Cobrança coerciva pelo INPS não agrada a oposição

24/06/2014 07:55 - Modificado em 24/06/2014 07:55

inps balcaoA sessão plenária de Junho arrancou esta segunda-feira, 23, com o debate sobre “os desafios da Segurança Social e a sua sustentabilidade”, pedido pelo Grupo Parlamentar do PAICV. Neste ponto, os deputados e o Governo esperam que sejam discutidas e aprovadas medidas de cobrança por parte do INPS. Situação que é sustentada pelo Governo e pelo PAICV, mas que não agrada à oposição (MpD e UCID). O primeiro-ministro José Maria Neves, questiona a razão pela qual não se deve colocar o INPS a fazer cobrança coerciva de dívidas. Segundo ele, seria uma solução mais rápida e benéfica para o sistema.

 

Durante o debate, o deputado do PAICV, Alcides Tavares, evidenciou a posição da sua bancada. “Temos um grande desafio que tem a ver com a cobrança da dívida. Não se pode menosprezar o não pagamento das contribuições para o sistema que nós instituímos que é um sistema contributivo”.

Mas como solução, a bancada do MpD sugere dar a possibilidade às empresas de criarem emprego em vez do Governo levar uma lei de cobrança coerciva ao Parlamento. E diz que esta lei pode levar as empresas à falência. Em vez disso, deveria ser apresentada uma lei de recuperação das empresas para pagarem mais impostos e também a segurança social “para que o sistema possa ser suportado”.

 

  1. POLITICOS CORUPTOS

    merda inda eska avançpa ku kel lei de recuperason e empresa

    FORTE PAIS TRISTEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE

    ANTES DE NHOS CABA KU EMPRESA NHOS RANJA MANERA DE REESTRURAL.

    POLITICOS DJA NHOS KA MAMA NA NHOS EMPRESA KI NHOS CRIA ENKUANTO QUADROS NA FUNSON PUBLICA GOSSI KI NHOS STA EDJO E DJA NHOS PASSA RAMO PA NHOS FIDJOS NHOS STA RE ABANDONA BARCO. E TRISTE NEM NKA TA ACREDITA

    MA INDA KA APROVADO LEI DE RECUPERASON DE EMPRESA
    FORTE TRISTEZA E INDIGNASON.

  2. Clara Medina

    [Entretanto, e perante a insistência na questão, Leonesa Fortes garantiu que “não há riscos de colapso do sistema”, na medida que existem reservas suficientes que dão garantias para os próximos anos, na medida que a “carteira de investimentos de 40 milhões de contos, que representa cerca de 20% do valor do PIB”, é um importante instrumento de geração de riqueza.]

    “Palavras de Leonesa Fortes, responsavel do INPS em Lisboa quando da Tertúlia Crioula no dia 20.02.2014”

    Infelizmente nós em Cabo Verde gostamos de historias de carochinhas. O INPS vai entrar tarde ou cedo e talvez mais cedo do que tarde em colapso.
    A crise já chegou e o tempo de bobagens como “estamos blindados contra a crise” já passou.
    O desemprego vai disparar, empresas medias e com um certo peso económico e financeiro vao falir. Portanto a possibilidade de arrecadar mais contribuições é uma utopia.
    Leonesa Fortes sabe bem tudo isto pois deve ter estudado pelo menos o sistema social de Portugal em putrefacção. Apenas a verdade nao pode ser dita para nao contrariar a política de mentira introduzida neste País. Portanto para nao cairmos na desgraça, para garantirmos o nosso job ou outro futuro a melhor, a mais cómoda e menos honesta é reproduzir sem contestação “his master voice”.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.