Delegação do Ministério da Educação do Paul esclarece

18/03/2014 07:28 - Modificado em 18/03/2014 07:28

direito_de_respostaNo uso do direito de resposta às denúncias do Jovem Jailson Fortes, publicado neste jornal online, na edição de 14 de Março, sob o título “jovem denúncia casos de amiguismo e partidarismo na escola secundaria do Paul”, vem a Delegação do Ministério da Educação e Desporto do Paul esclarecer o seguinte.

 

O que aconteceu foi um acto normal de gestão, na perspectiva de rentabilizar os recursos disponíveis. A escola conta com duas turmas com opção de Introdução ao direito com uma carga horária de3 tempos semanais cada, perfazendo um total de 6 tempos semanais, logo não se justifica a contratação de um professor para trabalhar 6 horas por semana, daí termos recorrido à um professor que está no sistema há mais de 15 anos, já habilitado com um curso de administração cujo currículo contem as cadeiras de direito e estando em funções na coordenação pedagógica do Ensino Básico pode libertar 6 horas semanais para fazer as aulas, sem qualquer encargo adicional para o Ministério e nem qualquer vantagem remuneratória para o referido professor. Foi indicado este professor porque ele é que reunia simultaneamente os requisitos exigidos e disponibilidade de tempo, nada que se configura com amiguismo ou partidarismo como se pretende fazer crer.

Não se pode comparar a situação desse professor com a de um jovem recém-formado em filosofia, que pretende leccionar direito. Importa dizer que o recrutamento de professores é feito mediante concurso público e o referido jovem participou, no quadro da sua área de formação que não é a de direito, tendo ficado na posição 144. Seguindo a ordem classificativa e as necessidades do MED, apenas 14 dos concorrentes foram recrutados.

Nessas circunstâncias, como o jovem deixou entender, na sua entrevista na rádio que estaria disponível para esclarecimentos, foi procurado pelo Delegado do MED que o convidou para um encontro na Delegação do MED, a fim de se fazer os esclarecimentos que se impunham. Ele respondeu que não seria possível porque tinha viagem marcada para o dia seguinte, e que ia para os jornais e para a televisão. Todavia, como ele foi repetindo as suas acusações, tentou-se esclarecer alguns aspectos, deixando claro que ele pode e deve reivindicar o que entende ser seus direitos da forma como bem entender, mas que isso não lhe dá o direito de fazer acusações gratuitas às pessoas e instituições, sob pena de ser responsabilizado. A conversa decorreu num ambiente normal, estando o delegado sentado no banco de condutor de um carro e ele fora do carro, do lado contrário ao do condutor, pelo que, não se entende a denúncia de o ” ter ameaçado várias vezes com o dedo na cara”.

Se o jovem entende que o facto de ter passado pela escola, num regime de voluntariado, a seu pedido, por um período de cerca de dois meses, lhe dá o direito a reintegração, ele que faça accionar os mecanismos legais para fazer valer os seus direitos.

  1. Jailson Fortes

    MUITO BEM SENHOR DELEGADO, GOSTEI E MUITO(…)
    MAS O SENHOR ESQUECEU QUE HAVIA MAIS PESSOAS ALI E QUE ESTÁ PRESTE A CONFIRMAR AS SUAS AMEAÇAS E PODES CRER; EU QUERIA REUNIR-VOS MAS VOCÊS NEGARAM E PODEMOS VER AS FUNÇÕES DO PROFESSOR DE DIREITO QUE É CLARO E EVIDENTE(…) O VOSSO COMPORTAMENTO É INADMISSÍVEL E NÃO VOU CALAR.
    AGORA EU JÁ NÃO TENHO PRESTIGIO POR SER LICENCIADO EM FILOSOFIA, MAS QUANDO VOCÊS ESTAVAM COM CORDA AO PESCOÇO A DIRECTORA CONVIDOU-ME PARA IR A SALA DE AULA TENDO EM CONTA QUE EU ERA VOLUNTÁRIO NA BIBLIOTECA E FOI NA PRESENÇA DO SENHOR BIBLIOTECÁRIO E DE DOIS FUNCIONÁRIOS DESSA ESCOLA E DEPOIS A DIRECTORA DEU ESTA DISCIPLINA AO VOSSO AMIGO E NEM SEQUER TEVE A CORAGEM DE AVISAR-ME(…)

    QUANTO AS AMEAÇAS, ELAS FORAM FEITAS NO DIA 25 DE FEVEREIRO DE 2014 EM PASSOS DE VICENTE NA MINHA ZONA E FOI O SENHOR QUE CHAMOU-ME NA MINHA CASA POR VOLTA DAS 7:30 DA NOITE , AMEAÇASTE-ME SIM SENHOR E EU TE PERGUNTEI LOGO DE IMEDIATO O PORQUE DAS AMEAÇAS(…)
    NÃO FUI TER CONVOSCO NA DELEGAÇÃO, PORQUE EU JÁ ESTAVA PREPARADO PARA VIAJAR NO DIA SEGUINTE (26 DE FEVEREIRO)
    TENHO PROVA DESTE FACTO (…) E ACREDITO NA JUSTIÇA CABOVERDIANA!

  2. Andrea Fortes

    Tinha lido neste journal online a queixa desse jovem “filosofo” e achei bastante estranho que sem nenhuma experiência no ramo de ensino ele queria lecionar direito uma matéria totalmente estranha à filosofia.
    Tudo isto é o resultado da massificacao do ensino e o baixo nível dos formantes e muito em especial daqueles que saem dessas “pseudo universidades”.
    Creio que este jovem “filosofo” precisa de acompanhamento psicológico afim de convence-lo a aceitar as suas limitações e aceitar as consequências de ter escolhido um curso cujo único futuro, principalmente em Cabo Verde onde todos sao filósofos, políticos e poetas, o desemprego.
    Infelizmente a culpa nao é totalmente dele. Ele tambem tem a sua cota de responsabilidade. Mas o que ele pode ainda fazer é apresentar no Tribunal uma queixa de burla contra a “universidade” que lhe passou um canudo ou melhor dizendo uma “calaca”
    Doutro lado ao ler o comentario inserido neste jornal online por este jovem e vendo a falta de nivel do mesmo, um aluno da quarta classe no meu tempo , anos de cinquenta, faria coisa melhor, fiquei pensando: “infeliz e desditados os alunos que porventura tiverem tais professores e frequentarem tais universidades”!
    P.S. Gostaria de saber qual a universidade que de (formou)este jovem.

  3. Felisberto

    que e pena, o que a andera esta a sentir ê dor de cotovelos e enveja, porque voçes que foram professores de idade antiga e obscura que educava as crianças como se fossem escravos a chicotes pensam que sabiam tudo,e agora vê um ex aluno ou aluna saindo duma Universidade fica com uma alegria falsa. Agora eu posso perguntar a Sra, Qual ê a tua habilitaçâo literaria, sera que havia esta expressâo no seu teu? Havia seleçâo de professores para o ensino? ou era convidados para ensinar

  4. Felisberto

    que e pena, o que a andrea esta a sentir ê dor de cotovelos e enveja, porque voçes que foram professores de idade antiga e obscura que educava as crianças como se fossem escravos a chicotes pensavam que sabiam tudo,e agora vê um ex aluno ou aluna saindo duma Universidade fica com uma alegria falsa. Agora eu posso perguntar a Sra, Qual ê a tua habilitaçâo literaria, sera que havia esta expressâo no seu teu? Havia seleçâo de professores para o ensino? ou era convidados para ensinar

  5. LSousa

    Que pena…!!! Como é que esse Jovem queria leccionar esta disciplina, se nem o Português consegue escrever como deve ser???
    Tenha calma rapaz o teu dia ade-chegar. Ganha mais experiências e não se precipite logo no inicio da carreira porque senão as portas fecharão …..

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.