Ex funcionária da Pastelaria Morabeza não aceitou redução do salário e foi despedida

21/05/2014 07:27 - Modificado em 21/05/2014 07:27

pastelaria morabezaA aplicação do salário mínimo continua a dar dores de cabeça e sobretudo desemprego a vários trabalhadores . Elisabeth ex –funcionária da Pastelaria Morabeza não aceitou redução do salário de 17 mil escudos para o salário mínimo e foi despedida.

 

Elisabeth Gomes diz que recebia mais do que o salário mínimo, mas desde que os patrões ficaram a saber da lei do salário mínimo, começaram a baixar o vencimento. Segundo ela, quando a empresa estava a renovar os contratos, a redução do salário convinha à entidade patronal. “Até disseram que pagavam muito pelo meu trabalho”, mas segundo ela, trabalhava duas horas a mais do que o normal.

Elisabeth afirma que trabalhava na pastelaria Morabeza desde a sua abertura, ou seja, há cerca de dois anos, trabalhando 10 horas por dia, recebendo dezassete mil escudos, mas depois, começaram a baixar o salário, “o que é injusto, porque a lei diz que não se deve baixar o salário, pois queriam igualá-lo ao salário mínimo”, mas sem o consentimento da funcionária.

Para ela, os responsáveis começaram a mexer nos salários e os funcionários aceitavam, mas como ela não quis que mexessem mais no seu salário, o responsável “indirectamente, ameaçou-me: ou assinava o contrato ou ia para a rua”. Como Elisabeth não concordava com algumas cláusulas, preferiu sair do emprego mas ela quer ver os direitos dos trabalhadores respeitados.

Elisabeth já entregou uma carta na Direcção-Geral do Trabalho porque segundo ela, “temos medo de perder o nosso trabalho e, por isso, ficamos calados, mas trabalhamos muito e os patrões não valorizam o nosso trabalho”.

Tentámos falar com o responsável da pastelaria Morabeza mas não foi possível.

 

  1. Indignado

    É isso mesmo pessoal. Esse pessoal de Pastelaria Morabeza e Café Mindelo és ta passá ces vida ta maltratá ces funcionária. Ês ca sabé das valor na ces traboi e ainda ês ta pagas pouco pa estot cerca de 10 horas. Já tinha saíd un notícia de Pastelaria Morabeza, mas no entanto parece que cosa fca em Banho Maria moda ek ta contecé prei sempre. Pa mim ês ta feito complô ma esse pessoal de IGT e otchs entidade e tem mas, ês ta descontas Seguro e ês ca ta nem usufri dele, pk se ês bai pa Seguro ês ta dze que ainda ês ca pagas e Seguro em vez de mandá um aviso, carta ou qualquer coisa, ês ta fca la sentot naques cadera ta espias na cara, pami tb ês ta feito complô que INPS.

  2. Adizelene Alves Cid

    Bo fazé dret,es te abusados ness terra,es pensa k no te ne escravatura einda.bo fala dret tb Gilson Gomes maltas ja ta bom de koméça te reenvidika direito e de trata nos k mas dignidade…Respect

  3. Juvenal Mendes

    O salario minimo nao tem a prevalencia sobre os direitos adquiridos, os patroes sao obrigados a respeitar direitos adquiridos, esse devara ser levado a barra dos tribunais porque e um explorador brutal e nao uma pessoa digna que vive honestamente.

  4. joao arteaga seleri

    Eu estive lá

  5. joao arteaga seleri

    Aquilo não é um lugar para trabalhar eu fui informado que os funcionários passam maus tratos dentro daquela pastelaria dão 10 horas de trabalhos e pagam pouco,eles não tem direitos de comer ou serão expulso do trabalho ou o que eles comeram lá serão descontados nos salários,ainda por cima serão obrigatórios a trabalharem nos feriados e não pagam os feriados e se não foram trabalhar nos feriados serão descontados dois dias de trabalho ou sejam mil escudos e obrigam a fazer horas e não pagam.

  6. Sal

    JMN e Cristina fala ma economia cv tava blindada e k era ciumes do MPD, antom Sv ca reduzi desempregue?

  7. suémia gonçalves

    Se bzot ka fazé mau de ferro ma és portugueses de merda bzot ta psu…Nos paìs é lugar ondé es tb ganha ses pão de cada dia onde muitos deles ta enriquecé debaixo de muita bandidagem mas fazendo-se de gente séria…”Na nos cara sò sorrisos mas na costa somos apenas aqueles pretos”portanto luta pa bos direitos sem receios pq ainda es ta tma caboverdianos pa ingnorantes e poucos espertos…filhos da…já bzot ta bom de bai de nos terra.

  8. injustiça?

    Boa noite malta. Gosto das coisas preto no branco e o pessoal ta a dar opinião baseada em coisas k podem nao ser verdade. O que sei é k esse pessoal da pastelaria trouxe para ca investimento que gerou emprego, e nao foi pouco. Trouxeram produtos k nao tinhamos acesso. S mandaram embora so tem k pagar a indemnização e mais nada. Se nao pagarem tribunal tem k agir. Nao me acredito que a funcionaria em questao foi embora so porque lhes apeteceu… ha agua no bico. Pessoal ta é mal habituado e sabemos bem k ha mto funcionario k trabalha mal. Kero ver é gente com coragem para investir na nossa terra para podermos desenvolver economia…

  9. janine

    Concordo… pessoal ta queixa do desemprego e depois ta cai em cima dessa empresas como si soubessem di tud. Ka pode ser tao radical nesse comentario se ka sabe tud historia. Si esse funcionaria fosse dret ka tinha interesse em despedi. Ela fala 17 conto!!! Ka tinha ideia k li pagavam isso a empregados de mesa. Tenho um amiga k ta trabalha num restaurante que ganha txeu menos… exploradores?? Ka ta parece. Ka cre defende ninguem mas esse pessoal ka ta pensa dret

  10. verdade

    Por isso essa terra não vai para frente.eles vieram cá,deram trabalho e por regras estabelecidas as funcionarias não aceitam..Cada vez mais miséria e pobreza por escolhas nos os caboverdianos. .Sim vieram ganhar mas tb dar trabalho aos que nao tem.Poucos veem esse lado positivo mais .Que vem.mais portugueses ou qualquer nacionalidade para aqui.Ate gratificação elas tem.

  11. fredson

    Um ta dsconfia sempre, problema na traboi tem q ser denunciod na direção de traboi. Boca d’munde na Internet ca ta rsolvê nada, no ca t podê e no ca tem direit julga so pamod alguém manda boca. situaçon na traboi sta mariod? ba spia inspetores ou ba spia sindicato.

  12. Dj Letra

    Ya esh traze produtos novos na bagagem e um des ê desumanidade e kel la ja no tinha el li na Cabo Verde, emprego tb esh traze mas com ot sentid ke txmod escravatura. e ess funcionaria ka fui demitida porke esh roubal de se salario 2 vez sem consultal e ela simplesment reevindika. Dona Janine kem t reevendica e porke el kre oia tud coisa ta ser feit correctament e com dignidad. e dze bo amiga pal ranja um traboi onde kse mon de obra e valorizod mas.

  13. verdade

    eles sao boas pessoas,deram tantos trabalhos e agora vem isso? que pensamentos negativos a cerca deles

  14. Já li várias opiniões, mas tenho que dizer a minha. Antes de mais o empregado deve saber interpretar bem as cláusulas do contrato. Entendo que com o desejo de se empregar, as vezes nem lê o contrato. Tenho que concordar que por escassez de trabalho que há em Cabo Verde esses assim chamados empresários estrangeiros (são aqueles que já não têm chances nos seus Países e aventuram em outros) chegam armados em santinhos à primeira vista para depois transformarem-se em autênticos exploradores.

  15. Ana

    O NN esta-se a tornar num jornal que procura o caos? Somos um povo que gosta de ouvir a verdade e de resolver as coisas com a razao. Estas noticia da pastelaria, da ejap, entre outras deixam-nos com um sentimento de duvida porque nao provam nada. Querem incendiar a cidade? Em que saimos beneficiados em termos de informacao e da vida da comunidade? Sejam mais isentos e menos agressivos por favor,

  16. laura

    todos são “boas pessoas”, todos só pensam no nosso bem, todos querem ajudar cabo verde a “diminuir” o desemprego….. TRETAS!!!!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.