Santa Cruz – SanAntone – SanJon – San Pedre: Na Tempe de Colá SanJon

23/06/2012 02:31 - Modificado em 23/06/2012 02:31

Tude one nês quadra de festa de mês de Junhe, moda custume e tradiçon de terra ta mandá, pove dês dôs Ilha irmã, SanAnton ma Soncente, ta juntá pa formá um sô bloc, cosa más natural dês munde, pamode ês que ta fecá perte de cumpanher e também pamode oitenta por cente, senon más, de gente de Soncente ê de SanAnton.

 

Assim, cma Cab Verd ê Criston, pove dês dôs Ilha, tude one ta juntá pas podê honrá Sonte de sês freguesia, c’sês festa que ta cumeçá dês de 3 (três) de Moie c’Santa-Cruz, passá pa 13 (treze) e 24 (vinte e quate) de Junhe, c’SanAntone ma Sanjon, e cabá dia 29 (vinte e nove) c’festa de Senhor SanPedre.

Se nô espiá bem pum calendar, gente t’oiá cma tude dia d’one na munde criston tem sê Sonte, ma ês quadra li pa nôs ê mute especial, quê pove na sê manera místico-religiose e c’grande respeite pa tradiçon, ta festejal cum força quaz sobrenatural, cumpanhode d’aquel “repicá tambor” que, sem nô querê ô nem podê explicá, nô ta sintil, nô vibral e vivel c’nôs sangue. Quê, na funde de nôs alma, nôs tude ê TAMBOR.

Moda tude mnine que vivê naquel tempe e ‘m t’otchá, mesme inda depôs, quel manera de festejá, Colá SanJon, fecone gravode na mimória ma na coraçon pa tude tempe.

Ê de lembrá quel presença de Nhô Morc Patada Muidor c’sês broce chei de muscle, um espece d’arauto que na época tava anunciá abertura dês festa d’Sonte c’sê “TAMBOR” passode na pescoce, ta bem ta dexí, ta repical e ta guental el sô, dês d’Olte de Solarine, Fonte Felipe, Fonte Dator, passá pa nôs Pracinha de Liceu tê tchegá na morada, pal bem anunciá pove, c’orda de Sr. Admistrador Rendal, cma quel tempe de festa tinha tchegode.

Na Soncente, pa quem que ca sabia, ês festa de Sonte tava cumeçá pa Santa-Cruz na Salamansa, SanAntone ma SanJon na Rebera de Julion e  SanPedre na San Pedre.

Era um ligria oiá tude quês camiunitin chei de côr, pintode de fresc, c’sês bancada de carregá gente, fixode, linhode e mute bem ranjode na caixa na parte trás, parode lá naquel lorgue de rua de Côque ô lá perte de rua de Corte de Tenis de Clube Castilho, c’sês folcloric fiscal de cobrá bilhete mute bem cunchide de pove na praça, moda cumpade Libertal ma Fudjinha que Deus tem, c’sês porta-voz na boca e bolsa na mon ta gritá quel:

–  Nô bai nhas gente, nô bai… Quê hoje na  Rebera de Julion ê quê quel dia… Dôs e quinhente (2$50) ir e bai, dzide c’aquel humor prop de terra pa fazê pove arri e comprá sês bilhete más rapte quês pudesse.

Basta era sô esperá camiunitim intchí pa chofer podia rancá. Enton, era um exploson de ligria popular em que cada um tava manifestal de sê manera, na mei daquel muvimente non stop de bai e bem de corre, sem pará, de plumanhã tê de note, pa quel lorgue de Colá Sanjon na Rebera de Julion.

E, Deus pa camin ta gordá sês fidje criston, quê estrada naquel tempe n’era grandes cosa e pra lá ca ta tinha nem luz, senon sende quês luz de camiuniete na sês traboie de bai e bem, na estrada. Inda más, tinha quel curva perigose inclinode de quaz 45 grau, log n’entrada d’área de lorgue de Colá San Jon, ondê que corre tava sebil e dexil sempre ingatode na primera c’tude quel pove ta benzê ma ta gritá, sem nunca podê custumá quel.

Quel muvimente na época dês festa de Sonte, era dvera, dvera, na tude sê realidade um cosa mute importante que nô ca ta nem podê explicá, quê el era  moda um espece dum peregrinaçon, ondê que cada um ta tinha sês prop razon que sô ês ma Deus ê que podia explicá, de bai tê lá.

Enton era tude quês gente ta desimbarcá naquel lorgue de Colá SanJon de Rebera de Julion, sem pará dia e note durante tude quel quadra de festa de Senhor SanAntone ma Senhor SanJon, o que era log um afronta, sobretude da tardinha já luz c’fusc, hora que festa tava estode na top de sê sabura, c’denote quaz  ta fetchá e tude quel pove vassalode ta saltá LUMENARA.

Ma moda de custume, antes de festa rancá, sempre ta tinha e ‘m ta esperá cma tê hoje inda tel, quel missa de plumanhã na Igreja de SanJon Baptista de Rebera de Julion, chei de pove que ca ta tinha nem lugar dentre d’Igreja pa tude gente. Enton, ês era ubrigode de fecá na rua, quaz sempre na mei daquel vente de matá, prop pa salgá criston oie. Enton, pove zarode c’aquel vente tude one pa Sr.SanJon, butzal c’nome de festa de Senhor SanJon revulteode.

Depôs de missa, era quel rancá a pê pa lorgue de SanJon, bai dá corpe quel prazer de Colá, pra lá já c’tude quês Barraca chei de gente na sês reservode, tude infeitode, ta vendê quês rosar de Senhor SanJon fete de midje iliode, mancarra, brinhola, etc., e c’tude espece de cmida já pronte, moda midje ingron, tchurice de sangue, botchada, tchoresque, pa quem sintiba fome, regode daquês bom grogue (pure cana) de SanAnton, pontche, bandoie e más otes cosa sabe de cmê ma bibê.

E, festa lá fora ta roncá, cumpanhode pa quel ritme de repicá tambor, siguide daquês navizim pintode de azul ô prête, infeitode de sês vela tude branquin, e sês Capton Farel, Djê ma Capote de Monte Sussegue dentre de ritme, pite na boca, vela na vente ta boliná, sempre ta vançá c’tude quel pove pa traz seguerode ta colá… Corpe além ta bai, ta bai, ta colá, colá… Ô sabe!!!

Colá… colá… colá SanJon, colá na rebera de pic… colá na tchã de pentei… E quel vluntarona d’Antonha de Bill (carregadera de cais) de xaile marrode na cadera que sês grite ta completá quel refran de colá, nês pic d’Mari d’Aninha… Colá, colá… ô sabe… Colá, colá pu’riba quê por boxe n’nê nada c’bô.

Coladera de fama ca tava faltá naquel tchon de Soncente pa colá SanJon. Ma chefona na praça, cunchide pa tude gente era Antonha de Bill, desbocada, vluntarona lá fora, ma que sabia e tive d’insená tcheu malta jovem colá.

Basta, quonde el tava rancá na sê colá, tude gente tava abri ala pa dexal passá, enton, ela tava bai, c’sês cadera bnite ta rabolá tê tchegá na bô, mandobe fetchá perna pal ca quebrobe ove (quê home devê colá ê c’perna fetchode), ela tava dobe quel coladura, moda ta exprimentobe força e tava bai ta gritá, tude ta vivê quel festa de Senhor SanJon revulteode num fúria sem igual.

Também tinha otes amdjer, cumpanher de colá de SanJon na linha d’Antonha de Bill, moda Caela, Mari Caela, Mari Binisse, Julia Boca Motcha, Mana quel que tava vendê cana lá na rua de Suburbana, Funny Eyes, Mari Curvim e más e más  otes coladera prop bom naquel arte de Colá, Colá… Ô sabe.

Tude one, pa cabá de completá quel show na Rebera de Julion, pove tinha custume de fazê um grande roda, pa dexá quel bnite cavole de Nhô Manilim Feijô dançá colá Sanjon na ritme e som daquês tambor. Era na dvera um bnite espectacle, sô d’oiá quel bitche espendê sês dôs pê de diante, c’sê cavaler muntode derriba, dôs pê de trás bem fincode na tchon sempre ta dançá na ritme  daquel repicá de tambor, pa admiraçon de tude gente.

Na terra tinha também, quês valente na arte de repicá tambor c’tcheu variante bem repicode, cosa série e quaz sem rival na Munde, moda Nizim de Cambra, Ti Pedre Gigante, Tota, Morc Patada Muidor, Sbeca, Lela Cassarola, etc., etc.

Não sem esquecê tude quês Bzana, senhores tocador de tambor que tava custumá tchegá inda naquel tarde na Faluche binde de Porte-Novo SanAnton, pa quel grande desafiu de tocá tambor betada fora, pa fetchasse más quel um festa de Senhor SanJon Revulteode na Rbera de Julion, junte ma sê pove irmon de Soncente.

Ma um cosa ê certe nhas gente, ondê que festa de Senhor SanJon Baptista ê festejode drete na tude sê esplendor,ê na Porte-Novo de SanAnton de Cab Verd. Pra já, lá ê quê freguesia de Senhor SanJon Baptista.

Assim, tude one na época, quel pove ta fazê quel monzada de camin, pa bá bescá Sr. SanJon Baptista lá na Rebera das Patas e trazel n’andor c’força de sês broce, sempre ta tocá tambor, ta colá SanJon, ta pará pa camin pa descansá, cmê, bibê, tê tchegá na Porte-Novo. E, quem bá bescal ta bá leval moda tradiçon ta mandá. Assim, quonde festa ta cabá, ês ta torná fazê quel camin de volta, pa torná bá levá Sr. SanJon Baptista lá na sê posente na Rebera das Patas.

Tive um tempe quês tinha decidide de fecá ta bá bescá Sonte de Sr. Sanjon de corre lá na sê lugar na Rebera das Patas. Ma cma tive quel grande desastre de corre pa festa, que fecá na história de Porte-Novo, pamode morrê um monzada de gente, tcheu fecá feride e foi mandode pa Spital de Soncente d’urgença. Enton, pove pa superstiçon pamode quel azar de vida, cosa que ninguém tê hoje ca sube explicá, resolvê fecá ta bá bescal e bá leval a pê, pas fecá ta  festejal devidamente, moda sempre ês tava custumá fazê dantes, pa camin.

Um vez Sr.SanJon instalode, festa tava rancá rije, forte e valente depôs daquel missa de freguesia de Sr. SanJon Baptista, siguide de corrida de cavole e tcheu otes divertimente, tude isse coroode c’desafiu de tocá tambor na tcheu stile e ritme diferente, moda num grite de quem puder a más.

Gente seguerode ta colá, c’tude quel força que nô tem na sangue, ma que ninguém ca sabê, nem ta podê explicá, pamode el ê moda ritual dum espirte ta bescá sê LIBERDADE na tendença recalcode de que el foi vitma e privode dês de sês origem de dondê quel bem… África!!! Pa completá festa, quês barraca sempre chei de gente ta cmê ma bibê, tcheu binde de Soncente, pa Porte-Novo bem festejá e bem bescá quel bençon, direte na Sr. SanJon Baptista.

Na nôs lembrança de menine, curiose moda tude menine que nôs era, nô tava gostá de bá fecá lá na ponta de Padrão ( arrazode pa obra de Cais Acostável ), deboxe de Fortim d’El Rei, tchemode também Puntinha.

Sô pa nô bai oiá tude quês Faluche (Liberal, Carvalho, Atalanta, S. Vicente) carregode de gente, c’sês vela bronc largode na vente ás vez coloride daquel côr brumedje de pôr de Sol de Baía de Monte Cara, além ta bai, ta bai e bem, ta travessá quel Canal de Soncente -SanAnton-Soncente, deboxe de vente, na mei daquel temporal de Sr. SanJon, pa bai e bem festejá quel “Grande Festa” que ta contecê um sô vez pa one.

Tcheu de nôs gente tava cambá Porte-Novo p’ês festa, inda ês tava torná voltá, godzide sô pas podia inda trazê um padoce “d’el”, pa bem interral e dal fim na Rebera de Julion lá na Soncente, seguerode inda tude naquel sabura, chei de morabeza, paz, harmonia e calor de terra.

Tude ês festa, seja pa Santa Cruz, SanAntone, SanJon ô San Pedre, tive e tem sempre quel mesme manera de procedê, na sê jete e na sê forma, prop de nôs folclore na más profunde de nôs Cultura.

Quel missa plumanhã na Igreja e depôs, pove naquel bada p’área de festa c’sês Barraca, ondê que ta otchode tude espece de cmida ma bibida, sobretude trazide de SanAnton, mode ser bom e ter tcheu variadade.  Sô cosa d’apetite, num verdader troca cultural, pa enriquecê e reforçá cada vez más nôs Cultura.

Pove juntode naquel lorgue de Colá SanJon, formode um sô corpe, na mei daquel vente, trançode c’aquel calor de Sol quente que ninguém ta dá fê, c’gota de suor ta esgritchis pa tude banda de corpe aboxe, ma sempre seguerode na sê ritme de “Festa de Sonte” cum seriedade, trançode c’aquel ritme de tambor naquel colá, colá…Ô sabe, num verdader misticisme e mistagogia, ta procurá preenchê quel parte baziu más profunde e tê certe ponte pirdide, de nôs Cultura na tradiçon.

Moda nh’amigue-irmon DEMBA ( Dr.Felisberto Vieira Lopes – K. D’Ambará) ta dzê, e bem dzide, na sê poesia:

 

–      Ê ussu’l tera, sabi nôs guentis… no nassê no atchal, no ta morê no ta dexal…

 

Força de tradiçon é tão grande na alma de pove cabe-verdiane, pove patriota, amigue de sê terra que, ondê quel tiver ta vivê, sempre el tem quel poder mágic de trazê ô levá ma el na sê coraçon, um padoce de sê Cultura na tradiçon.

Assim p’exemple, na Rotterdam-Holanda, ondê que pove ta vivê bastante perte de cumpanher, más do que n’alguns cidade de parte de Munde e d’Europa, mode cidade quê piqnim, ês ta festejá sês Sonte de quadra de Junhe, tude one, autorizode pa Governo Holandês, c’tcheu força na rua, muntada “Barraca” moda na Cab-Verd,lá na Pracinha de Quebrode (nome que foi poste e butzode na dvera,pa Câmara Municipal de Rotterdam),lá ondê que antigamente, era um rua tchemode “Hemaratsplein”, isto é, recunhicide pa instituiçon holandês.

Basta ê um verdader beleza d’oiá quel pove d’nossa entusiamode na Rotterdam-Holanda, na força de preparaçon de sês “Festa de Sr. SanJon”, quonde quadra ta tchegá, c’Ti Manel Belchior (hoje reformode e retirode num casa de gente bedje… d’favor ca nô esquecê del OK?!) ta dirigi operaçon, chei de experiença e conseil pa dá e vendê.

Naquel dia ês ta junta tude quês Sonte num sô Festa. Cosa ê sempre bem organizode pa sês fundador, c’tocador de tambor ma guentador de quês navizim, famose moda Ti Manel Belchior, home já de idade ma que tê inda ta ba dá sês consei, ondê quel ê mute escutode p’aquel malta jovem. E siguide de tude quês incansavel cumpanher, moda Djusinha de Bernalda (Djosa Funha), Dindin, Jon Lorenço, más tcheu rapaz de SanNinclau quês ca dame sês nome, ma que ta temá sempre um grande participaçon nês festa que na funde ê de nôs tude.

Na França, pove tem cunsiguide sempre fazê festa de Colá SanJon, sobretude lá pa lode de Fameco, Thionville, ondê que tem tcheu cabe-verdiane. Na Paris, one passode, pove fazeba um grande festa pa Sr. Sanjon que fui mute bom e tive um bom participaçon, na Compe de Jogue de Futebol na Porte de Montreuil. Esse one li, cosa ti ta bem ser forte também, moda boca de pove já dzê, nô ti ta esperá.

Ê dês manera lissim, que nôs pove ta ba ta passá quel mensaja bem forte de nôs Tradiçon e Cultura, na tude sê extenson e simplicidade, pa otes geraçon de nôs pove espaiode p’ês Munde fora, pa ranjá manera de completá tude ês traboie, na cuntinuidade e linha direta de nôs Tocador de Tambor, Cesária Évora, Lura, Sara Tavares e tude nôs Artista, Poeta, Escritor, Músec, Compositor e tude quês otes que tita bem pa trás e cuntinua ta fazê conchê nôs Répulica Cab-Verd na Munde inter.

Quê tempe ta mudá, gente ma cosa de Munde ta evoluí e geraçon ta sucedê na cuntinuidade, ta bai ta passá na tempe ma na espace sempre ta sucedê GERAÇON.

 

Zizim Figuera

  1. Loje

    Esta luta é uma luta difícil de travar, pois está tudo encoberto, ‘gatchod’, para poder levar muita gente no bote. Cada um fará à sua maneira, mas no final estamos cientes que contribuímos para uma ideia de um Cabo Verde esclarecido, moderno e aberto ao mundo, que respeita os outros e em que a diversidade que é a riqueza deste nosso lindo arquipélago. Viva o crioulo e um Cabo Verde democrático e tolerantes

  2. Uma estória magnifica muito bem elaborada e que merece reflexão pela riqueza do texeto.Fiquei agora a conhcere tanta coisa sobre a nossa gente e a nossa Cultura graças ao Sr.Zizim que felicito de todo o meu coração.Pois sendo jovem da segunda geração é noraml que desconhecia tudo isso.Obrigado Sr.Zizim e longa vida para poder continuar a nos deletar das suas ricas crónicas de fim de semana.Abs Minda

  3. Nôs broda Zizim, Bô storia como sempre ta na TOP e tem um gostin mute especial pa nôs tude d´Ilhas de Norte.Dexá falá quem crê ma nôs Folclore e nôs Cultura ninguém
    ca ta podê tmone el. Êxe demone imbecil que sês mania de superior mode ês que tem dnher imaginá cma dnher.Ma dnher ca ta comprone nôs Alma.Mesme aquês que te prei vindide na partidesabê cma ês ca tem razon e ês tem vergonha.Ubrigada pa mas esse storia que ta cuntinuá ta fazê historia de nôs terra Soncente e Ilhas de Norte.Braça Lize

  4. Meu bom e querido amigo.Antes de mais, votos de ´saúde e que continues com essa força contagiante.Fig ´s acabo da ler a estória, a qual, para além da descrição autêntica daquilo que vivemos durante as Festas Juninas, traz o lindo quadro do levy.Esse projecto, na verdade, exige pessoas sensíveisTambém, constatei com grande alegria que os teus tratamentos vão bem. Força lá sempre nha amigo. Tu bem mereces.Um bijim grande e votos de bom fim de semana. Hasta siempre compañero. Du

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2017: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.