Trabalhadores vivem em situação de penúria

6/07/2012 01:16 - Modificado em 6/07/2012 01:16
| Comentários fechados em Trabalhadores vivem em situação de penúria

Os trabalhadores da fábrica de cimentos Cabocem estão há três meses sem receber o seu salário. Sem ver a cor do seu dinheiro, os 23 funcionários estão a exercer as suas funções sem água potável, materiais de trabalho, ficaram privados do transporte e todos dias percorrem à pé cerca de 5km para chegarem a fábrica. Para reverter esta situação, os operários ponderam uma greve, como forma de protesto.

 

Os trabalhadores da fábrica de cimentos Cabocem, na cidade do Porto Novo vivem em situação de penúria há três meses. Desde do mês de Abril que os responsáveis da unidade fabril não arcam com as responsabilidades quanto ao pagamento dos salários aos 23 operários, que compõem o colectivo de trabalhadores.

Para reverter a situação, o Sindicato Livre dos Trabalhadores de Santo Antão, representante dos operários marcou uma reunião para sábado, 7 com os 23 trabalhadores para tomarem uma decisão. O NN sabe que os funcionários da Cabocem avaliam a possibilidade de realizar uma greve, como forma de protesto contra o atraso no pagamento dos salários e pela falta de condições de trabalho.

De acordo com o porta-voz dos trabalhadores, Imerson Delgado “estamos sem salários há três meses e sem água potável. Estamos a trabalhar sem luvas, botas, boquilha, entre outros equipamentos e esta é uma situação que põem nossa saúde em perigo. E agora temos que percorrer cerca de 5km à pé para chegar-mos ao trabalho, uma vez que nos privaram do transporte”.

 

Socorro

Os trabalhadores pedem a intervenção da Inspecção Geral do Trabalho, porque os responsáveis pela fábrica de cimento pozolânico não estão a arcar com as suas responsabilidades. Com o não pagamento dos salários os operários enfrentam dificuldades e continuam a trabalhar a mercê da sua sorte.

A fábrica de cimentos Cabocem começou a operar na cidade do Porto Novo em 2005, mas há dois anos que é assolada por dificuldades financeiras que já levaram ao despedimento de dois terços dos trabalhadores.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.