AICE: O mistério das pedras na pista está por desvendar

18/02/2014 00:25 - Modificado em 17/02/2014 23:30

aeroporto-cesaria-evoraEm Cabo Verde já se sabe: depois das portas arrombadas, trancas na porta. Isto enquanto se procura saber quem é que arrombou e porque é que a porta foi arrombada. O ditado aplica-se ao mistério das pedras colocadas na pista do Aeroporto Internacional Cesária Évora e que causou um incidente com um avião dos TACV. A PJ ficou com a tarefa de esclarecer o mistério, mas volvidos sete meses, fica-se por saber como é que as pedras chegaram à pista.

 

No mês de Julho, no dia 14, um m avião dos TACV embateu numa pedra colocada no caminho de circulação, Taxyway, no Aeroporto Internacional Cesária Évora quando tentava levantar voo com destino à cidade da Praia.

Mas no dia 28 de Julho, surgiram mais pedras na pista do AICE no lado Ar do aeroporto. A PJ no Mindelo esteve no local, mas não avançou mais pormenores, nomeadamente sobre a dimensão das pedras ou se houve violação do espaço restrito ao aeroporto.

Porque a segurança voltou a falhar, a ASA pediu o apoio da Guarda Costeira para garantir a segurança do Aeroporto Internacional Cesária Évora. Para reforçar a segurança do AICE estão a ser realizadas patrulhas ao longo da vedação, feitas pelo Corpo de militares da Guarda Costeira que está instalada no antigo edifício do terminal do Aeroporto de São Pedro.

O assessor à Segurança da ASA , João Monteiro, em entrevista à RCV avança que existe uma investigação interna para averiguar “se teria havido deficiência na aplicação de medidas e procedimentos no tocante às medidas de segurança na pista”.

Trocado por miúdos: se alguém da ASA não cumpriu com as funções que lhe foram delegadas. Ou como diz o povo “meteu água”. Mas levanta o véu do mistério ao revelar que “há um ponto na rede de protecção que mostra que alguém transpôs a rede”. Mas diz que não há buraco, nem indício de entrada forçada. Mistério! A PJ foi accionada para desvendar o mistério da pedra. E a Polícia científica já concluiu: houve indícios que apontavam para mão criminosa. Isto depois de outra magistral conclusão: a pedra era muito grande para ser arrastada pelo vento.

E assim, como as pedras não andam, alguém levou a pedra. Com este mistério que assolou o AICE há sete meses, os factos sobre como as pedras foram parar ao aeroporto continua no segredo dos deuses. Este enigma está por desvendar, quando as pessoas “querem respostas concretas, porque foi um grande susto” em que se notou a certeza da fragilidade da segurança nos aeroportos nacionais no tocante à entrada de gente e bichos nas pistas.

 

  1. Julio Goto

    … sera esta a razao que levou o governo a aplicar 0s 40 e tal escudo a cada passageiro que passa pelos aeroportos de Cabo Verde.
    Pelo visto os passageiros pagam pelos MISTERIOS inves de SEGURANCA.

  2. Piloto

    Srs. Jornalistas, informem-se melhor. Avião no taxiway a tentar levantar voo?

  3. Uru

    bsot informa melhor segurança não foi feita pa Guarda costeira mas sim pa militares da 1ª região militar

  4. Teu

    è pra informar melhor
    Quem passou meses a fazer a segurança do aeroporto não foi a guarda gosteira mas sim a policia militar que se deslocava todos os dias para aquele serviço sem que para tal fosse criadas as minimas condições….

  5. guarda costeira participou e ainda esta no sei trabalho patrulha todos os com viatura da asa , pergunta

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.