Juiz manda “maior receptador” de São Vicente para a cadeia

18/03/2014 07:55 - Modificado em 18/03/2014 07:55

prisaoOs receptadores de objectos roubados na ilha de São Vicente começaram a entender que o Tribunal ficou com a mão pesada quando se trata de aplicar penas de prisão aos cidadãos que cometem crimes de receptação. E desta feita, um indivíduo tido pelas autoridades criminais como “o maior receptador” em São Vicente regressa à prisão, agora para cumprir uma pena de dois anos e oito meses.

 

O juiz assegurou que o Tribunal não poderia manter o arguido em liberdade, uma vez que, para além de ser reincidente, “a sua conduta ultrapassa os limites da reincidência nessa matéria”.

O Tribunal da Comarca de São Vicente considerou que há provas que o indivíduo de 29 anos, residente na zona da Ilha da Madeira tem “fortes ligações com o crime de receptação”. Por isso, é preciso tolerância zero para com as pessoas que cometem esse tipo de crime que “fortalece o vício dos indivíduos que roubam pessoas e propriedades, sabendo que têm cidadãos interessados em comprar-lhes os objectos”.

O Juízo Crime sublinhou que a exigência de prevenção geral determina que os infractores, em situação de reincidência, sejam colocados na prisão. A condução do homem para a Cadeia de São Vicente surgiu no âmbito de um processo-crime que acusava uma mulher da prática de mais de 15 crimes de furto.

 

Registo Criminal

As provas recolhidas em Tribunal revelaram que o arguido praticou três crimes de receptação. E que dado o seu registo criminal, uma pena de prisão efectiva seria a solução adequada perante os indícios de haver a continuidade de prática criminal ilícita.

 

O magistrado concluiu a sentença dizendo que “o arguido enveredou pelo caminho da criminalidade, sustentando o próprio vício de receptar produtos roubados e posterior venda, mas agora, vai a tempo de mudar o próprio comportamento e evitar a prática de acções ilícitas”.

 

De acordo com informações colhidas pelo NN, o jovem está referenciado junto das autoridades policiais e na PJ como “receptador” e tem vários processos em fase de instrução na Procuradoria de São Vicente por prática do crime de receptação.

 

  1. Andrea Fortes

    Receptação é a coisa mais do que normal nestas Ilhas. Inclusive autoridades fazem uso dos bons serviços destes receptadores.
    Mas nao só os receptadores cometem um crime. As pessoas que tambem compram as suas mercadorias tambem sao puníveis pela lei.
    Principalmente nas fraldas toda a gente sabe onde pode “encomendar” por um preço módico uma maquina fotografia Cânon, um vídeo, um plasma, etc,etc,.
    E a concorrência é enorme e em tempos de crise normas e valores e desaparecem.

  2. Atnalit

    Sociedade hipócrita!! Nôs tude te afirma ser contra caçubodi, má dpox nôx mesmo te “sustenta” esse atividade konde nô te compra kix artigue mute + barote ne mon de kix caçubodista!
    Ote koza: NN divia fka te publiká nome de kix alegade criminose pk se ñ noticia txeu vague!

  3. Mindelense

    É impressionante de como não se coloca o nome da banditagem nos jornais online, isso só reforçará para ficarmos sem saber quem é quem e a mercê desses mesmos bandidos, podendo numa outra oportunidade nos assaltar, burlar, roubar, furtar, violar, etc… Já é hora de colocarmos o nome desses bandidos como forma de nos prevenirmos quando somos confrotados com eles na rua ou nas imediações das nossas áreas de residência.

  4. BBH

    la ke bo lugar uvi belassca!!agoh ba rala mas 1s one d cadeia la ke pe bo pode sintil na pel!!

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.