Arguido esperou oito anos para conhecer a sua sentença e ficou isento da pena

26/03/2014 07:08 - Modificado em 26/03/2014 07:08

cadeia-2-Depois de esperar oito anos para ser julgado com a acusação da prática dos crimes de roubo, burla e falsificação de documentos, um cidadão de 36 anos foi absolvido pelo Juízo Crime. O juiz levou em conta o ano em que ocorreram os factos, 2006. E, apesar do arguido estar preso noutro processo, os registos da cadeia sublinham ser um recluso com bom comportamento e que está a cumprir um processo de reintegração social. O homem tem saído da prisão sob licença precária para trabalhar com agências de turismo na condução dos turistas pela ilha de São Vicente.

 

Segundo o juiz que conduziu o processo, o indivíduo colaborou com a Justiça ao confessar que assaltou uma mulher na Av. 12 de Setembro, roubando uma bolsa que continha objectos pessoais e uma carteira com cheques. O magistrado repreendeu o arguido pela sua conduta, pois com o assalto, apropriou-se de alguns cheques que estavam no interior da bolsa, preencheu-os e fez algumas compras, cujo valor rondava os 10 mil escudos, quando foi detido pelas autoridades criminais.

 

O cidadão sublinhou ter-se arrependido por ter cometido os crimes e que hoje procura estar integrado na sociedade. Por sua vez, o Tribunal entendeu que volvidos oito anos sobre os factos, caso houvesse uma condenação, a pena teria de ser atenuada. Mas o juiz sublinhou que “não há registos de envolvimento em crimes dessa natureza e, neste momento, aplicar-lhe uma condenação não seria a melhor escolha. Pois, assim estaríamos a prejudicar o processo de reintegração social do cidadão que hoje procura uma nova vida”.

 

O magistrado isentou o homem de uma pena condenatória com base no artigo 85º do Código Penal e acrescentou que “independentemente do crime cometido, não há registos de queixas deste recluso. Ele tem um comportamento excelente para com a direcção, os agentes prisionais, o pessoal auxiliar e ainda para com os colegas. Sempre cumpriu as normas da prisão pelo que não há registos de punição disciplinar. Por isso, merece uma oportunidade para procurar o caminho da legalidade”.

  1. Martinho

    A sentença deste Juiz é de aplaudir. Que sirva de exemplo !.

  2. Manuel Alegre

    Mais uma boa noticia para ser acrescentada na lista do australianoTony Park e no que respeita à qualidade e nivel do turismo na Ilha de Monte Cara. Guia turístico acabado de sair da prisao, com uma larga experiência espera-lhe nesta Cidade.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.