Homicídio no Monte: Juiz aplica prisão preventiva a homem que matou a vitima a pontapés

10/02/2014 00:30 - Modificado em 9/02/2014 23:05

martelo-juizO Tribunal da Comarca de São Vicente decretou a prisão preventiva a Reinaldo, conhecido por “Rei”, trabalhador no Mercado de Peixe que matou a pontapés, o cidadão Pedro Silvestre Faial, ex-funcionário do Hospital Baptista de Sousa. O caso ocorreu numa rua situada nas traseiras da Av. Manuel Matos, na localidade de Monte. “Rei” alegou ao juiz que foi agredido à pedrada pela vítima, pessoa que não conhecia e que, nessa circunstância, utilizou umas botas de tacão grosso que calçava para desferir pontapés na cabeça da vítima.

 

Na sexta-feira, por volta das 21 horas, a Polícia Nacional foi accionada para se inteirar de uma ocorrência na zona de Monte. A Unidade de Piquete deslocou-se ao local e encontrou um cidadão prostrado no chão sem vida e deteve o agressor, Reinaldo, conhecido por “Rei”, que estava ao pé da vítima.

 

Os indícios recolhidos pelas autoridades criminais apontaram que o agressor, Reinaldo, trabalhador no Mercado de Peixe calçava umas botas do estilo Timberland e que pontapeou a cabeça e o rosto da vítima, Pedro Silvestre Faial, de 60 anos, com esse calçado até provocar a sua morte, deixando o homem com a cara desfigurada e com golpes largos.

 

Indícios

 

O agressor foi presente ao Juízo Crime para interrogatório e aplicação de uma medida de coacção. O NN sabe que perante o Tribunal, “Rei” assumiu a autoria do crime e alegou que não conhecia a vítima, que residia em Horta Seca e que o caso despoletou quando circulava nessa rua e foi agredido “à traição pelo cidadão, sem motivos aparentes”.

 

É certo que Reinaldo está com um ferimento na cabeça e assegurou ao juiz que a morte de Pedro Faial não ocorreu por causa de um desentendimento entre as partes. “Ele agrediu-me sem justificativas, porque nem nos conhecíamos”. E afirmou ainda que “ter-me-ia morto, por isso, ripostei à agressão. Quando o atirei ao chão, perdi a noção das coisas e pontapeei-o com as botas que calçava. Tal foi o meu espanto sobre a minha acção, que fiquei no local, quando vi que ele não reagia”.

 

Diligências

 

Perante os factos, o magistrado entendeu que a atitude do arguido preenchia os pressupostos para se aplicar o artigo 290º do Código Penal. Decretada a prisão preventiva, o indivíduo foi encaminhado para a Cadeia de São Vicente, onde vai aguardar o desenrolar do caso.

 

A identificação da vítima só veio a ser efectuada na Casa Mortuária do Hospital Baptista de Sousa, através de uma tatuagem que tinha no braço. E mais tarde, os familiares vieram a confirmar que se tratava de Pedro Silvestre Faial, ex-funcionário do HBS.

  1. Muita violência. O espírito violento é tal que não basta desferir um ponta-pé para se defender. Aonde vamos? Ao ponto que chegamos. É filme violneto a mais

  2. Belarmina

    Sendo o Faial não acredito nessa história, ela era incapaz de agredir esse fulano porque a personalidade dele não era dessa atitude antes pelo contrário. Ele era duma paz incontrolável. Esse Rei levou essa pedrada noutro sitio então confundiu- o com outra pessoa. Eu ponho a minha mão no fogo pelo Pedro. Que a sua alma descanse em paz depois de tanto sofrimento.

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.