Casa para todos IFH esclarece

16/05/2014 12:08 - Modificado em 16/05/2014 12:42

IFHNOTA DE IMPRENSA

Relativamente à noticia saída no jornal online “Noticias do Norte” , no dia 15 de Maio sob o título – Casa para Todos: Selecionados das classes B e C convidados a desistirem das habitações – vem a IFH esclarecer o seguinte:

• Os preços das habitações do Programa Casa Para Todos, é fixado através do Decreto-Regulamentar n.º 9/2010 de 13 de Dezembro, do SNHIS (Sistema Nacional de Habitação de Interesse Social). Esses preços, com valores bem abaixo do mercado, somente são possíveis porque o Governo contempla, através do SNHIS, uma série de incentivos e isenções fiscais e para-fiscais;

• À Classe A do SNHIS, para agregados familiares de rendimento de 0 a 40 contos brutos mensais, conforme o previsto no diploma referido anteriormente, pratica-se o arrendamento social, ou seja, as famílias pagam uma renda mensal diretamente à IFH de acordo com o rendimento, com tecto máximo 33% do seu rendimento bruto mensal;

• Para as classes B e C do SNHIS, pratica-se a venda normal. O beneficiário ao ser seleccionado é-lhe passado uma declaração e com esse documento procura uma instituição financeira, ou seja um banco, de modo a estudar e viabilizar o financiamento. A diferença de valor entre o preço da casa e a soma das prestações mensais refere-se aos juros a serem pagos aos bancos, valor esse que depende das condições oferecidas por cada instituição financeira e da caracterização do agregado (capacidade de pagamento, idade, entre outros);

• As condições de financiamento são tratadas directamente entre o beneficiário e o banco, mas de modo a acelerar o processo de concessão de crédito e conseguir-se melhores condições de financiamento às famílias, tais como menores taxas de juros e possibilidade de financiamento a 100% do valor da habitação, a IFH já assinou protocolos com as principais instituições financeiras. Até o presente momento já foram assinados protocolos com a CECV, BCA, Novo Banco e BAI;

• Ao ser passado a declaração às famílias das Classes B e C, é-lhes dado um prazo de um mês para reportarem à IFH a sua situação de financiamento junto aos Bancos. Caso não conseguirem financiamento nesse prazo, é escolhido um outro agregado da lista de suplentes, voltando o agregado anterior para o CUBHIS (Cadastro Único dos Beneficiários de Habitação de Interesse Social). Esta medida vem trazer justiça ao processo, na medida em que os suplentes também foram seleccionados na mesma altura e não podem ficar a espera indefinidamente que o seleccionado efectivo resolva ou consiga o financiamento. Por essa razão dá-se oportunidade também as famílias seleccionadas como suplentes;

• O limite da taxa de esforço é fixado por cada instituição financeira de acordo com as condições do mercado, das regras comerciais de cada banco e ainda das características do beneficiário. Tratando-se de um negócio entre as partes, Banco e Cliente, a IFH não interfere diretamente. Temos constatado que muitas famílias já possuem créditos anteriores ou são avalistas de outros créditos, o que lhes dificulta o acesso ao crédito e diminui a sua capacidade de pagamento.

Pelo exposto não corresponde à verdade que a IFH tenha convidado ao beneficiário a sua desistência da compra da casa e que tenha fixado para essas classes, B e C, o valor máximo da prestação mensal nos 30% do rendimento do agregado. As taxas de esforço são fixadas pelos Bancos consoante a sua política de crédito.

 

  1. Carlos Silva - Ralão

    Ou seja, caro Sr. ou Dr. (como gostam de ser chamados) IFH que escreveu esta nota, no final a essência do projeto perde-se, beneficiando mais uma vez as instituições que mais deploram as pessoas num país, OS BANCOS, esses mesmos BANCOS que são responsáveis pelas diversas crises que acontecem pelo mundo, enriquecendo um pequeno grupo com a conivência destas políticas, já que se formos ver os acionistas destes mesmo bancos, grande parte, pertencem aos partidos políticos.

  2. Marcelo

    Para dizer que foi a IFH que aconselhou os selecionados das classes B no intuito de não serem substituidos, para enviarem uma carta dizendo que aguardavam a revisão das mesmas taxas e, isso ocorreu em meados de Abril, mais precisamente a 17-04-2014, pelo motivo do prazo de 30 dias em fazer as respectivas demarches junto dos Bancos…
    Posto isto, quer dizer que essas pessoas que entregaram as ditas cartas, estavam e estão ainda interessados mas, porque a carta de substituição?

  3. Marcelo

    Menores taxas de juros…porque não dizem a verdade? porque não dizem que são os
    Bancos a ditarem esses juros? Sim, casa a 100% do valor da habitação mas, quem recebe esses 100%, é a IFH pq o selecionado numa taxa de esforço de 30 anos, irá pagar
    3 vezes mais o valor desse “espaço” ou seja, 9.360.000.00…um agregado k ultrapassa o rendimento de 40.000.00, já não ta incluido nas classe A e, como é k consegue comprar as de classe B, com rendimento de 55.000.00 e, despesas totais de 52.000.00?

  4. ah caboverdiano

    inicialmente não se acreditavam que haveria casa para os de baixa renda: “só pode ser bluff, como é possível uma empregada domestica ter casa condigna. agora é o governo deve dar casa e com todo o conforto a que pode pagar. brincadera

  5. Jose Tavares

    Concordo contigo Ralao. Porque nao estabeleceram rendas para todas as classes, de acordo com o vencimento de cada um?

  6. Silvério Marques

    Todos os cabo verdianos têm de saber que foram os bancos portugueses que concederam empréstimo a Cabo Verde para a construção de ” casa para todos “. O empréstimo tem de ser pago. Neste momento o Governo Português paga os juros, mas daqui a uns anos será o Governo de Cabo Verde a pagar. Com dinheiro da venda das casas ? O dinheiro não irá chegar para o pagamento e seremos nós os contribuintes, isto é, todos os cabo verdianos que irão pagar COM O AUMENTO DOS IMPOSTOS. ESTE É O NOSSO FUTURO. QUEM

  7. Lino Pinto Monteiro

    Um comunicado dificil de compreender.

  8. Sibili

    RESUMINDO, TUDO TRETAS E PROPAGANDAS. Á PROPAGANDO NO FOLHETO PUBLICITÁRIO DE CASA PARA TODOS DEIXA PERCEBER ALGO MUITO BENÉFICO E INCENTIVADOR PARA POTENCIAIS CANDIDATOS. EXPLIQUEM-ME, QUAIS SÃO E ONDE ESTÃO OS INCENTIVOS ANUNCIADOS? PELA EXPLICAÇÃO, O ÚNICO INCENTIVO ESTÁ NO PREÇO MUIIIIIIIIIITO ABAIXADO DO MERCADO. QUE MERCADO? CABOVERDEANO É QUE NÃO. NEM O PREÇO, NEM A QUALIDADE. EU ATÉ TINHA PENSADO EM SE INSCREVER MAS NESTAS CONDIÇÕES NÃO.OBRIGADO!!!

  9. FMLC

    Nhoz ta conche Bagda, nhoz acredita na propaganda comunista e vota paicv, agora cabali pena tchora sobre leite derramado dja nu flaba nhoz ma JMN eh um lucifer.

  10. ZAAC

    oh IFH!! porque nao disseram desde o inicio que os bancos seriam envolvidos nessa historia?? teria poupado o meu tempo de ir la inscrever…e o que pretendiam com esse processo de seleçao? passar a ideia que o selecionado è quem sairia a ganhar? Vejamos; sou de classe B, tenho pagar 25.000.00 durante 40 anos ou seja, nao posso ter filhos e vou morrer endividado dentro de 1 T2 que nem espaço na sala tem pra colocar 1 sofa.. e isso se sobrar algum dinheiro para o comprar!! mais respeito por favor.

  11. Andrea Fortes

    Gostaria de perguntar ao IFH se os “inquilinos”da classe A bem assim como os donos das moradias da classe B e C sao obrigados a pagarem uma cota de condomínio para cobrir as despesas de conservação e manutenção dessas habitações.
    E se na verdade houver o sistema de condomínio quais sao as consequencias se os moradores ou donos nao cumprirem tal obrigação.
    Tambem gostaria de saber se os “inquilinos” da classe A depois de algum tempo passarão a ser donos das habitações e em caso negativo quem é ou passa a ser o dono das mesmas.

  12. Andrea Fortes

    [Ou seja, caro Sr. ou Dr. (Como gostam de ser chamados) IFH. Que escreveu esta nota] (Extraído do comentario do senhor Carlos Silva – Ralao)
    Prezado senhor Carlos Silva – Ralao, faltou apenas senhor Engenheiro.
    Começo por dizer que vivo num país europeu desenvolvido onde nao existe este eterno complexo de doutores (doutores de mula russa) e engenheiros que nem a capacidade dum mecânico da antiga oficina do Cunco têm. Capacidades e competências sao contadas nos dedos e sao na maior parte das vezes pessoas humildes e com um comportamento e uma atitude normal e aversas a essa diarreia de títulos que em grande parte sao simplesmente falsos.
    Herdamos de Portugal país medíocre e tambem com uma mentalidade medíocre e tacanha essa
    mentalidade de ser tratado por senhor doutor ou senhor engenheiro. É por isso que Portugal foi para a falência e tambem é por isso, e nao só, que tambem Cabo Verde irá para a falência pois vivemos num mundo virtual e de “basofarias”.
    Coitado dum povo e dum País em que tal mentalidade está vinculada na sua cultura e que tais doutores e engenheiros teve e tem.
    Doutores da mula russa é o que muitos são.

  13. ao amigo kula

    quando se diz que o projecto nada tem de social, tenta comprar um t2 (em vez do t3 proposto no projecto) dizia tenta comprar um t2 por 10.000 contos para veres a diferença: para começar o próprio banco vai te dizer que não tens taxa de esforço. resumindo informa-te primeiro, antes de concluir se o projecto tem ou não o componente social.

  14. Sandra Évora

    Pois é, o governo quer nos extorquir de todas as formas. Vejam nesse preciso momento que não há o dito “condições favoráveis” nesse momento para crédito habitação. Porque para quem apresenta algumas condições para fazer empréstimo que vá diretamente aos Bancos sem nenhuma IFH como intermediário. Assim contrai o empréstimo a medida das suas possibilidades e um projeto a seu gosto. Analisem as desvantagens de viver num condomínio.

  15. Carlos Silva - Ralao

    Pois e’ Jose Tavares, ate agora nao tenho visto essencia nenhuma de Casa Para Todos. Queremos pagar sim, mas um valor justo, pelo menos juros bem mais baixos entre 2 a 5%. Os salarios ja sao baixos, o pais e’ pobre, nao ha producao de riqueza devido as limitacoes do mercado e ainda colocam as pessoas entre a espada e a parede de irmos aos bancos! No final sao eles que ficam cada vez mais poderosos e nos refens deles, nao podendo pagar, nos tomam a casa e ainda nao devolvem os valores ja pagos.

  16. Carlos Silva - Ralao

    Sou publicamente contra a politica dos bancos do enrequecimento facil e ilegal, mas infelizmente continuo dependente deles porque o meu salario nao me permite adquirir as coisas com facilidade, e proprio sistema facilita essas mesmas politicas depredatorias dos bancos, e depois nunca foi o meu objetivo em me introduzir em negocios obscuros para aumentar a minha qualidade de vida.

  17. Francisco Silva

    GOVERNO DE CORRUPTOS: PORTUGUÊS E CABO-VERDIANO!!!! CASA PARA TODOS MAIS NÃO ´´E DO QUE UM GOLPE ENTRE ESSAS GOVERNOS E OS BANCOS!! É TIRAR DOS POBRES PARA DAR AOS RICOS! CASAS SEM CONDIÇÕES DE ADAPTAÇÃO AO CLIMA DOS PAÍS, SÃO PEQUENOS, QUENTES, MAL ILUMINADOS!!! VERGONHA DE GOVERNO!!!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.