Na República Centro-Africana, a limpeza étnica está a ser feita às claras

13/02/2014 08:59 - Modificado em 13/02/2014 08:59

africaPerseguições e assassínio de muçulmanos sucedem-se desde o início do ano. Milícias cristãs vingam-se de meses de abusos. Amnistia Internacional critica falta de “vigor” das forças internacionais.

 

Soba Tibati mal podia andar por causa do reumatismo e não conseguiu fugir quando milícias anti-balaka atacaram em Boyali, aldeia a cerca de 130 quilómetros a noroeste de Bangui. “Decapitaram-no à minha frente, sentado numa esteira de palha, debaixo de uma árvore, fora da nossa cabana”, contou o filho, Dairu, que perdeu também outros 12 familiares, entre eles sete primos, incluindo uma bebé de seis meses.

No ataque foram mortos 30 muçulmanos. Foi a 8 de Janeiro, logo depois de as forças Séléka, coligação de antigos rebeldes muçulmanos, que governou e impôs o terror no país entre Março e Dezembro de 2013, ter abandonado Boyali. O caso da família de Dairu, que ferido numa coxa conseguiu fugir, é um dos muitos documentados num relatório divulgado esta quarta-feira pela Amnistia Internacional sobre “limpeza étnica” de muçulmanos na parte ocidental da República Centro-Africana.

 

Centenas de civis muçulmanos foram mortos e largos milhares têm sido forçados a fugir das perseguições das milícias anti-balaka, predominantemente formadas por cristãos que serão movidas por sentimentos de vingança pelos anteriores massacres da coligação Séléka. Organizações como a Human Rights Watch também já alertaram para o cenário de toda a população muçulmana, calculada em 15% do total, ter de deixar o país.

A Amnistia documentou repetidos ataques e actos de terror contra muçulmanos civis ocorridos em Janeiro em Bouali, Boyali, Bossembélé, Bossemptélé, Baoro e Bawi, e também na capital, Bangui. E recolheu informações que considera credíveis sobre ataques em Yaloke, Boda e Bocaranga. “Para além de causarem morte e destruição, os ataques contra muçulmanos foram cometidos com a intenção declarada de forçar uma saída do país”, indica a Amnistia.

 

Muitos anti-balaka consideram que os muçulmanos são “estrangeiros” que deveriam ser mortos ou abandonar o país. Os seus actos de violência levaram já à partida forçada de um elevado número – dezenas de milhares, segundo os investigadores no terreno. “Muitas localidades estão agora esvaziadas dos antigos habitantes muçulmanos”, denuncia a organização de direitos humanos, que classifica a situação como uma “tragédia de proporções históricas” que causa “danos tremendos” ao país e é um “precedente terrível” para a região.

 

“Chacinadas à nossa frente”

Exemplos da fúria sectária em nome de religião, em que à violência se responde com violência, não faltam. Em Baoro, cidade do noroeste, Oure, uma mulher muçulmana viu os quatro filhos e três sobrinhos, todos rapazes com idades entre oito e 17 anos, serem mortos pelos anti-balaka. “Mataram os meus filhos sem piedade”, contou. Oure, as duas irmãs, a mãe de 75 anos e sete dos mais novos da família tinham saído de casa para irem à mesquita, quando foram interceptados por uma milícia. “As crianças foram chacinadas à nossa frente”, disse, a soluçar. Foi a 26 de Janeiro.

 

 

publico.pt

  1. Eduardo Oliveira

    Meditem !!!
    Ê com essa gente que nos querem meter.
    Na Nigéria são os muçulmanos a matar os cristãos e em Bangui é o contrario. Quando é que viram em Cabo Verde uma guerra entre catôlicos e protestantes ou inter-ilhas?
    Deixem de ser utôpicos e concentrem-se para a defesa do nossos cosrumes e o desenvolvimento nacional.
    Com essa gente, festinha so de longe

  2. José Manuel de Jesus

    Completamente de acordo consigo, Sr. Oliveira. Infelizmente ainda temos pessoas a pensar que o nosso futuro està com essa gente, o que é uma grande burrice.
    Gostaria de ouvir uma pessoa que, em determinado momento, andou muito activo nesse sentido e que agora não aparece, se calhar com medo que lhe façam a barba. (Nem me dou ao trabalho de mencionar o seu nome. Ele se reconhece neste recado)

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.