Ucrânia acusa Rússia de ter em marcha plano para desmembrar o país

7/04/2014 09:19 - Modificado em 7/04/2014 09:19
| Comentários fechados em Ucrânia acusa Rússia de ter em marcha plano para desmembrar o país

ucraniaA tensão está de novo a níveis máximos na Ucrânia. Horas depois de manifestantes pró-russos terem tomado edifícios em três cidades do Leste do país, o primeiro-ministro, Arseni Iatseniuk, acusou Moscovo de ter em marcha “um plano para desmembrar a Ucrânia”.

 

A situação é confusa na manhã desta segunda-feira, com informações de que o grupo que, domingo à noite, invadiu o quartel dos Serviços de Segurança ucranianos na cidade de Luhansk se apoderou de armas e munições existentes no local. A polícia local diz não saber quem são os atacantes, que continuam no edifício, mas por medida de precaução anunciou que foram cortadas todas as estradas que conduzem à cidade, no extremo leste do país.

 

Pouco antes, o ministro do Interior do Governo interino ucraniano, anunciou a desocupação da sede da administração regional da cidade de Kharkov, invadida ao início da noite de ontem por um grupo pró-russo, depois de confrontos com manifestantes nacionalistas e a polícia. O edifício “foi totalmente libertado de separatistas”, garantiu Arsen Avakov, que viajou de urgência para a cidade.

 

Um episódio semelhante ao registado em Donetsk, a cidade mais importante da região mineira de Donbass, onde 150 manifestantes conseguiram furar a barreira policial e invadir o edifício do governador. Empunhando bandeiras russas, exigiam um referendo à independência da região, semelhante ao que organizado pelas autoridades separatistas da Crimeia e que abriu caminho à anexação da península pela Rússia.

 

Reagindo a estes incidentes – numa altura em que havia sinais de desanuviamento –, Iatseniuk não teve dúvidas em apontar culpas. “Há um plano para desestabilizar e criar uma situação em que tropas estrangeiras atravessem a fronteira e invadam o território ucraniano. Não vamos permitir isso”, afirmou o primeiro-ministro interino num discurso ao seu partido, transmitido pela televisão.

 

“Este cenário foi escrito pela Federação da Rússia e o seu único objectivo é desmembrar a Ucrânia, acusou Iatseniuk, acrescentando que há tropas russas a apenas 30 quilómetros da fronteira leste da Ucrânia e que, ao contrário do que afirma Moscovo, não há indicações de que tenham recuado.

 

Oficial morto na Crimeia

 

Num incidente sem aparente ligação, um oficial da Marinha ucraniana foi morto domingo à noite na Crimeia por um marinheiro russo, anunciou o ministro da Defesa.

 

Segundo Kiev, o oficial, de 33 anos, estava na localidade de Novofedorovka e preparava-se para deixar a península, agora sob controlo russo, quando foi baleado duas vezes. Não foram reveladas as causas do incidente, que acontece semanas depois de o Governo de Kiev ter dado ordens aos seus militares para abandonarem a Crimeia, alegando razões de segurança.

 

 

 

publico.pt

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.