Os Mac estão menos imunes a vírus e a Apple já o percebeu

1/07/2012 17:23 - Modificado em 1/07/2012 17:23

É o fim de uma era. A Apple deixou de poder gabar-se da imunidade dos seus computadores aos vírus informáticos. Cada vez mais os Mac estão a ser infectados por malware. Esta mudança de paradigma até já encontrou reflexo na publicidade da empresa. Uma alteração difícil de imaginar no tempo de Steve Jobs, diz um especialista contactado pelo PÚBLICO.

 

Em abono da verdade, os Mac e o sistema operativo da Apple – o OS X – nunca foram inexpugnáveis. Sempre houve vírus a penetrar nos sistemas da empresa, mas a verdade é que era um problema residual e infinitamente menor que o malware produzido para infectar PC (personal computers) equipados com o sistema operativo Windows, da Microsoft.

Porém, com a crescente utilização de produtos da Apple – que nos últimos anos criou objectos imensamente populares, como sejam o iPhone e o iPad -, acabou o tempo em que a empresa californiana se podia gabar de ter utilizadores que nem precisavam de fazer nada para estarem a salvo dos vírus. Era isso mesmo que os anúncios da Apple referiam até há bem pouco tempo. Agora, o slogan Safeguard your data. By doing nothing “[Guarde os seus dados. Não fazendo nada”] foi substituído por outro, mais matizado: Safety. Built in [Qualquer coisa como “Segurança a partir de dentro”].

Outro slogan recente da empresa era este: It doesn’t get PC viruses [Não apanha os vírus dos PC]. Actualmente, esta frase foi substituída por uma outra, mais cautelosa: It’s built to be safe [Construído para ser seguro]. O antes e o depois pode ser consultado aqui.

De acordo com Graham Cluley, consultor sénior da firma de segurança informática Sophos, esta atitude de “dar a mão à palmatória” seria difícil de imaginar nos tempos de Steve Jobs (o histórico CEO da Apple que morreu em Outubro do ano passado).

Em declarações ao PÚBLICO, Graham Cluley comenta: “Isto sugere que a atitude da empresa perante a segurança poderá estar a mudar lentamente. É difícil imaginar tamanha mudança de linguagem ser usada quando o Steve Jobs dirigia a empresa”.

 

A revolução de Abril

Esta mudança tornou-se clara para todos em Abril último, quando uma botnet (conjunto de computadores ligados em rede que correm o vírus automaticamente e podem ser programados para atacar um mesmo alvo em simultâneo) que dava pelo nome de Flashback atingiu mais de 600 mil Mac em todo o mundo, mais de metade dos quais só nos EUA. Os hackers aproveitaram-se de fragilidades em programas Java para acederem a computadores da Apple e daí retirarem informações sigilosas como palavras-passe e dados de contas bancárias.

Graham Cluley também confirma a mudança que tem ocorrido nos últimos tempos: “Recentemente, temos vindo a detectar um aumento no número de ‘infecções’ nos Mac. O nosso estudo mais recente a este respeito descobriu que aproximadamente um em cada 26 Mac estava infectado com alguma espécie de malware”.

“O problema é real e a Apple parece estar a ficar um bocadinho mais corajosa a admitir este problema”, acrescenta Cluley.

“Esperemos que cada vez mais proprietários de Mac percebam a importância da instalação de antivírus”, referiu ainda o perito em segurança informática.

O PÚBLICO contactou também o português Rui Santos, autor do livro “Fundamental do MAC OS X”, que constatou que “a Apple, devido ao crescente número de utilizadores, começa a ser um alvo apetecível para os hackers”.

Rui Santos frisa, porém, que “o facto de o Mac estar hoje mais susceptível de apanhar vírus não retira o que de bom têm os Mac, que é a conjugação de um software desenvolvido especificamente para um hardware, o que faz do Mac uma máquina fiável e rápida”.

 

 

 

publico.pt

  1. CidadaoCV

    Na verdade os MAC sempre tiveram as suas vulnerabilidades. O problema é que a maioria dos vírus até aqui têm sido “desenhados” para atacar os sistemas Microsoft, pela simples razão da maioria dos sistemas informáticos são da Microsoft.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.