estava acostumado a trabalhar todos os dias. A vida complicou e Naiss espera que dias melhores virão e que possa trabalhar como há dois anos atrás, onde “descansava somente aos domingos”.

Djô da Luz está na mesma situação. “Preciso de trabalho, há muito que não trabalho”. Com uma casa e filhos para sustentar, ele mostra-se preocupado com os contornos da vida: “não sei onde procurar trabalho, nas empresas de construção civil dizem para esperar”. A rotina mudou completamente para quem estava acostumado a pegar na massa e trabalhar. “Não consigo ficar em casa. Às vezes vou para o centro da cidade ver se há algum trabalho para fazer”. Djô espera que haja mais trabalho para que todos possam trabalhar e sustentar a família

  1. CidadaoCV

    Pois é … o problema de fundo é que as pessoas já não confiem nos pedreiros independentes. Não cumprem com os prazos, trabalham pouco, pouca honestidade, com péssima qualidade, muitas vezes “fuscos” e querem ganhar muito.

  2. zemas

    vai procurar nos sindicatos.

  3. Neves

    Isto é um sinal puro de mudança de …. tradicional para moderno e competitivo! É certo que qualquer processo de mudança acarreta efeitos negativos,, daí a intervenção dos orgãos competentes, para devidos ajustamentos e correções! Mas no geral eu aprovo esta via de empresas…

  4. Liseth

    Mas isso é um problema de todas as profissões, não são só os pedreiros porque policias, professores e mais profissionais trabalham fuscos, mas o problema é que essas empresas não dão trabalhos aos pedreiros já no mercado, preferem nomes de empresas grandes, mas nem sempre fazem bom trabalho

  5. Djê Guebara

    Eu me recordo nos tempos que vivia em soncente cuando eu estava construindo a minha casa la no Fernando Pò,junto com Tanha que hoje dia ela tem o seu restaurante la em somada de Fernando Pò, tinhamos dois excelentes pedreiros que faziam os trabalhos para nòs com eficiência e de bom cuidado os pedreiros eram o irmão dela ja falecido conhecido por Ti Djack, o outro tambem ja falecido conhecido por Maiuca todos oriundos de Fernando Pò.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.