Nando da Cruz: “O Banco da Cultura não existe, não funciona!”

5/06/2014 07:39 - Modificado em 5/06/2014 07:39

nando-da-cruzDez anos depois de lançar “Criança di nôs Terra”, Nando da Cruz está de volta com o volume II do projecto, mas também com muita mágoa. O autor de vários sucessos da música destas Ilhas, afirma que “Há uma instituição que se diz ocupar da música e cultura de Cabo Verde, mas é mentira. Falo do Banco da Cultura. Não existe, não funciona!” – conclui.

 

Nando da Cruz, referindo-se ainda ao Banco da Cultura, sem rodeios, afirma que “não há lá gente capaz de fazer um bom trabalho”. Acrescenta que um artista procura o Banco iludido que vai ser ajudado mas que tudo não passa de uma mentira.

O autor de “ Baiana “, disse ter apresentado o projecto do Volume II de “Crianças di nôs Terra” ao Banco da Cultura que o analisou e respondeu que o iriam ajudar. Adianta que no momento, foi claro ao explicar que, “vocês não estão a ajudar o artista Nando da Cruz. Estão a ajudar a Aldeia Sos” – entenda-se, as crianças de Cabo Verde.

O Artista num tom de poucos amigos diz que “foram muitos blá-blá-blás e zigue zagues” de que “nô tápoiá”, mas que na hora do apoio, nada. Tudo isto, segundo Nando da Cruz, passou-se há três meses, pois o projecto foi apresentado há seis. Para o autor, cantor e compositor da música crioula, tudo devia ficar decidido no mês de Março e, “ficaram a adiar, adiar. Mais uma semana, mais dois dias, mais três dias”, até que resolveu procurar outras alternativas. Pois – como refere – o pior é tratar-se de uma ajuda que, depois, tornou-se num empréstimo em que ele, como qualquer outro, teria de liquidar com juros. “Isto é uma palhaçada. Não apoiaram este projecto. Estou ansioso para saber que outro irão apoiar”, comenta Nando da Cruz em jeito de conclusão.

“Crianças di nôs terra” volume II

Nando da Cruz comunga da máxima que “um momento de inspiração não se provoca, acontece”, por isso, conta que esperar pelo momento exacto para deixar a inspiração fluir, foi um dos vários factores que o levaram a esperar dez anos – admite que podiam ser mais – para apresentar o volume II de “Crianças di nôs Terra”.

O momento chegou quando, numa viagem de avião, ficou pasmado a ver uma criança a brincar batendo com os pés e a sorrir, enquanto que a mãe morria de medo. Ali surgiu a melodia e logo a primeira estrofe. “Queremos brincar, queremos sorrir, ai como é bom ser criança!”, e pronto, ali nasceu a parte II do projecto “Criança di nôs Terra”.

Depois, foi só entregar a composição ao Kim Alves – acrescenta Nando em tom de brincadeira -, para dar “aquele toque de Mestre”. Esta segunda parte do projecto, ao contrário da primeira, reúne quatro vozes femininas de Cabo Verde. Nando, desde logo, avisa que o valor da obra está lá, até porque termina dizendo “não é a quantidade que faz a qualidade”.

 

  1. admilson da rosa

    A MUITA COISA QUE NÃO FUNCIONA EM CABO VERDE

  2. djay

    Mais um manda boca dum artista falhido. ele vive fora e volta na terra so pa mama dnher.

  3. tavares

    apoio nes terra é ka pa tudo alguem. inda nhos ka da konta?
    é só conversa, acção nada……………..

  4. Parisiense

    NANDO DJA BO POI MON NA FIRIDA; MODA NHO TEM MONTI ARTISTAS K’ IMBARCA NESS SONHU DI NHO MARIO LUCIO. BANCO DI KULTURA KA TA EXISTI; SO BLA BLA. TUDO BESS ESS TA FLA ESTÁ KMA PROJETU STA TA SER ANALISADO. PIOR KI DIPOS SI DADU FINANCIAMENTO EL TA SER COBRADU KU JUROS; KA É NADA DADO, QUALQUER DIA ARTISTAS TUDU TA BEM REVOLTA KU ESS SITUASSON LI.

  5. esclarecimento

    em cabo verde confunde-se tudo: uma coisa é pedir apoios, patrocínios etc. ou coisa , alias bem diferente e recorrer a um banco, mesmo que seja banco de cultura. banco que é banco empresta dinheiro, não dá dinheiro

  6. Carla Delgado

    Credo Nando!!! Bo ta vive?????!!!…

  7. Orgulho de ser caboverdeano como o nando da cruz

  8. Esclarecimento mentira, esse banco di cultura tem so pessoas incopetentis
    Ta começa na kel palhaço di carlos horta ta caba na kes galinhas elizabete cabral e valdira
    A mim um uvi intrevista ki nando da cruz fla na radio e ele foi bem claro
    Ele sabia qui seria um imprestimo sim, mas mesmo assim banco di cultura fica ta dal pa dodu, kela banco di cultura dja fazi ku monti artistas, so qui desse bez es incontra um artista pisadu ki katem medo, di nada força nando da cruz

  9. Parabens Nando da Cruz , Cabo verde tem muito orgulho na bo, pra lem de bo talento tud quem ta conxeb sabe que bo é simpatico brincalhao, e tud es palhaços é que contra es é tudo uns covardes, Cabo verde precisa de artistas moda bo , é so espia bos obras kbo tem feite e tud q ja bo faze pa crianças de cabo verde, mas pronto tud gente sabe que bo é q po
    Es (FDP) peso , sucessos Nando

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.