Apuramento dramático e histórico para a Grécia

25/06/2014 07:02 - Modificado em 25/06/2014 08:03

greciaAos 90 minutos, a Grécia estava eliminada. Aos 92, tudo era diferente. Num dos jogos mais dramáticos deste Mundial, a selecção orientada pelo português Fernando Santos garantiu a presença nos oitavos-de-final – onde irão defrontar a Costa Rica-, ao triunfar sobre a Costa do Marfim por 2-1, com Samaras a marcar o penálti que deu o golo da vitória já em tempo de compensação. Os gregos cumpriram assim o seu papel e ainda beneficiaram do triunfo da Colômbia frente ao Japão para alcançarem uma qualificação inédita na sua história, depois de se terem ficado pela fase de grupos nas duas participações anteriores (1994 e 2010).

Depois da derrota (3-0) com os colombianos e do empate (0-0) com os japoneses, o triunfo sobre os costa-marfinenses faz de Fernando Santos, para já, o único dos três treinadores portugueses do Mundial a seguir em frente, ele que já anunciou estar de saída do cargo após o Mundial. O português até tinha sido criticado na Grécia por ter tornado pública a sua decisão, mas, afinal, fez valer a consistência defensiva e o enorme coração da sua equipa para sobreviver ao maior poderio ofensivo da selecção africana, que entrou com todas as suas estrelas, incluindo Didier Drogba, que foi titular neste Mundial pela primeira vez.

As coisas pareciam estar a correr mal aos gregos. Na primeira meia-hora, Fernando Santos foi obrigado a fazer duas substituições devido a lesão. Kone saiu aos 12’ e o guarda-redes Karnezis saiu aos 24’, substituídos, respectivamente, por Samaris e Glykos, mas a Grécia encontrou fortuna na desgraça. Depois de um remate à trave de Holebas e de uma grande defesa de Barry a um tiro de Karagounis, os gregos colocaram-se na frente aos 42’, com Samaris, que saltara do banco meia-hora antes, a concluir um rápido contra-ataque.

Era o primeiro golo grego neste Mundial e logo um que, em conjugação com o que se estava a passar no Colômbia-Japão, dava vantagem aos europeus. A Costa do Marfim lançou-se no ataque desesperado em busca do empate e, com a sua defesa desguarnecida, esteve perto de sofrer mais golos. Lazaros esteve perto do golo em várias ocasiões e Karagounis voltou a enviar uma bola à trave aos 68’. Mas a festa seguinte foi africana. Numa rara desatenção da defesa grega, uma combinação perfeita entre os avançados africanos termina num remate sem falhas de Bony, naquele que era o seu segundo golo no Mundial.

A Costa do Marfim estava apurada. Lamouchi, o técnico franco-tunisino da selecção africana, pensava estar a defender o resultado e foi refrescando a equipa, com várias substituições, também com o objectivo de perder tempo. Uma delas foi, de facto, decisiva, mas não como pensava. Enquanto Drogba estava a rezar fora das quatro linhas, Sio, um dos novos cometeu o pecado capital. Fez uma falta na sua área sobre Samaras já em tempo de compensação. O avançado do Celtic tinha o peso de um país nos seus ombros e não falhou. Um tiro potente e colocado colocou 23 jogadores gregos nos oitavos-de-final. E um treinador português também.

publico.pt

  1. idels

    Que arbitro kredu !!Mal assinalamento da penalidade . Mesmo no video, do outro angulo conseguese ver CLARAMENTE que nao houve falta nenhuma.Venceu mas nao convenceu. Coitados dos marfinenses mereciam vencer .No jogo de italia tb houve injusticas suarez a cotovelar mais de 2 vz de seguida e a morder chielini ao cair suarez recebeu uma cotovelada mais isso foi bem feito visto que o arbitro Nao fez nada . Ai sim havia a grande penalidade i italia venceria de certeza pq iriam ter mais determinacao..

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.