Festas de sexo : onde rolam os petrodólares

3/06/2014 07:29 - Modificado em 3/06/2014 07:29

DolaresOs angolanos ricos estão na classe dos clientes mais frequentes, mas não são os únicos, e têm a fama de “bons pagadores”. Normalmente, chegam num jacto privado e procuram um hotel longe de olhares indiscretos.

 

O negócio do sexo está em expansão no Mindelo e parece que está a conseguir dar a volta à crise. Se nas ruas, as “meninas que dão café” sentem a falta de clientes, nos salões, nas festas particulares o negócio prospera. Isto devido à procura por parte de homens de negócio ou aventureiros ricos que descobriram no Mindelo o lugar ideal para o turismo do sexo.

Os angolanos ricos estão na classe dos clientes mais frequentes, mas não são os únicos e têm a fama de “bons pagadores”. Normalmente, chegam num jacto privado e procuram um “ hotel longe de olhares indiscretos”. Já têm os contactos das mulheres e ligam para marcar os encontros nos hotéis. “Normalmente vão passando os contactos de uns para outros e já conhecem as meninas. Assim, não perdem tempo à procura”. O cliente sabe o que procura: não quer uma prostituta clássica. Quer uma mulher bonita, muito bonita, com corpo de “avião” que lhe dê a sensação de que foi conquistada.

Mas que pagou não pela mulher, mas pela festa, pelas bebidas, pela alegria, pelo amor. As moças chegam a cobrar 300 a 500 euros por noite fora os presentes. Ninguém sabe ao certo o que são “os presentes”. O certo é que para as “cappuccinas” esses encontros são verdadeiras bolsas de contactos. Algumas já foram convidadas a viajar para Angola de férias, outras conseguiram trabalho, outras continuam a dar “cappucinno” agora em África ao sabor dos petrodólares.

Quem são as moças

Em rigor não se pode dizer que são prostitutas, embora cobrem pelo sexo. Essas, são as meninas que “dão café”, sexo barato. Tão pouco a garota de programas do Brasil. Estas mulheres baptizadas de “cappuccinas”, em analogia ao café expresso italiano e por ser mais caro que o simples café, trabalham, estudam ou são sustentadas por um ou mais “titios”. Outras conhecidas como “cafezeiras” vivem unicamente e simplesmente dos “cafés” e dos “cappuccinos” que vão dando. Mas existem muitas jovens que não são nem uma coisa nem outra. Podem acabar como “cappucinas” ou “cafezeiras”, mas vão a essas festas por prazer, para se divertirem e, ainda por cima, são pagas.

 

Espaços nocturnos

Os espaços nocturnos na cidade do Mindelo também têm facturado com essa nova clientela. Às vezes, o “organizador” opta por alugar um desses espaços com serviço de bar aberto. Leva as “cappuccinas” e começa a festa. Mais uma. Nas nossa investigação apurámos que “certa vez um grupo de empresários alugou uma boîte na cidade do Mindelo e um organizador contratou mais de trinta mulheres para ‘encherem’ o local”.

 

Os dados recolhidos nesta investigação permitem chegar à conclusão que Mindelo é um destino do turismo sexual? É claro que sim. E mais: todos os dias surgem novas ofertas de locais e mulheres para animar o mercado crescente dos negócios à volta do sexo em São Vicente. E não é verdade que são apenas os angolanos a animarem esse mercado com os seus muitos petrodólares. Se calhar são os que mais dão nas vistas. Mas portugueses, espanhóis, italianos, descobriram também esse mercado e os que procuram sexo nas férias já conhecem os circuitos. Só não conseguem competir com os angolanos.

Quarenta contos por noite

Dependendo dos dólares que se têm para gastar, mas que normalmente são muitos, a organização de festas particulares já entrou no menu que é oferecido aos turistas do sexo. Normalmente os turistas recorrem a um “organizador” que prepara tudo e recebe por isso.

Os lugares preferidos são vivendas luxuosas com piscina, onde servem comida e bebidas. Uma festa normal. Só que as damas são escolhidas a dedo e chegam a ganhar 40 contos por noite. Sabem ao que vão, sabem o que têm de fazer. Não custa fingir que se está a ser engatada quando há dólares na noite. Muitos dólares.

Texto publicado no NoticiasdoNorte impresso n º2

 

  1. criola dsoncent

    para rir ou para chorar ?
    ai soncente . . .jà bo cabà na nada !!!!!
    so aoj k jam comprende esse afluxo de caboverdianas te bai pe Angola!!!
    triste mesmo!!!!!

  2. Dom Cluster

    Se há consumidores e fornecedores, então há mercado. E havendo mercado, torna-se necessário regulá-lo, protegendo assim os interesses de todos os agentes económicos. No entanto, legalizar a prostituição não é tarefa fácil, tanto mais sabendo que o Lobby da Igreja Católica iria se posicionar frontalmente contra a proposta de lei, e não vejo nenhum partido político disposto para tal afronta…afinal são milhões de votos que poderiam ser perdidos (a dos crentes). Não podemos esquecer também dos falsos moralistas de prontidão que seriam contra a legalização, mas que entre quatro paredes estimulam o café e a pedofilia. Em todos os países que há turismo, o sexo faz parte da oferta, e não podemos fugir a essa realidade. Chega de falso moralismo, e vamos falar abertamente do assunto, e caso for benéfico para os “fornecedores” e para o Estado (impostos), vamos avançar. Quem sabe se a solução para Sóncente não está no Cluster da Sabura. Ademais, se o negócio falir, poderemos sempre “comer” o stock.

  3. sorrow!!!

    Como assim nao sao prostitutas??? Sem querer descriminar ninguem mas quem recebe dinheiro ou presentes em troca de sexo esta a prostituir nao importa seja homem ou mulher. Passa-se muitas dificuldades reconheco!! Mas dai perder a dignidade e vender o corpo. Isso me entristece….ver gente boa e bonita “ta kaba na nada”!!!

  4. amante de soncente

    Negocio eh negocio,, ta na moda e ninguem ca ta leva mal, bem haja os petrodolares, pa combe crise,, eh pa continua ness onda,,, kem puder disfruta aproveita,, 400 ma 500 Euros eh bom paus,, e el ta faze diferença na bolso de um criola.. hhehehe

  5. Ailine

    claramente que a crise não deve ser vista com um factor preponderante aos desvios de comportamento de cada pessoa,dado que muitas dessas mulheres sao empregadass em outros serviços. o factor que aqui se destaca è a ganancia e ambiçao dos caboverdianos de viver bem sem se esforçar para nada. Muitos agora têm a mania de achar que o sexo è uma forma facil de ganhar dinheiro, o que no meu ponto de vista è uma das formas mais ” sujas” de se ganhar dinheiro, e obviamente quem tira proveito do seu proprio corpo para ganhar ” dolar” não se valoriza e nem se respeita.

  6. il

    TRISTE E FEIO ISTO, HEIM!!! O que dizem do tal policial que disse que muitos angolanos andam a vir para Cabo Verde “passar” sida as pobres coitadas que se deixam cair na tentação? Ainda abriram livre circulação para angolanos!! Uma tristeza. Depois de tantos anos a lamber as botas do “tugas” agora são os “manos” da Angola que querem fazer a mesma coisa? Nôs ja no kaba na nada!!! Vergonha d nha Terra Querida….

  7. Djassa

    Cada um faz o que bem entender da sua vida. Se as meninas querem se vender para ganharem a vida nesta época dura de crise, melhor para elas!

  8. virgulino

    Deixa as meninas viver se nao ha ninguem pa ajudar ne camara ne o paicv.

  9. Santinha

    Nhis gente bocis tcha de noia bosej sabe que quel cafizim na soncent e sagrod agora ele ta um quezinha mas cor ele ta, ma pa quem te pode paga ok numa boa ZIDURINHA foi unica mulher que dizia viver de se cafe mas ne se lod tinha uns 10 mil “capuchineras” mi um ca tita oia nada de mais nem de novo nisso

  10. Criola linda

    Claro o Hernani esta la para coordenar as festas, era assim na Praia também

  11. Mulher

    Parabéns ao NN pl coragem de trazer á praça publica o caso das “Cappuccinas”.Dos “cafés” todos falam.Isto reflete muito a falta de valores que hj existe em SV….as Cappucinas hj são tratadas como estrelas,poderosas até empreendedoras pois de um dia p outro conseguem tudo que uma medica, engenheira,advogada etc só consegue com mts anos de trabalho.Além de se venderem aos angolanos elas têm destruído mtas famílias em CV,pois preferem ter casos c homens casados que não as exige fidelidade….

  12. José da Cruz

    O problema não é ser prostituta, como disse o Dom Cluster q seja legalizado.O problema é a hipocrisia a mentira e a falsidade á volta das “Cappuccinas” que se vedem a angolanos e outros homens ricos mas não querem ser chamadas de prostitutas.Como esta prostituição é feita na “clandestinidade” as cappuccinas acham que ninguém sabe de nada,passam por mulheres finas,honestas,solteiras á espera do “babaca encantado”. mas como homens bocós não faltam por cá, elas aproveitam e dão golpes, mais nada.

  13. Ze Jorge

    Resta saber em que condições vão para Angola. Será que não são exploradas/escravizadas sexualmente depois de sairem do pais.

    Sem dúvida que isto não acontece apenas em SV mas sim um pouco pelas diferentes ilhas. Aqui na Praia existem meninas de, praticamente, todas as ilhas a viverem em apartamentos arrendados, sem um trabalho, não estão a estudar mas andam sempre nos “trinques”. É de se perguntar donde vem o dinheiro?

  14. joao da cruz

    Eu acho este nao e estranho sou maritimo em todas os paises que ja esteve existe prostituiçao pra que as pessoas estao a fazer comentarios falando mal da nossa ilha vejam em s vicente ha mtos jovens que termina os estudos liceais e nao tem trabalho o que e que voces acham que elas vao fazer quando apareça alguns homens a paga las bem para prostituir elas tem deo fazer especialmente quando 1 mulher ganhar numa noite 400 a 500€ ela ta com a vida arrumada por 1 mes imaginem se elas conseguir 3 x m

  15. Vitú-Monte Sossego

    Cafézim de Soncent é kel más sab!!! Até kés kamel angolan tá gostá!!!!

  16. Djê Guebara

    Para acabar com toda esas propaganda de petrodolar cabo verde tem que descobrir petroleo em cabo verde e assim tambèm somos petrodolar e outras prostitutas vêm para soncente.

  17. Helena Rodrigues

    Onde esses jactos andam a aterrar em S. Vicente? Quem organiza as festas tem aeroporto privado? Sr. Jornalista eu gostaria de estar aqui a cobrar taxas aeroportuárias em petrodólares. A econimia do país agradecia. Porquê esta celeuma á volta desta profissão? Nasceu agora e em Mindelo? É um negócio como outro qualquer, só que com produto e preçário diferente. Prostituição é crime se envolver menores, se pessoas forem forçadas e se feito na rua. Este artigo é um julgamento, não uma notícia.

  18. dzer

    SONCENTE TE RECEBE GENTE DE TUD PONTA PA ESTUDA 😉 so pe lembra que tem kes k t usa ” casa de gente” pe fz ses negócios… por isso ca no generaliza es ” soncente” moças de soncente, etc , etc:D … é uma rede de prostituição de gente de soncente e gente de ilha … futilidade e vaidade ilusória… traboi duro ê ne tud gente k t preparod pa el 🙂

  19. Mascaradas

    Helena Rodrigues se vem Jactos não sei, mas que têm vindo mtos angolanos com dinheiro a SV p estar com “criolas bonitas e facéis” não ha duvida nenhuma.Não nasceu agora e o artigo só é julgamento p aquelas que prostituem-se com angolanos e pousam de ingenuas e namoradas dedicadas.se este assunto for debatido mtas mascaras vão cair no mindelo daí a preocupação de mta gente…se for legalizado elas vão ter que assumir, né?está explicado.Força NN

  20. Helena Rodrigues

    O meu nome é este Helena Rodrigues, sem máscaras. Vê o que esceveste em lugar de um nome teu… escondeste atrás de um pseudónimo e falas de “máscaras” dos outros? Vou-te responder pra quê? Quem se preocupa com eu ser uma contabilista, que trabalho duro para sustentar a família e ainda e estudo à noite? Ninguém! Então porquê preoucpar-se se outras sustentam-se usando o corpo e têm clientes que são estrangeiros ou caboverdeanos ricos ou pobres? Na Europa, América, etc há milhões delas. E daí?

  21. Mascaradas p Helena

    Ou não percebeu o que eu escrevi ou não esta satisfeita com o emprego digno de Contabilista. Pq que alguém devia se preocupar contigo que trabalha honestamente e duro p sustentar a tua família?Isto é o normal,ou não?Acho que não percebeste que o que se quer é que as prostitutas que ganham muito mais do que contabilistas pagem tb os impostos assim como todos pagam.não acha? na europa e America todas contribuem p a economia do País.Não percebo a tua furia sendo uma CONTABILISTA, pensa bem!!!

  22. CUBANO

    ó Helena tchá de bláblá!!! Um ta conchebe dret e bo sabê!…. Bo também fazé tcheu de nôs passá sab…. Ke sodade de Cave…

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.