Desfalque no BCA: Para quem Alcindo Rocha transferiu os 139 mil contos?

6/02/2014 00:10 - Modificado em 5/02/2014 23:54

muito dinheiroO ex-gerente do BCA na cidade do Porto Novo, Alcindo Rocha, foi condenado a 13 anos de prisão por ter desviado 139 mil contos da conta de clientes dessa instituição bancária. Por não concordar com a medida de pena recorreu ao STJ, mas o certo é que se ficou por saber para onde Alcindo transferiu os 139 mil contos.

 

Alcindo foi acusado da prática dos crimes de abuso de confiança, burla qualificada e falsificação de documentos. Neste sentido, o Juízo Crime da Comarca do Porto Novo encontrou provas que confirmaram os crimes, por isso, o ex-bancário está a descontar essa pena de prisão na Cadeia de São Vicente.

O Tribunal da Comarca do Porto Novo ditou a sentença do processo que acusava o ex-gerente do Banco Comercial do Atlântico na cidade do Porto Novo, Alcindo Rocha, de ter desfalcado 139 mil contos das contas bancárias dessa instituição. A juíza de instrução criminal aplicou-lhe uma pena de 13 anos, por entender que o Tribunal obteve provas que atestaram a prática dos crimes de abuso de confiança, burla qualificada e falsificação de documentos durante os dez anos em que este exerceu as funções de gerente na agência do BCA.

Nestas circunstâncias, a magistrada aplicou-lhe penas parcelares, sendo cinco anos por abuso de confiança, a mesma pena pelo crime de burla qualificada e três anos e seis meses por falsificação de documentos. Com a realização do cúmulo jurídico, a juíza fixou a pena em 13 anos a serem cumpridos na Cadeia de São Vicente. E determinou que Alcindo Rocha terá de indemnizar o BCA pelos prejuízos causados que rondam os 139 mil contos. Mas a grande incógnita desta trapaça não foi esclarecida: onde foi que o gerente meteu os 139 mil contos? Onde está o dinheiro? Quem beneficiou do dinheiro?

Recorde-se que o julgamento deste processo iniciou em 5 de Junho de 2012 e Alcindo, nas suas declarações, afirmou que o dinheiro foi transferido para contas de terceiros, por quem estava a ser burlado. Por seu lado, um dos auditores do BCA ouvido em tribunal assegurou que o desvio se processou através de levantamento de “dinheiro vivo” e de transferências feitas para “o estrangeiro” mediante ordens de pagamento e através da instituição bancária Western Union.

De salientar que em Setembro de 2011, um grupo de auditores do BCA efectuou uma auditoria à gestão de Alcindo Rocha. Com o término da auditoria, o gerente da instituição bancária no Porto Novo foi levado para a prisão, em Outubro, por suspeitas de desfalque de dinheiro.

 

 

  1. D

    Logo no Banco Comercial que tem um sistema de controlo interno e auditoria interna minimamente funcional. O que dizer nas muitas empresa estatais que não tem um serviço de controlo interno e auditoria.

  2. Emigrante

    Eu acho o inquerito da PJ foi mal feito, desde do inicio deste caso, de toda forma o sr.Alcindo Rocha era obrigado, dizer as verdades, para aonde passou esta soma de dinheiro, Antes de ser julgado ? Na europa esses casos passem anos e mais anos na Investigaçäo até que sairem, as verdades

  3. EMIGRANTE 2

    Eu concordo plenamente com o Emigrante.A juiza teve muita preça em julga-lo.Deveriam inverstigar mais o desvio.Com A pena de 13 anos ele vai sair da cadeia com 57 anos. perguta onde è que ele vai arrangar um trabalho para indemnizar o BCA????
    Nao seria melhor investigar???????????????ou nao Dona Juiza sem noçao….

Os comentários estão fechados.

Publicidades
© 2012 - 2018: Notícias do Norte | Todos os direitos reservados.