Juiz coloca na cadeia homem que bateu na mulher por ser “um caso preocupante para a sociedade”

25/03/2014 07:34 - Modificado em 25/03/2014 07:34

vgbO Tribunal da Comarca de São Vicente prossegue com o julgamento dos casos de Violência Baseada no Género. Desta vez, um homem de 35 anos que batia na mulher foi condenado a uma pena de dois anos e oito meses. O homem é reincidente na prática do crime de VBG e, de acordo com o juiz, “o arguido mantinha uma prática reiterada de violência contra a sua companheira. Da sua parte houve vários actos de abuso de poder físico, por isso, a prisão efectiva surge como uma solução”.

 

Domingos, de 35 anos, conhecido por “Sister” que aguardava em prisão preventiva o desfecho de um caso de agressão contra a companheira, vai permanecer na Cadeia de São Vicente. O cidadão foi enviado para a prisão por reincidência da prática do crime de Violência Baseada no Género porque, segundo o juiz, “o arguido não podia continuar em liberdade, pois há anos que colocava em perigo a integridade física da companheira, ao ponto de lhe provocar problemas do foro psicológico com as constantes agressões”.

 

O Juízo Crime assegurou que o cidadão “obrigou o Tribunal a tomar uma decisão radical”, é que o indivíduo já cumpriu pena nessa matéria e ainda tem vários processos-crime em fase de instrução na Procuradoria de São Vicente, por prática do crime de VBG.

 

Desta feita, o arguido respondeu à acusação onde, segundo os factos provados em Tribunal, “maltratava a vítima de forma sistemática, sendo que em Outubro de 2013, chegou em casa e, abusando do poder físico e psicológico e com ameaças, obrigou a companheira a fazer-lhe um churrasco. Uma vez que a companheira não aceitou tal exigência, o arguido pegou-lhe pelos cabelos, atirou-a contra uma parede e depois pontapeou-a. A vítima fugiu para a residência de um vizinho, mas ainda voltou a ser agredida”.

 

O magistrado que conduziu o processo sublinhou que o indivíduo é “um caso preocupante para a sociedade”, uma vez que continua a insistir na violência contra a mulher. Para o Juízo Crime, a solução para esta situação e com base numa medida de prevenção geral passa por deixar o homem na cadeia, de modo a dar uma vida mais tranquila à vítima.

  1. Maria Fortes

    O problema é uma mentalidade nociva do homem caboverdiano. Ele deseja todas as mulheres deste Mundo e uma vez em posse de uma mulher esta passa a ser mais uma das suas propriedades privadas.

    Ele sempre pensa que uma mulher nunca pode dar por terminada uma relação pois ele sente-se tocado no seu ego e usando todos os meios impede a mulher de continuar a sua vida. O pior ainda é que um grande número desses homens perdeu a sua dignidade e andam a “chular” as mulheres sem o minimo de vergonha. Alias e nestes casos a culpa é das mulheres que deixam ser exploradas. E o pior ainda que tudo isso acontece nao só no seio das camadas populares mas tambem no seio das chamadas pessoas de sociedade.

    E para confirmar este minha opinião é uma vergonha ver tantos jovens, fortes, saudáveis e valentes, estendendo a mão “dá-me dez escudos, pagá-me um grogue” enquanto as mulheres labutam dia e noite para o seu sustento e dos filhos que na maioria é abandonada pelos “pseudo-pais”

    O homem caboverdiano, (aqueles que sao) já perdeu todo o seu respeito próprio e dignidade.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.