o outro lado da mesma moeda

19/06/2014 07:36 - Modificado em 19/06/2014 07:36

menino_rua1Dénis e Flávio dois adolescentes em situação de risco vivem na rua há alguns anos e dizem que se abrigam da geada e dos perigos desta cidade num prédio em construção junto ao Hotel Dom Paco.

 

O prédio em questão junto ao Hotel Dom Paco, há muito que se encontra em construção, é o “hotel dos meninos de rua” como é chamado e serve de abrigo a muitas crianças e adolescentes que vivem na rua. São inúmeros os motivos pelos quais uma criança acaba nas ruas vivendo à mercê de toda a espécie de perigos.

Dénis um adolescente de 15 anos, diz morar com as tias em Chã d´Tiliza, porque a mãe emigrou à procura de uma vida melhor e ficou sob a tutela da avó que veio a falecer e acabou por ficar com as tias. Muito reservado, não quis falar da sua relação com os familiares. Diz que escolheu viver na rua porque quis mas deixou escapar “a minha família não tem condições”.

Dénis que deveria estar a estudar, fez a terceira classe e diz que não gostava de estudar, faltava às aulas, mas gostava de jogar futebol, adorava estar abrigado num dos centros para ter um lar com melhor conforto. O mesmo conta que dorme “num prédio sem portas nem janelas, a minha cama são pedaços de cartões, a panela é uma lata, o prato são recipientes de manteiga, a casa de banho são os cantos das paredes”.

Flávio,  diz que “somos oito inquilinos no hotel, os outros companheiros vão dormir em casa ou noutros sítios”.

Questionado sobre as razões que o levaram a viver na rua arriscando a própria vida, este adianta que vive somente com a mãe que é alcoólatra e o pai está preso e não tem apoio da família.

O mesmo diz que prefere estar na rua a pedir esmolas para poder sobreviver e sempre que é solicitado faz trabalhos de limpeza nalgumas casas ou recebe para despejar lixo das casas, lojas e restaurantes. Muito entristecido,  diz: “Muitas pessoas não confiam em nós, não nos vêem com bons olhos, chamam-nos de “pitaratinhas” porque alguns roubam as pessoas na rua”. Flávio diz que o sonho dele era ser piloto, viajar muito.

Estas são as condições em que vivem muitas crianças e adolescentes na rua, sem dignidade humana, vivem na pobreza e têm os seus direitos negados, estão excluídos da sociedade marginalização.

 

 

  1. Nilton Monteiro

    Como faco para ajudar esses miudos? Espero da vossa resposta. Obrigado

  2. hola…
    deves entrar em contacto com este jornal para encontrar as formas de ajudar-lhes

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.