Fenómeno Mandinga no Carnaval Mindelense – Crítica social e afirmação identitária

28/02/2014 08:03 - Modificado em 28/02/2014 16:14

mandingas da Ribeira BoteCarnaval – Grécia em meados dos anos 600 a 520 a.C. – cultos de agradecimento aos deuses pela fertilidade do solo e pela produção.

Passou a ser uma comemoração adotada pela Igreja Católica em 590 d.C – É um período de festas regidas pelo ano lunar no cristianismo da Idade Média

O período do Carnaval era marcado pelo “adeus à carne” ou do latim “carne vale” dando origem ao termo “Carnaval”. O período do Carnaval caracterizava-se por uma concentração de festejos populares. Cada cidade brincava a seu modo, de acordo com seus costumes.

O Carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XIX. A cidade de Paris foi o principal modelo exportador da festa carnavalesca para o mundo.

 

O Rio de Janeiro criou e exportou o estilo de fazer carnaval com desfiles de escolas de samba para outras cidades do mundo, como São Paulo, Tóquio, Mindelo.

Rodrigues afirma que a “Tradição carnavalesca cabo-verdiana não é recente, mas um pouco antiga. A festa, como se realiza na ilha, é um produto essencialmente urbano com as suas raízes nos subúrbios do Mindelo. Tem a sua origem no Entrudo português”(Rodrigues, 2011)

 

Carnaval – Festa

A festa consiste no rompimento com as preocupações da existência quotidiana, é um outro mundo, onde o indivíduo se sente amparado e transformado por forças que o ultrapassam. No quotidiano o indivíduo dedica atenção, paciência e habilidade às tarefas de satisfação às necessidades imediatas. Enquanto a festa figura para ele, para sua memória e para seu o seu desejo, o tempo das emoções intensas e da metamorfose do ser.

 

Carnaval – Ritual

Qualquer tipo de ritual utiliza uma linguagem, verbal e/ou não-verbal, condensada e repetitiva, diminuindo assim a ambiguidade da mensagem. O ritual sempre diz alguma coisa sobre algo que não é o próprio ritual. Ou seja: o ritual, por si só não é suficiente para a apreensão do sentido. (Leach, 1972).

 

Mandinga, fantasia que revela inversão de papéis.

Às vezes basta pintar a cara, ter a maquilhagem mais exagerada de maneira a “parecer outra pessoa, bem arranjada com gosto”, para se sentir dentro da festa. (abandona-se o eu-isolado e para só contar o eu-colectivo irresponsável, integrativo) (Rodrigues, 2011).

A fantasia revela então, outra face do indivíduo:

[…] fantasia carnavalesca, revela muito mais do que oculta, já que uma fantasia, representando um desejo escondido, faz uma síntese entre o fantasiado, os papéis que representa e os que gostariam de representar. (Da Matta, 1997)

 

Origem do Fenómeno Mandinga no Carnaval mindelense, contextualização sócio-económica e política

As secas nos anos 20 levam ao aumento da migração das outras ilhas para São Vicente, gente à procura de trabalho que não encontra. Tempo marcado por falta de habitações e habitações precárias e de instabilidade social.

Em 1929 circulou um protesto contra o Governador da Colónia entre alguns professores do Liceu.

Em 24 de Janeiro houve uma manifestação. A tentativa de organização sindical falhou. As autoridades centrais agiram com os seus meios de poder contra a opinião popular.

 

Apesar de algumas medidas de melhoramento de infraestruturas habitacionais e sanitárias de carácter social, a situação da ilha agrava-se nos anos 30. A crise mundial leva à diminuição do movimento marítimo. O regime fascista de Salazar desenvolveu a repressão contra qualquer forma de oposição. Em 1933 aprovou-se o estatuto da dissolução do Sindicato dos trabalhadores e o código penal de crimes de rebelião.

 

A revolução de Nhô Ambrose – Prova as dificuldades do povo como a grande coragem dos manifestantes.

O país viveu a década de 40 com grandes dificuldades, sofreu durante a guerra o “bloqueio dos aliados”. Atravessou fomes 1941-43 e 1947-48 (mais de 45.000 pessoas morreram à fome.

A Solução para os problemas apontada pelo Governo Português continuava a ser a emigração, que foi facilitada e forçada em alguns casos. 200.000 pessoas emigraram entre 1940-73. Dos emigrantes terão eventualmente regressado metade.

O sector agrícola não foi melhorado e o Porto Grande continuou em Declínio. Diminuição do fornecimento de carvão. Em 1958 as companhias carvoeiras deixam o Porto Grande .

 

É no contexto dos anos 40 que Capote e amigos fundam o grupo Mandinga de São Vicente.

Capote foi uma figura popular, um fura-vidas, frequentava o Cais da Alfandega, Praia de Bote, Bar Boca de Tubarão, Ribeira Bote. Era uma pessoa estimada por todos, homem de mil actividades, buldónhe, estivador, foi emigrante em S.Tomé e Príncipe.

Capote foi um entusiasta de todas as festas populares, destacou-se no carnaval pela sua criatividade na criação da personagem Rei de Mandinga de São Vicente.

 

“Os Mandingas usavam uma coroa de penas, colares ao pescoço, pulseiras, pintavam o corpo de preto e faziam riscas brancas na cara e no peito e a encobrir os olhos traziam óculos de concha de mar, dando um aspecto feroz aos meninos que os seguiam, na mão traziam uma grande lança só para que lhes desse algum dinheiro de Festa de Carnaval.”(Ramos, 2003).

 

Mandinga grupo étnico / Origem da Fantasia de Mandinga no Carnaval Mindelense

Os mandingos são um dos maiores grupos étnicos da África Ocidental, com uma população estimada em 11 milhões.

Os mandingos pertencem ao maior grupo etnolinguístico da África Ocidental – o Mandè – que conta com mais de 20 milhões de pessoas (incluindo os diulas, os bozos e os bambaras).

Originários do actual Mali, os mandingos ganharam a sua independencia de impérios anteriores no século XIII e fundaram um império que se estendeu ao longo da África Ocidental.

 

Através de uma série de conflitos, primeiramente com os fulas (organizados no reino de Fouta Djallon), levaram metade da população mandingo a converter-se do animismo ao islamismo.

Os mandingos vivem principalmente na África Ocidental: Gâmbia, Guiné, Mali, Serra Leoa, Costa do Marfim Senegal, Burquina Faso, Libéria, Guiné-Bissau, Níger, Mauritânia, havendo mesmo algumas comunidades pequenas no Chade, na África Central.

 

Nos séculos XVI, XVII e XVIII cerca de um terço dos mandingas foi levado para os EUA como escravos.

Mandingas no Brasil colonial

Por serem mais instruídos que outros grupos e conhecerem a escrita, os mandingas eram geralmente escolhidos para exercer funções de confiança, dentre elas a de capitão do mato. Costumavam usar turbantes, sob os quais normalmente mantinham seus cabelos espichados.

 

 

Segundo o fotógrafo, Philippe Bordas, os caçadores formam uma espécie de fraternidade maçônica , onde os homens são recrutados por cooptação, sem discriminar de origem ou classe. Eles são a autoridade aldeia ,guardiões da justiça, e da família, mestres do conhecimento, de medicina tradicional, de caça e de magia.

O objectivo dos caçadores do Mali é combater a corrupção e o caos gerado pelo neocolonialismo.

 

Durante o Carnaval, a fantasia de mandinga permite ao indivíduo reinventar por alguns instantes uma identidade de grupo e representar o papel de um guerreiro que conquista o seu território e é liderado por um Rei com o qual se identifica em oposição ao sistema político económico do regime colonial.

 

As fantasias promovem também, o encontro e confronto dos diferentes grupos sociais através da brincadeira.

Fantasias carnavalescas criam um campo social de encontro, de mediação e de polissemia social, pois, não obstantes as diferenças e incompatibilidades desses papéis representados graficamente pelas vestes, todos estão aqui para ‘brincar’. E brincar significa literalmente ‘colocar brincos’, isto é, unir-se, suspender as fronteiras que individualizam grupos, categorias e pessoas. (Da Matta, 1997).

 

Segundo Cavalcanti (2011), o carnaval “… não resolve conflitos e desigualdades sociais, mas demontra uma face das coletividades que se ultrapassa a essas diferenças”.

Da Matta afirma que a brincadeira, ou seja o comportamento liberto, suspende temporariamente as “regras de uma hierarquização opressora”.

 

O “boom”de participantes nos grupos de mandinga actuais é uma característica recente na história desta fantasia e que reflete na ideia identidade de grupo. Os grupos de Mandingas representa um bairro, uma rua ou “que pode funcionar como afirmação ou como imposição de uma identidade” (CUCHE,1999)

 

Um dos principais problemas de desenvolvimento da ilha de São Vicente consiste na problemática do desemprego dos jovens em idade activa.

 

Numa festa marcada pelas diferenciação de classes sociais, a adesão à fantasia mandinga passou a envolver todas as camadas sociais.

Tradicionalmente, os quatro domingos que antecedem o carnaval são marcados pelo o desfile dos grupos de mandingas pelas ruas da cidade, acompanhados pelos mirones que observam dançando ao som da batucada e da música dos mandingas.

Actualmente, adesão em massa à fantasia de Mandinga poderá revelar uma necessidade do mindelense de protestar contra os problemas sócio-económicos vividos na ilha de São Vicente.

 
Por : Isadora Lélis Silva

Bibliografia

 

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiro de Castro. 2011, As Alegorias no Carnaval Carioca: visualidade espetacular e narrativa ritual. Textos escolhidos de cultura e arte populares, Rio de Janeiro

CUCHE, Denis. Cultura e Identidade. In: A noção de cultura nas ciências sociais. Pg. 175 a 202. 1999

DA MATTA, Roberto. 1997 Carnavais, malandros e heróis: Para uma sociologia do dilema brasileira. Rocco, Rio de Janeiro:

LEACH, Edmund, 1967 O estudo estrutural do mito e do totemismo, Londres

RAMOS, Manuel Nascimento, 2003, Mindelo d’ Outrora, Edição de autor, Mindelo

RODRIGUES, Moacyr, 2011, O Carnaval do Mindelo, Formas de Reinvenção da Festa e da Sociedade, Representações mentais e materiais da cultura mindelense. Edição de Autor, Mindelo

 

Outros

www.Wikipédia.com

 

Linhas Gerais da história do desenvolvimento urbano da cidade do Mindelo, Publicação de Fundo de Desenvolvimento Nacional, Ministério da Habitação e obras

 
Com a cortesia de

http://saborcaboverde.blogspot.com/2014/02/fenomeno-mandinga-no-carnaval.html

  1. Carmo Lorena

    Gostaria de saber quem é o autor deste texto. Obrigada.

  2. Djê Guebara

    Muito e muito obrigado com a verdade. Capote o funadador das mandingas, eu pessoalmente o conheci na minha infancia no meu querido soncente.(Minha terra,minha amada,donde o meu cordao umblical foi emterrado. Soncent dos meus amores a ilha que me viu nascer,a minha ilhinha do encanto. (Desde da Florida em Lake Worth sou Dje Guebara)

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.