Iª Região Militar: “Nada fazia prever que o recruta iria suicidar-se”

10/04/2014 07:51 - Modificado em 10/04/2014 07:51

O Comando da Iª Região Militar na ilha de São Vicente, lamenta o caso do recruta Adriano Fortes, de 19 anos, que se suicidou ao saltar de uma rocha com cerca de 80 metros, no Centro de Instrução Militar Zeca Santos, no Morro Branco. O Major Amílcar Pires, comandante da Iª Região Militar explica que havia algumas companhias militares a fazerem a limpeza nessa área e que, o jovem encontrando-se no local, surpreendeu com o seu acto os restantes elementos quando saltou do precipício para pôr termo à sua vida.

 

O comandante Amílcar Pires assegura que o caso ocorreu no período que antecede o banho, por volta das 17 horas na zona de “Canhão”. E que ao saltar de uma rocha com 80 metros, o jovem sofreu vários traumatismos no corpo, inclusive a ruptura da coluna vertebral.

 

O Major Amílcar Pires esclarece que quando chegaram ao local onde o recruta caiu, este ainda se encontrava com vida. Mas a vítima não resistiu aos ferimentos e acabou por falecer minutos depois da ocorrência. O entrevistado assegura que “o caso sucedeu numa zona onde decorriam sessões de limpeza, inclusive, estavam presentes algumas centenas de recrutas que participavam nessa actividade. A movimentação de recrutas no local é normal, uma vez que há também depósitos nessa área para colocarem o lixo”.

 

Nessas circunstâncias, o comandante da Iª Região Militar sublinha que não se podia prever que algum recruta tivesse a intenção de cometer suicídio. Mas, Adriano Fortes, natural de Garça de Cima, Município da Ribeira Grande, Santo Antão, que estava há cerca de duas semanas no Centro de Instrução Militar, decidiu dar um salto para a morte, sem que os militares presentes pudessem impedir esse acto.

 

Diligências

 

O Major Amílcar Pires explica que apesar do jovem ter feito de forma tardia o pedido de dispensa, o processo estava a ser analisado com atenção para ser dado um despacho. E, que no dia da ocorrência, um tio da vítima foi entregar um documento às Forças Armadas e que se estava a aguardar que a família entregasse um comprovativo para se tomar uma decisão.

 

O Comando da Iª Região Militar sublinha que as Forças Armadas estão de luto com a morte do recruta Adriano Fortes que fazia parte do recrutamento da Iª Incorporação Militar de 2014. “À família do recruta transmitimos as sentidas condolências e dizemos que tudo faremos para que o jovem tenha uma cerimónia fúnebre com dignidade”. O funeral acontece esta quinta-feira na sua terra natal, ilha de Santo Antão.

 

 

  1. Lamento e muito o sucedido, resta-me apenas a apresentar as as Forças Armadas de Cabo Verde e principalmente a família do falecido as minhas sentidas condolências, que a terra seja leve ao corpo de Adriano Fortes(…)
    DESCANSA EM PAZ !!!!

  2. ate um comandante t fala mintira, femilia devia investiga profundo ess caso. no sabe ma morre bronk e um centro de tortura pa jovens.

  3. tango

    o land deixa de ignorancia bu ca sabe o que realmenti aconteci co quell individuo.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.