Primeira reunião entre Rússia, EUA, Ucrânia e UE anunciada para a próxima semana

9/04/2014 10:07 - Modificado em 9/04/2014 10:07
| Comentários fechados em Primeira reunião entre Rússia, EUA, Ucrânia e UE anunciada para a próxima semana

russiaAs trocas de palavras continuam inflamadas e nas cidades ucranianas do Leste não está a afastada a hipótese de novos confrontos, mas no horizonte surgiu uma hipótese de desanuviamento com o anúncio de que os chefes da diplomacia da Rússia, Estados Unidos, Ucrânia e União Europeia se vão reunir na próxima semana para discutir aquela que se transformou na crise mais grave na Europa desde o fim da Guerra Fria.

 

A ideia do encontro foi lançada pelo secretário de Estado norte-americano, John Kerry, num telefonema, segunda-feira, com o homólogo russo, adianta a Reuters. Sergei Lavrov terá aceitado a sugestão, apesar de insistir que o convite fosse alargado a representantes das regiões russófonas, onde cresce o descontentamento com o governo interino da Ucrânia, dominado pelos partidos pró-europeus.

 

Mas a exigência russa não foi mencionada pelo gabinete de Catherine Ashton, representante para a política externa da UE, quando terça-feira à noite confirmou que a reunião a quatro se realizará na próxima semana, ainda sem data certa nem local marcado. Será o primeiro encontro a este nível desde que, em Fevereiro, o ex-Presidente ucraniano Viktor Ianukovich fugiu de Kiev, deixando caminho livre à oposição que durante meses contestou nas ruas a sua decisão de não assinar um acordo de associação com a União Europeia (UE), e desde que a região autónoma da Crimeia foi anexada pela Rússia.

 

Já depois deste anúncio, a chanceler alemã acusou a Rússia de “lamentavelmente não estar, em muitas áreas, a contribuir para o desanuviamento da tensão”. Angela Merkel tem sido desde o início da crise a interlocutora do Presidente russo, Vladimir Putin, mas também uma das dirigentes europeias mais críticas da actuação de Moscovo.

 

Num discurso ao Parlamento, nesta quarta-feira, a chanceler garantiu que a UE “vai continuar a fazer o que tem feito”. “Por um lado vamos manter o diálogo, mas ao mesmo tempo vamos deixar claro de que, no nosso ponto de vista, a Ucrânia tem direito a decidir o caminho do seu desenvolvimento. É esta a nossa exigência.”

 

Em Washington, numa comissão do Senado, Kerry acusou também Moscovo de ter enviado “agentes e provocadores” para as três cidades do Leste onde, na véspera, manifestantes pró-russos tomaram edifícios públicos

 

A todas as acusações a Rússia responde que não tem planos para invadir a Ucrânia, mas insiste que o governo interino ucraniano não está a responder às preocupações das populações do Leste, onde a maioria fala russo e a economia está dependente do país vizinho. Por isso, Moscovo assegura a sua determinação em defender as populações de origem russa na região, o que deixa em aberto a possibilidade de intervenção num caso de incidentes na Ucrânia.

 

Um cenário que não está neste momento descartado, tanto mais que Kiev tem vindo a endurecer o tom em relação aos manifestantes que ocupam edifícios da administração nas cidades Donetsk e Lugansk. Depois de na véspera os ter apelidado de “criminosos e terroristas”, o ministro do Interior, Arsen Avakov, afirmou nesta quarta-feira que a situação nas duas cidades será resolvida nas próximas “48 horas”. “Há duas opções – negociações ou a força. Aos que querem diálogo, propomos negociações e uma solução política. Para a minoria que quer guerra, a resposta das autoridades ucranianas será dura”, avisou.

 

 

 

publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.