Retidos na Libéria: Tripulantes do navio Nossa Senhora da Graça há 18 meses sem salário

16/04/2014 00:06 - Modificado em 15/04/2014 23:31
| Comentários fechados em Retidos na Libéria: Tripulantes do navio Nossa Senhora da Graça há 18 meses sem salário

navio mar1Os tripulantes do navio Nossa Senhora da Graça disseram ao NN que estão no porto de Monróvia, Libéria, a “viverem no limiar da sobrevivência”. E pior: devido ao surto de Ébola, temem pela própria vida.

 

De acordo com as declarações de Alexis Herrera Cortes, Primeiro-oficial de Máquinas, estão há mais de um ano sem energia eléctrica no barco e sem receberem os salários. “A equipa com mais tempo a bordo está há 24 meses e a com menos tempo está há 15 meses”. Para Herrera, a proprietária do navio está a “violar todas as convenções internacionais dos marítimos e as cláusulas do contrato de trabalho”.

Para os tripulantes, as condições de vida que já eram péssimas, pioraram com o surto de Ébola na África Ocidental e com o aumento dos casos na Libéria. Mas temem outros perigos para a própria saúde tendo em conta que afirmam que a alimentação é deficiente: a comida é confeccionada a carvão, não há variedade e não comem nem fruta, nem vegetais. E dizem que “a média de dinheiro disponibilizado internacionalmente para a alimentação dos marítimos é de 5,50 dólares e no Nossa Senhora da Graça têm apenas 2,18 dólares/dia.

Adianta que nem sequer têm dinheiro para pagar o hospital em caso de algum acidente a bordo. Na sua mensagem, Herrera afirma que “a dona do navio diz à tripulação que vai resolver o problema, visto que o Governo de Cabo Verde lhe deve dinheiro. Mas esta conversa já dura há cinco meses e até agora nada”.

 

A armadora do Nossa Senhora da Graça contactada pelo NN nega todas as denúncias dos tripulantes e afirma que “os salários têm sido pagos e que não corresponde à verdade a descrição feita ao NN sobre as condições em que os tripulantes vivem no navio. Tanto é que três dos tripulantes são seus filhos”.

 

A Capitania dos Portos de Barlavento onde o navio está matriculado, não tem conhecimento de nenhuma denúncia por aparte dos tripulantes do Nossa Senhora da Graça. Mas este online sabe que a bordo do navio estão seis cubanos, quatro cabo-verdianos, dos quais três são parentes da armadora, três da Guine Conakry, um da Serra Leoa e um do Gana, que até agora se têm limitado “a esperar” para que a situação seja resolvida.

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.