Ilha, Imperatriz e Tijuca contagiam a Sapucaí no 2º dia de desfiles no Rio

5/03/2014 00:44 - Modificado em 5/03/2014 00:44
| Comentários fechados em Ilha, Imperatriz e Tijuca contagiam a Sapucaí no 2º dia de desfiles no Rio

BrasilSeis escolas fecharam os desfiles do Grupo Especial nesta segunda-feira.

Sapucaí teve Zico, infância, Chico Mendes, Senna e poucos imprevistos.

O segundo e último dia de desfiles do Grupo Especial do Rio foi marcado por exibições empolgantes e bem executadas na Sapucaí. Seis escolas passaram pela avenida na noite de segunda-feira (3) e madrugada de terça (4): Mocidade Independente, União da Ilha, Vila Isabel, Imperatriz, Portela e Unidos da Tijuca. Com temas variados, as escolas cantaram sobre assuntos universais, como a infância (União da Ilha), nacionais como a pluralidade brasileira (Vila Isabel) e locais como o Centro do Rio (Portela). Mas, metade dos temas foram homenagens a personalidades: A Imperatriz trouxe Zico para a avenida e a Unidos da Tijuca lembrou os 20 anos da morte de Ayrton Senna. O carnavalesco Fernando Pinto foi a inspiração para a Mocidade.

Poucos imprevistos aconteceram durante a noite, mas nenhum afectou seriamente a evolução dos desfiles. Mesmo assim, o sentimento de algumas escolas foi de superação, depois de problemas ocorridos dias antes do Carnaval parecerem levar ao cancelamento das apresentações. Foi o caso da Mocidade que viu o presidente Paulo Vianna renunciar em 5 de Fevereiro e da Vila Isabel que ficou sem um grande número de fantasias porque elas não foram entregues a tempo.

Veja a seguir o resumo dos desfiles da segunda-feira.

 

Mocidade Independente de Padre Miguel

Com cinco títulos, sendo o último de 1996, a Mocidade decidiu homenagear o carnavalesco campeão pela escola em 1985, o já falecido pernambucano Fernando Pinto. A agremiação superou problemas sérios antes do Carnaval, com a renúncia do presidente Paulo Vianna dias antes do desfile e fez uma apresentação com muita criatividade e ousadia.

 

A comissão de frente trazia Xuxas e uma nave espacial como a que se via no programa da apresentadora e pessoas da plateia foram escolhidas para embarcar no disco voador. Num determinado momento, os puxadores cantaram em ritmo de forró e, 20 minutos depois da apresentação, a bateria parou e deixou apenas os tamborins acompanhando o samba-enredo (leia o relato completo).

 

União da Ilha do Governador

O desfile da União da Ilha contagiou a Sapucaí com uma divertida viagem de volta à infância. A escola contou a história e os detalhes de inúmeros brinquedos e brincadeiras para crianças de todas as idades. Com muita criatividade, a agremiação surpreendia o público a cada nova ala, com alusões a jogos de tabuleiro, amarelinha, peões, pipas, petecas, legos, vídeo games, bonecas, soldadinhos, princesas, super-heróis, cubo mágico.

 

A escola deixou a avenida com a sensação de missão cumprida e um dos enredos mais originais. O samba contagiou a plateia. Um único problema técnico provocou apreensão, mas não atrapalhou o andamento do desfile: um telão gigante de uma das alegorias inclinou-se para a frente, levando consigo o destaque que estava por cima. O carro completou o seu trajecto e o componente foi retirado na dispersão com o auxílio de guindastes e bombeiros, mas ninguém se feriu (leia o relato completo).

 

Unidos de Vila Isabel

A Vila Isabel teve de se apresentar com fantasias incompletas, após o atraso do ateliê contratado pela agremiação. Noutro imprevisto, um dos carros alegóricos passou “raspando” por uma torre. Setenta componentes do carro abre-alas da escola, que representou um navio negreiro, desfilaram só com os esplendores e as cabeças das fantasias.

Em 2013, a escola foi campeã falando sobre a vida no interior e no campo. O tema deste ano foi, de certo modo, pelo mesmo caminho (da roça). A Vila Isabel apresentou a “redescoberta da terra e do povo brasileiro” e os “retratos de um Brasil plural”. Em 89 minutos, mostrou os contrastes das regiões do Brasil. A rainha de bateria Sabrina Sato, Thaila Ayala, Carla Prata e Quitéria Chagas foram as musas da escola (leia o relato completo).

 

Imperatriz Leopoldinense

A Imperatriz Leopoldinense apostou num ídolo popular para contagiar as arquibancadas e tentar chegar ao nono título. Com a homenagem a Zico, ganhou logo o apoio do público e fez um desfile sem falhas. A infelicidade da agremiação foi entrar com um carro inteiro representando uns matraquilhos muito parecidos com o que a União da Ilha mostrou no início da noite. Além disso, a ala das baianas com bolas na fantasia eram semelhantes às da escola anterior, Vila Isabel.

O desfile também teve ala com urubus, símbolos do Flamengo; outra com placas que formavam o escudo rubro-negro e uma alegoria inteira dedicada à equipa campeã de 1981, com Adílio, Cantarelli, Nunes, Júnior. A Marquês de Sapucaí parecia o Maracanã. No meio de criativas alegorias, a bateria também ousava com belas paradinhas. A escola toda fez jus à grandeza do homenageado que veio no último carro. (leia o relato completo).

 

Portela

Enfrentando um jejum de 29 anos sem títulos, a Portela entrou na avenida determinada a voltar ao topo do Grupo Especial. Com um comprido desfile de 3.800 componentes, 41 alas, sete carros alegóricos e três tripés, a escola de Madureira empolgou o público ao cantar o passado, o presente e o futuro da cidade do Rio de Janeiro. Desde a sua fundação até aos momentos actuais como o das manifestações e pensando no que vem pela frente.

O mar que banha a cidade foi o fio condutor da narrativa que começou com a fundação da cidade e passou pelas transformações políticas, culturais e até arquitectónicas do Centro, em especial da Avenida Rio Branco. A apresentação impressionou com o uso de elementos tecnológicos, como o voo de uma águia controlada remotamente por toda a Sapucaí e os sistemas de iluminação, sonorização e articulação das alegorias. (leia o relato completo).

 

Unidos da Tijuca

A Unidos da Tijuca fechou o Carnaval do Rio num desfile que começou às 4h20. Com o enredo “Acelera, Tijuca!”, a escola lembrou os 20 anos da morte de Ayrton Senna. O carnavalesco Paulo Barros lançou um desafio na avenida: quem seria capaz de vencer o tricampeão da Fórmula 1?

A agremiação do Borel convocou personagens velozes para disputar uma corrida. Speed Racer, Ligeirinho, Papa Léguas, Sonic, The Flash, Penépole Charmosa e Dick Vigarista (do desenho “Corrida Maluca”) “correram” com atletas, pilotos e invenções do homem, como o comboio de alta velocidade e a internet.

 

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/carnaval/2014/noticia/2014/03/ilha-imperatriz-e-tijuca-contagiam-sapucai-no-2-dia-de-desfiles-no-rio.html

 

 

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.