Ilaugino Fortes: Julgamento marcado para 29 de Julho

3/07/2014 07:45 - Modificado em 3/07/2014 07:45

TribunalO Tribunal da Comarca de São Vicente marcou para o dia 29 de Julho o julgamento do Agente da Polícia Ilaugino Fortes acusado de homicídio, por ter assassinado o companheiro da enteada. Na audiência em Tribunal para determinar a medida de coacção, o juiz decidiu pela prisão preventiva.

 

O caso ocorreu na residência do agente da PN, Ilaugino Fortes e na sequência de um desentendimento, o agente da polícia sacou da sua arma de serviço e disparou contra a vítima Celso conhecido por “Chaka” que foi baleado com quatro tiros. “Chaka” não resistiu aos ferimentos e faleceu no Hospital Baptista de Sousa.

Ilaugino Fortes é tido na Polícia Nacional como dependente de bebidas alcoólicas e já sofreu medidas disciplinares por causa do uso abusivo do álcool. Com 18 anos de serviço, o agente já teve alguns problemas ao tentar usar a sua arma de serviço para resolver situações pessoais. O NN sabe que durante um período, por questões de segurança, foi-lhe retirada a arma de serviço para evitar constrangimentos, uma vez que o seu estado comportamental evidenciou sinais de perigo para com alguns cidadãos.

Depois de recuperar da situação, o agente da PN foi presente ao Primeiro Juízo Crime para interrogatório e aplicação de uma medida de coacção. Ilaugino Fortes está indiciado da prática de um crime de homicídio, pelo que depois de explicar os factos que resultaram na morte de Celso, o juiz aplicou a medida de coacção mais grave, a prisão preventiva.

O crime

Na noite de 26 de Julho, sob efeito do álcool, o agente da PN Ilaugino Fortes envolveu-se numa discussão com o indivíduo que vivia com a sua enteada e o agente acabou por usar a sua arma e disparou quatro tiros contra “Chaka”. O caso ocorreu por volta das 21 horas, na Ribeira de Craquinha quando, uma hora antes, Ilaugino deveria ter-se apresentado na Polícia Nacional para cumprir serviço. A vítima acabou por falecer no Hospital Baptista de Sousa e o autor dos disparos, Ilaugino, foi detido e conduzido ao HBS porque sentiu-se mal depois de matar “Chaka”.

  1. Geronimo

    O psicologo da PN devia atender os agentes da Corporação.
    E prevenir males maiores, pois não é comum que um agente com tantos problemas emocionais e com o alcool faça parte da PN. Este caso devia ser evitado, não com medidas de repreensão mas com despedimento por ” justa causa”.
    Essas medidas devem ser tomadas no recrutamento de agentes e com aplicação de testes psicotécnicos. Fica a dica

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.